Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 21/10/2011 | 20h24

Começa na Bélgica a Busworld, maior feira de ônibus do mundo

Mostra reúne as maiores empresas do segmento na cidade de Kortrijk

José Carlos Secco, para AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


José Carlos Secco, para AB

Sem a presença de nenhuma empresa brasileira, apesar da importância dos fabricantes e do mercado nacional para o setor, começou nesta sexta-feira, 21, em Kortrijk, na Bélgica, a Busworld 2011, maior, mais importante e sofisticada feira do mundo no segmento de ônibus. O evento, que termina no dia 26, reúne 350 expositores, pretende atrair 25 mil visitantes de 110 países e apresenta as principais tendências e o que há de mais moderno em veículos, componentes e serviços.

O principal tema abordado pelos fabricantes e construtores (de ônibus completos, carrocerias e chassis) é a sustentabilidade e a preocupação com a redução das emissões para a preservação ambiental. É unânime entre as empresas o importante papel que o ônibus e a sua maior utilização podem desempenhar para a redução da emissão de poluentes, do consumo de combustível e, mais importante, para o bem-estar dos habitantes de qualquer cidade do mundo, mesmo as pequenas.

Os maiores fabricantes europeus, como Irisbus, MAN, Mercedes-Benz, Scania, VDL e Volvo, e também os cinco chineses presentes – recorde do evento – focaram suas participações no lançamento de modelos híbridos, diesel/elétrico, elétricos e movidos a hidrogênio. Para os executivos dessas empresas, hoje as opções mais eficientes e de aplicação imediata são os híbridos diesel/elétrico, mas o futuro aponta o veículo totalmente elétrico como o mais indicado para o transporte urbano, devido a não emissão, baixíssimo nível de ruído e conforto.

Com propostas e tecnologias semelhantes, os modelos híbridos apresentados em Kortrijk por esses construtores são, em média, 40% mais econômicos, reduzem em 50% a emissão de CO2 e o ruído em até 35%, em relação aos veículos Euro V em aplicação hoje na Europa.

Outro ponto comum entre os fabricantes europeus é o investimento no desenvolvimento de veículos e soluções para os sistemas BRT. Todos apostam nele como uma das melhores soluções para a sociedade e afirmam que não será possível atingir os objetivos de diminuição da poluição ambiental nas grandes cidades sem o ônibus, de preferência híbrido, elétrico ou até hibrido plug-in (para recarregamento rápido das baterias).

Várias montadoras colocaram à disposição dos visitantes os seus veículos para demonstrar os benefícios dessa tecnologia e o ponto imeditamente perceptível é o silêncio. O objetivo é conscientizar e convencer a sociedade de que o ônibus é a solução e a maioria aderiu à ação lançada na Busworld – Coach&Bus – sustainable mobility (Ônibus – mobilidade sustentável).

A conta não fecha

Não só os fabricantes europeus, mas os cinco construtores chineses presentes na edição deste ano da Busworld Kortrijk deram total ênfase para os híbridos e deixaram claro que o mercado-alvo deles é a Europa. Apesar de a China ter anunciado a decisão de investir muito no desenvolvimento dessa tecnologia e de vários testes estarem em realização no país, as oportunidades de fornecimento em curto prazo estão centradas nas nações europeias. E aí a conta não fecha.

Os promotores da Busworld apontam que, há dez anos, a produção mundial era de 240 mil unidades/ano, a Europa produzia 34 mil veículos e a China menos de 30 mil. Hoje o mercado cresceu 50% e atingiu volume de 360 mil unidades/ano, mas a Europa responde apenas por 7% do total e a China pulou para 29% ou mais de 100 mil ônibus.

Por que todo e tanto interesse dos fabricantes chineses e de outros países, como Turquia, Rússia e Eslovênia no mercado europeu? Por que investir e concorrer em um mercado que retrocedeu de 2008 para cá? Por que não focar em uma região com maior potencial de crescimento? Para os turcos da Temsa, a região responde por 85% da sua produção. O estranho é que tanto Volvo, como Scania, Mercedes-Benz e MAN apontaram a América Latina e a Ásia como os continentes de maior crescimento e as duas primeiras estão investindo fortemente na China, inclusive para o desenvolvimento de modelos híbridos.

Os europeus apontando suas fichas e volumes nas Américas e Ásia e os asiáticos e do leste europeu mirando o velho continente. A explicação é que, para os asiáticos, estar na Europa comprova qualidade – outro tema bastante explorado para tentar valorizar o produto. Já para os fabricantes do leste europeu e Oriente Médio, os diferenciais são os baixos custos de aquisição e operacional, garantidos pela utilização de componentes de marcas tradicionais, produzidos fora da Europa.

De qualquer maneira, a conta não fecha. Pelos discursos e produtos apresentados, a oferta de híbridos será acima da demanda. São pouco mais de 1.000 unidades rodando na Europa e nos Estados Unidos, menos de 0,5% do total produzido. Também vai faltar mercado para tantos fabricantes interessados no velho continente. É esperar para ver como os clientes reagirão aos apelos da sustentabilidade e do híbrido que, sem dúvida trarão custos maiores, ainda mais com a entrada em vigor da norma Euro 6, em 2013, na Europa.



Tags: Busworld, ônibus, bélgica, feira, evento, híbrido, transporte.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência