Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 05/10/2011 | 18h19

AGCO investe R$ 100 milhões no Brasil até o fim de 2012

País tem participação de 80% nos negócios da companhia na América do Sul

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

A AGCO olha com atenção especial para a operação sul-americana, que responde por 25% do faturamento global da companhia. Para acelerar os negócios na região, a empresa está investindo R$ 100 milhões nas fábricas brasileiras até o fim de 2012, já que o País responde por 80% do resultado do continente.

A maior parte, R$ 65 milhões, será aplicada na planta de Santa Rosa (RS), para a instalação de uma nova estrutura de pintura, melhoria da manufatura com aumento da robotização e adequação ao sistema lean. As plantas de Canoas (RS) e Mogi das Cruzes (SP) também receberão aportes. Na primeira a companhia investirá R$ 10 milhões em uma nova linha de pulverizadores e na segunda R$ 25 milhões para acelerar a produção de motores, que deve alcançar recorde este ano, com 20 mil unidades.

As projeções da empresa para 2011 são as mesmas da Anfavea, que prevê mercado estável, com o mesmo volume de vendas do ano passado, de 68,5 mil unidades. Apesar disso, a companhia espera diferenças entre os resultados de cada segmento. “As vendas de tratores podem desacelerar até 10% e as de colheitadeiras devem crescer na mesma proporção”, acredita André Carioba, vice-presidente para a América do Sul.

O faturamento na região deve chegar a US$ 9 bilhões este ano mas a ideia é que este número alcance os dois dígitos já em 2012. Mesmo com a perspectiva de crescimento, em 2011 a companhia perdeu mercado na região e viu o market share cair dos 49,6% registrados em 2010 para 46,5% até julho deste ano. No Brasil, a fabricante de máquinas agrícolos perdeu cerca de dois pontos percentuais de participação e ficou com 50,9% de presença no primeiro semestre.

Carioba aponta que um dos motivos para a baixa é a perda de força do programa Mais Alimentos, que financia pequenos agricultores em até R$ 130 mil. A empresa aponta que a linha de crédito precisa ser reformulada para atender uma nova categoria de agricultores. “O programa é muito bom e já foi responsável pela venda de 43 mil tratores em três anos mas agora está saturado. O público alvo já foi atingido”, avalia.

Entre os desafios para recuperar o espaço perdido na América do Sul está avançar no segmento de colheitadeiras e manter o market share na área de tratores. A companhia também trabalha para aumentar a competitividade, com investimentos nas fábricas e em novos produtos. “A demanda por tecnologia está crescendo muito na região. Estamos ampliando a oferta de sistemas de controle de tráfego e piloto automático”, conta o vice-presidente.

Outro objetivo é aumentar a rede de distribuição, que hoje conta com cerca de 600 pontos de venda, 300 deles no Brasil, e ampliar a oferta de serviços. A empresa adiantou ainda que deve anunciar em breve um investimento na Argentina, já que o governo do País vizinho deixou de emitir licenças não automáticas para liberar a entrada de maquinário nacional.

Confira entrevista exclusiva com André Carioba, vice-presidente da AGCO para a América do Sul:



Tags: AGCO, investimento, fábrica, máquina agrícola.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência