Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Eventos | 14/09/2011 | 16h40

Peugeot quer distância da guerra de preços e foca em produtos

Marca busca ser referência onde atua

Giovanna Riato, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB
De Frankfurt, Alemanha


A ofensiva das marcas chinesas de carros no mercado brasileiro está forçando montadoras que produzem nacionalmente a baixar preços. O cenário, no entanto, não afeta a estratégia da Peugeot, que pretende manter a oferta de veículos mais sofisticados, que não disputam o consumidor que está comprando o primeiro carro. “Esse é justamente o terreno que não queremos entrar. Renunciamos a essa parte do mercado para manter a coerência”, explica Marc Bocqué, diretor global de marketing e comunicação da marca, em entrevista no estante da Peugeot no Salão de Frankfurt.

Ser coerente, na opinião do executivo, é manter oferta ampla de produtos para vários segmentos, mas trabalhar para ser referência em cada um deles. Em paralelo a esse foco, a companhia trabalha para se internacionalizar e garantir que, até 2015, 50% das vendas sejam feitas fora da Europa. “Não podemos apostar em apenas uma região”, pondera Bocqué. A meta não está tão distante. A empresa encerrou o primeiro semestre deste ano com 44% dos negócios em países fora do continente europeu.

A diversificação também está no portfólio de produtos, que já oferecem motores elétricos, a combustão e o primeiro híbrido diesel-elétrico do mercado, caso do 3008 Hybrid4 (foto abaixo). Para o diretor, os modelos, a princípio desenvolvidos para atender a legislações de emissões de poluentes cada vez mais rigorosas, também representarão um ganho para o consumidor, que terá carros mais duráveis e econômicos.



Brasil

A estratégia relatada por Bocqué fez a Peugeot saltar da décima posição no ranking global de vendas para a nona colocação em 2010. Apesar disso, a marca está fazendo o caminho inverso no mercado brasileiro e caiu da nona colocação em vendas entre janeiro e agosto do ano passado para a décima no mesmo período deste ano, com o mesmo volume, de 57,7 mil unidades, mas perda de participação de 2,7% em 2010 para 2,5% este ano.

Mesmo nesse cenário, a visão do diretor é otimista: “Temos uma boa equipe e uma unidade industrial fortalecida para acompanhar o crescimento”, afirma. Uma agenda acelerada de lançamentos também pretende ajudar a marca a recuperar o ritmo no mercado brasileiro. O cupê RCZ (foto abaixo) chega em outubro deste ano. Entre o fim de 2011 e o início do próximo ano a companhia começará a vender o 408 com motor turbo. O sedã 508 (foto mais abaixo) deve começar a ser vendido no Brasil em 2012.





Mobilidade do futuro

O executivo também conduz a Peugeot para acompanhar as mudanças do mercado. Levantamento da ONU (Organização das Nações Unidas) indica que, até 2025, 70% da população mundial viverá em centros urbanos. Segundo Bocqué, a empresa pretende responder às novas necessidades que essa realidade traz. “O cliente busca novas soluções de mobilidade”, afirma.

Entre os projetos desenvolvidos para esse novo cenário está o My Peugeot, uma espécie de compartilhamento de carros que envolve apenas os veículos da marca, dos mais diversos segmentos como bicicletas, scooters, automóveis e comerciais leves. A ideia é que o cliente se associe via internet ou em uma das revendas da marca e possa utilizar os veículos que quiser de acordo com a necessidade do momento. O serviço já está disponível em nove países e, em um ano e meio, atraiu 9 mil clientes. Até 2013 a novidade estará disponível em mais de 300 pontos de venda.



Tags: Frankfurt, Peugeot, RCZ, 508, 3008 Hybrid4.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência