Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 01/09/2011 | 23h00

Paraná está de volta à briga e busca novos investimentos de Renault e Nissan em novas fábricas

Estado conquista Paccar e retorna ao jogo de incentivos do setor

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

Após conquistar sua quinta fábrica de veículos, o Paraná mostrou que “está de volta ao jogo” para receber novos investimentos do setor automotivo, como aconteceu nos anos 90, segundo informou a Automotive Business fonte do governo paranaense. Além da Paccar, que confirmou a fabricação de caminhões DAF em Ponta Grossa (leia aqui), o Estado também negocia receber novos investimentos da Renault e de sua associada, a Nissan.

A fabricante japonesa, sócia da Renault, incluiu algumas cidades paranaenses em seus estudos para montar uma nova linha de produção no País de carros compactos com capacidade para 200 mil unidades/ano, possivelmente do March ou modelo da mesma plataforma V.

Em 29 de setembro, o governador do Paraná, Beto Richa, visitou dirigentes da Renault em Paris, na França, para dizer que o Estado estava disposto a conceder incentivos para a Renault acelerar seu plano de investimentos em expansão da planta de São José dos Pinhais. Trata-se de incentivo fiscal parecido com o concedido na década de 90 quando Renault e Volkswagen se instalaram no Paraná: generosos descontos, de até 90%, no recolhimento do ICMS. Foi o que a Paccar ganhou, por oito anos, para ficar em Ponta Grossa.

Na França, Richa ouviu que não só a Renault estaria interessada em aproveitar a oferta, mas também sua associada, a Nissan, que já tem unidade de produção instalada no Paraná dentro do mesmo complexo industrial, onde faz a picape Frontier e os monovolumes Livina. Contudo, a Nissan está em busca de mais espaço para produzir um modelo de maior volume.

Dirigentes da Renault e da Nissan já estiveram com integrantes do governo paranaense para discutir os investimentos e os incentivos estaduais. Segundo pessoas ligadas à negociação, os novos investimentos da Renault irão além da expansão da fábrica em cerca de 50%, para algo como 300 mil veículos/ano, e incluem a construção de um centro completo de desenvolvimento de produtos. Já a Nissan ainda não bateu o martelo, pois negocia a instalação de sua nova fábrica no País também em municípios paulistas e no Estado do Rio de Janeiro, no complexo da EBX em Porto Açu.

No Paraná, sabe-se que os municípios vizinhos de São José dos Pinais e Rio Grande entraram na disputa pela nova fábrica da Nissan e, segundo informações de bastidores, Ponta Grossa, um pouco mais distante, também está no páreo. A cidade já ganhou a Paccar com boa oferta de mão-de-obra qualificada, formada por escolas técnicas locais, e aposta na mesma fórmula para atrair a Nissan.

O fato é que o incentivo oferecido pelo governo paranaense é maior do que a oferta de São Paulo, que limita-se ao Pró-Veículo, que apenas devolve mais rápido os créditos de ICMS das exportações. Como se sabe que as exportações não são o forte da indústria automotiva brasileira neste momento, esse incentivo é bastante pequeno.

A decisão sobre os novos investimento de Renault e Nissan no País é esperada para ser divulgada no decorrer de setembro, ou começo de outubro. Se o Paraná vencer a disputa, ficará comprovado que não é suficiente para afugentar ninguém o criticado custo de mão-de-obra em franca elevação na região – inclusive na Renault, que fechou pacote de aumentos reais de 20% até 2013 e pagará bônus que somam R$ 61 mil por empregado no período.



Tags: Paraná, Paccar, DAF, Ponta Grossa, Nissan, Renault, investimento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência