Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 17/08/2011 | 21h00

Petrobras vai aumentar produção de etanol

Empresa poderá construir refinarias próprias, diz Gabrielli

Agência Estado

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Agência Estado

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, voltou a afirmar nesta quarta-feira, 17, que a companhia pretende aumentar sua participação nas empresas com as quais produz etanol, caso das joint ventures com os grupos Guarani e São Martinho. Ele admitiu, também, que a companhia poderá construir refinarias próprias. O plano da estatal é passar da atual participação no mercado brasileiro de etanol de 5,3% para 12% em 2015.

Como parte do projeto de expansão, também nesta quarta-feira a Petrobras Biocombustível e o Grupo São Martinho anunciaram investimentos conjuntos de R$ 520 milhões na Usina Boa Vista, em Quirinópolis (GO), que será a maior produtora de etanol de cana no mundo (leia aqui).

Depois de participar de audiência na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, Gabrielli afirmou que os problemas recentes no abastecimento de etanol no País se devem ao aumento da frota brasileira de veículos e à quebra da safra de cana-de-açúcar na Índia, que elevou os preços internacionais do açúcar e tornou mais atrativa a sua produção. Com isso, a produção de álcool no Brasil foi reduzida, gerando aumento nos preços, com impacto também nos preços da gasolina.

Gabrielli destacou também que a área plantada de cana no Brasil é insuficiente, uma vez que investimentos previstos no setor foram interrompidos durante a crise, em 2008 e 2009. “Os preços caíram, mas ainda estão 30% acima dos verificados em 2010. O problema não é falta de álcool, mas de cana plantada”, afirmou. Segundo Gabrielli o Brasil deve alcançar autossuficiência na produção de gasolina em 2020, mas não dá para fazer previsões sobre o comportamento da safra de cana-de-açúcar até lá.

O presidente da Petrobras acrescentou que não existe um limite para que a estatal segure o preço da gasolina. Segundo ele, a companhia acompanha os preços internacionais do petróleo e de derivados, além das variações de câmbio, para tomar uma decisão. “Não precisamos fazer (reajuste de preço) todo o dia, não tem data. Somos muito grandes no mercado e quem é muito grande não gosta de mexer no preço”, concluiu.

Mercado interno

O diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, afirmou que a estatal está reavaliando o uso de suas refinarias em construção, diante do aumento do consumo de combustíveis no País. Segundo ele, será necessário usar parte da produção que antes seria exportada para atender o mercado interno.

Costa afirmou que o consumo dos derivados líquidos está crescendo a um ritmo de 6,6%, acima do Produto Interno Bruto (PIB) estimado para 2011 (entre 3,5% a 4,5%, segundo analistas), movimento que também foi verificado em 2010.

Entre as principais refinarias que terão a produção destinada agora ao mercado interno está a do Ceará, disse. Os planos de exportação, segundo ele, foram feitos em 2007 e 2008, quando a empresa ainda não esperava um aumento tão forte da demanda interna. Entre os fatores apontados para a elevação do consumo estão o aumento da renda da população e incremento dos deslocamentos.



Tags: Petrobras, São Martinho, etanol, biocombustível, investimento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência