Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 27/07/2011 | 23h25

América do Sul: 5 milhões de veículos em 2011

Região registra maior taxa de crescimento de todo o mundo

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

O mercado sul-americano deve fechar 2011 com mais de 5 milhões de veículos novos vendidos na região durante este ano. A projeção foi feita nesta quarta-feira, 27, por Jaime Ardila, presidente da General Motors América do Sul. Ele destacou que somente no primeiro semestre já foram comercializados 2,7 milhões de unidades, com 16% de crescimento sobre o mesmo período de 2010. “É a região que mais está crescendo no mundo atualmente”, disse, considerando que nos Estados Unidos o mercado avança a uma taxa de 12%, enquanto na China a expansão está se estabilizando em patamares menores.

Ardila destacou algumas “boas surpresas” na América do Sul este ano, como a Colômbia, onde as vendas crescem ao ritmo de 50%, o Chile, com 30% de expansão este ano, e a Argentina, que deve consumir 800 mil veículos em 2011. A exceção seria a Venezuela, onde os negócios estão em queda por conta das restrições às importações impostas pelo governo.

O Brasil, apesar do crescimento de quase 10% nas vendas do primeiro semestre, no entanto, figura na lista das decepções de Ardila. “O mercado cresceu apoiado nas vendas a frotistas, o que não é sustentável no longo prazo”, disse. Ele calcula que as vendas especiais, para grandes compradores, sejam responsáveis por 22% dos negócios este ano. Para o executivo, o mercado de varejo, nas concessionárias, foi contido pelo encarecimento do crédito causado pelas medidas tomadas do Banco Central e pelo aumento dos juros.

Competitividade

Ardila revelou que espera por medidas do governo de apoio à indústria no País. “Não sei quais medidas vão anunciar, mas vejo o governo muito interessado em ajudar a indústria. Creio que vão apoiar mais o desenvolvimento tecnológico nacional. O estudo de competitividade do setor (entregue pela Anfavea em Brasília no fim de junho) foi muito bem recebido e propõe medidas nesse sentido”, revelou o executivo.

O presidente da GM América do Sul defende, assim como a Anfavea, que os custos de produção estão muito elevados no Brasil. “Nem vou comparar com a China, mas um componente feito na Coreia é 40% mais barato do que aqui”, exemplificou. “A combinação de custos elevados e câmbio desfavorável faz o Brasil pouco competitivo para exportar. É melhor reconhecer essa realidade.”

O executivo revelou também que não encontra dificuldades para exportar carros para a Argentina, mas a GM enfrentou problemas para trazer carros de lá para o Brasil, devido a demora na concessão de licenças de importação, tornadas obrigatórias desde maio passado. “Nesse momento a situação já se normalizou, conseguimos aprovar todas as licenças que estávamos esperando”, disse. “Ainda bem, porque estávamos preocupados que isso poderia impactar nossos resultados, pois trazemos o Agile da Argentina.”



Tags: América do Sul, Jaime Ardila, GM, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência