Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia e Engenharia | 14/07/2011 | 18h55

Ozires Silva faz alerta sobre os desafios da globalização

Ex-ministro mostra descrença nos programas em gestação no governo

Paulo Ricardo Braga, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Ricardo Braga, AB

“O governo fala, promete e não faz. Esses programas não vão em frente.” E emendou: “Quando a gente sabe onde quer chegar é mais fácil planejar e realizar as coisas. Aqui não se planeja nem organiza nada”, disparou Ozires Silva, ao avaliar a eficácia dos novos programas de incentivo à competitividade que o governo prepara. Para ele, seria preciso políticos da estatura de Juscelino Kubitschek para levar o País adiante.

Engenheiro aeronáutico pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e piloto da Força Aérea Brasileira (FAB), Ozires ajudou a criar a Embraer (em 1970) e presidiu a empresa por 20 anos. Foi presidente da Petrobras, da Varig e ministro de Estado da Infraestrutura. É escritor, professor e participa de instituições de pesquisa e ensino. Com essa experiência ele fala de cátedra sobre questões nacionais, incluindo algumas que o afligem.

Assuntos relacionados à aeronáutica, por exemplo, trazem a ele tanta alegria como aborrecimentos. Ele explica (e pergunta): “Como entender que uma empresa como a Embraer comercialize no exterior 97% da sua produção de aviões comerciais? Por que os aviões são bons para os Estados Unidos e outros países e não para nossas companhias de aviação?”

O caso da Embraer leva a outros, como a indústria automobilística, que deve importar quase um terço dos carros emplacados no Brasil este ano. “A saída para o País é ganhar eficiência e ser competitivo. Como a Embraer. Com a globalização as empresas têm de ganhar competência e valorizar a inovação. Não haverá fronteiras e barreiras tarifárias. É preciso entender as mudanças e avançar nessa direção”, pondera.

Queria ouvir mais sobre o que a experiência de Ozires diz a respeito do momento crucial para seu futuro que o Brasil atravessa. Mas tive de interromper pela metade a entrevista engatilhada na quinta-feira, 14, durante a abertura da 14ª Feira Internacional de Aeronáutica. Apesar da disposição dele em falar sobre seus temas preferidos, como a Embraer e a inovação, é difícil para Ozires atender uma só pessoa em seu habitat natural, em São José dos Campos, onde ainda é muito popular e querido, após dedicar grande parte da carreira à Embraer.

Depois de ceder a vez para jornalistas, fotos com admiradores e um convite para visita a estandes, tratei de apressar o bate-papo com o principal personagem da feira de aviação, que é atualmente reitor da Unimonte, entre outras dezenas de afazeres institucionais. Mas não deu para ir muito além. Em poucos minutos, Ozires completou a agenda com novos compromissos, depois de posar ao lado de um exemplar do Volare, avião fabricado em Bauru. Ele checou a performance do protótipo, gostou e prometeu visitar o engenheiro e dono da companhia na próxima visita à cidade do interior paulista. Um profissional do setor aeronáutico, entusiasmado ao ver o executivo, pediu fotos com o filho, enquanto um representante do consulado francês o convocava para uma reunião no estande. Entendi, então, que era hora de encerrar a entrevista.



Tags: EAB, feira de aeronáutica, Embraer, CTA, ITA, JK, competitividade, aviação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência