Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 05/07/2011 | 19h28

Volvo Bus: Suécia mais competitiva que o Brasil

Para empresa, País não garantirá investimentos apoiado apenas no mercado interno.

Giovanna Riato, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

A Volvo Bus é um caso raro no atual cenário da indústria automotiva nacional. A companhia exporta cerca de 30% dos veículos que produz na fábrica paranaense de Curitiba, mesmo diante da crise de competitividade que o setor enfrenta.

Apesar disso, Luís Carlos Pimenta (foto), presidente da montadora para a América Latina, diz que é cada vez mais difícil manter esse ritmo. “O custo Brasil e a logística já são complicadores. Agora temos ainda o encarecimento da mão de obra”, alerta. Para o executivo essa é uma das maiores preocupações e pode representar um tiro no pé da indústria local. O segmento de ônibus enfrenta um problema adicional, já que produz em menor escala e, por isso, tem preços menos favoráveis com os fornecedores do que o setor de caminhões, por exemplo.

Segundo Pimenta, a saída para não perder encomendas é trazer veículos da Suécia em momentos em que não é viável exportar do Brasil para os vizinhos da América Latina. Pimenta afirma que, apesar da mão de obra valorizada, o país europeu é exportador por vocação. “Eles têm eficiência logística”, destaca.

O executivo acompanhou a divulgação do estudo sobre a competitividade da indústria nacional, realizado pela Anfavea. ”O levantamento foi muito bem feito mas precisamos avançar com ações”, acredita. Na visão dele, o Brasil conta com a vantagem de ter um mercado interno forte mas, sem competição externa, as empresas podem perder o interesse em investir. “Ninguém quer ficar exposto às fraquezas do País”, aponta.

Pimenta acredita que uma das vantagens da produção local é a qualidade. Segundo ele, a Volvo tem na fábrica do Paraná alguns índices superiores aos do exterior. A cadeia de fornecedores estruturada é mais uma segurança da operação brasileira da companhia, que está fechando contratos para iniciar a montagem de um modelo de ônibus híbrido que combina um motor diesel e um elétrico. “A relação com fornecedores não pode ser oportunista”, diz Pimenta, explicando o motivo de apostar novamente no Brasil para produzir uma nova linha de produtos.



Tags: Volvo, Luís Carlos Pimenta, competitividade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência