Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 14/06/2011 | 09h56

BorgWarner: nova fábrica e centro de engenharia

Empresa aposta na evolução do mercado e terá novos produtos.

Paulo Ricardo Braga, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Ricardo Braga, AB

Os cenários positivos para a indústria automobilística na região levaram a BorgWarner a confirmar programa de investimento em nova unidade na cidade de Itatiba, interior de São Paulo. Junto à fábrica será construído também um centro de engenharia.

O início de atividades está previsto para dezembro de 2012. A nova planta ficará a 70 km da capital paulista, próxima da atual, e numa primeira fase terá área construída de 20 mil m2, com possibilidade de expansão dentro do terreno de 100 mil m2.

Arnaldo Iezzi Jr., diretor geral para o Brasil (foto), já havia antecipado a Automotive Business a necessidade do aporte. "Precisamos crescer e as instalações de Barão Geraldo, em Campinas, não podem ser ampliadas, já que estamos em área urbana", explicou. Ele projeta crescimento pelos próximos cinco anos dos negócios na América do Sul, atendendo fabricantes de motores, montadoras e o mercado de reposição.

No ano passado a Borgwarner produziu em Campinas 300 mil turbocompressores e 270 mil embreagens viscosas e ventiladores. Para 2011 a empresa projeta aumento de 15%. Tim Manganello, presidente e CEO do grupo, enfatizou a importância da operação brasileira e sugere que haverá novos produtos na linha oferecida na região.

A BorgWarner é um player global na área de componentes e sistemas para motores e transmissões de veículos leves, comerciais e fora de estrada. No Brasil a empresa tem como principal concorrente a Honeywell, que atua no mercado de turbocompressores com a marca Garrett.

O principal mercado para as duas empresas está no segmento de veículos comerciais a diesel. Fontes do governo, no entanto, anunciaram que um programa está sendo formulado para associar a cobrança de IPI dos automóveis aos níveis de emissões de CO2, que constituem um indicador do consumo de combustível. Assim, os novos motores Otto podem adotar a turbocompressão para ganhar eficiência e estimular a produção de turbos.

Foto: Arnaldo Iezzi Jr., diretor geral da BorgWarner para o Brasil.



Tags: BorgWarner, Honeywell, turbos, Arnaldo Iezzi Jr., veículos comerciais.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV