Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 08/06/2011 | 13h02

Petrobras aposta em etanol de segunda geração

Empresa investe US$ 400 milhões para produção do combustível.

Mário Curcio, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Mário Curcio, AB

Durante o evento Ethanol Summit, que ocorreu no Hotel Grand Hyatt nestes dias 6 e 7 de junho, a Petrobras expôs seus avanços na produção de etanol de segunda geração. “A produção de etanol de segunda geração, com bagaço de cana, daria para abastecer a frota da cidade de São Paulo por um ano”, revela o gerente de Gestão Tecnológica da companhia, João Norberto Noschang Neto (foto) . “E a geração de energia elétrica com esse bagaço daria para iluminar a cidade do Rio de Janeiro também por um ano”, informa Neto, que falou sobre essa nova realidade da companhia: “Nós vivemos em biocombustíveis hoje o desafio que tivemos há alguns anos para iniciar a produção de petróleo em águas profundas.”

Em sua apresentação, ele revelou: “A Petrobras investe US$ 400 milhões em biodiesel, etanol, desenvolvimento de matérias-primas, novos biocombustíveis e sustentabilidade.” O projeto da Petrobras para o etanol de segunda geração começou em 2004 e exigiu o desenvolvimento em laboratório e a construção de uma planta piloto, em 2008, dentro do centro de pesquisas da companhia. A operação envolveu associações com outros centros de pesquisa, a construção de uma unidade experimental e de unidades industriais.

Noschang Neto expôs problemas enfrentados pela Petrobras com o crescimento da produção de etanol. Um deles é decorrente de safras mais longas, que resultam em dificuldade de colheita nos períodos chuvosos e também em queda no teor médio de açúcar da planta. A estocagem de grandes volumes de açúcar também é outro problema, cuja solução pode ser a transformação do produto em melaço ou em xarope invertido. Sobre a estocagem de grandes volumes de etanol, os maiores problemas são as perdas por evaporação e o alto risco de acidentes, como incêndio.

Para o executivo, os próximos passos são a construção de unidades de produção mais eficientes e integradas às primeiras, a busca de novas enzimas (que entram no processo de obtenção do álcool de celulose), flexibilidade no uso de matérias-primas e a utilização de cana-de-açúcar com menor geração de bagaço.



Tags: Ethanol Summit, João Norberto Noschang Neto, etanol de segunda geração, melaço, xarope invertido.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência