Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 06/06/2011 | 18h55

Ethanol Summit: petroleiras investem no etanol

Grandes companhias de petróleo apostam na produção.

Pedro Kutney, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

As grandes companhias petrolíferas parecem não ter dúvidas sobre a estratégia mais adequada para garantir seu futuro diante do cenário da nascente economia de baixo carbono: todas falam em fortes investimentos em biocombustíveis, com ênfase no etanol e mais ênfase ainda no agrocombustível derivado da cana de açúcar. “Até agora a cana é a melhor molécula que a natureza criou para a geração de energia”, avaliou Phillipe Boisseau, CEO de gás e energia da Total, durante sua palestra no Ethanol Summit 2011, que começou em São Paulo nesta segunda-feira, 6, e prossegue até esta terça-feira.

No painel “O Futuro do Petróleo e o Papel dos Biocombustíveis”, todos os representantes de empresas petrolíferas (quatro no total) revelaram investimentos na produção de etanol a partir da cana de açúcar, apostando no firme crescimento do consumo mundial do agrocombustível nos próximos anos. “O etanol deverá representar de 5% a 10% de nossos negócios em mais alguns anos”, disse Boisseau, revelando também que a Total já fechou contrato com a empresa de biotecnologia Amyris para pesquisa e desenvolvimento de etanol de segunda geração, destilado a partir de celulose, incluindo o próprio bagaço da cana.

O consumo de etanol no mundo deverá atingir 6,5 milhões de barris equivalentes de petróleo por ano até 2030, o dobro do que é hoje, segundo projeções da BP. Philip New, CEO de biocombustíveis da companhia, destacou em sua apresentação que 40% do aumento do consumo de combustíveis líquidos no mundo deverão ser supridos por biocombustíveis. “Vemos claramente o petróleo cedendo espaço para os biocombustíveis e eletricidade”, avaliou.

O executivo também ressaltou o custo competitivo do etanol brasileiro, de cerca de US$ 50 por barril, quase o mesmo do petróleo retirado de águas profundas e US$ 10 mais barato do que o etanol de milho produzido nos Estados Unidos. “A cana é a mais sustentável e produtiva fonte de etanol”, disse New.

Decisão estratégica

Miguel Rosseto, presidente da Petrobras Biocombustíveis, destacou a decisão estratégica da estatal brasileira, que em março de 2008 criou a divisão para investir na produção de biocombustíveis, em parceria com grupos usineiros já estabelecidos. Para Rosseto, esse será o futuro do negócio: “Petróleo, gás e carvão continuarão a ser as principais fontes primárias energéticas do mundo, mas existe uma agenda de mitigação dos efeitos desse consumo que é definitiva. Os biocombustíveis fazem parte dessa agenda e a Petrobras precisa estar preparada para isso.”

“O Brasil é o país mais eficiente do mundo para se produzir etanol e a cana é a cultura mais sustentável. Por isso firmamos aqui uma joint venture com a Cosan”, disse Mark Gainsborough, vice-presidente de portfólio e energias alternativas da Shell. A associação brasileira da empresa poderá produzir até 2 bilhões de litros por ano de etanol.

Contraponto

O investidor Vinod Khosla, presidente da Khosla Ventures, fez o contraponto do painel. Para ele, a indústria do petróleo ainda investe aquém do necessário em biocombustíveis. Khosla avalia ainda que a cana não será a principal fonte de biocombustível no futuro, mas sim a biomassa: “Em mais um ou dois anos poderemos produzir açúcares de biomassa com a mesma eficiência da cana”, projetou.



Tags: Biocombustível, etanol, Ethanol Summit, BP, Petrobras, Shell, Total.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência