Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 06/06/2011 | 11h35

Ethanol Summit cresce e aparece

Terceira edição do evento consolida interesse crescente pelo etanol

Pedro Kutney, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

Foi aberto na manhã desta segunda-feira, 6, em São Paulo, o Ethanol Summit 2011, que nesta sua terceira edição atraiu quase 1,5 mil pessoas para assistir a mais de 120 palestras até o fim do evento, na terça-feira. O interesse do público reflete a crescente importância do etanol como combustível renovável inserido na matriz energética não só do Brasil, mas do mundo todo.

Marcos Jank, presidente da União da Indústria de Cana de Açúcar, a Unica, lembrou em seu discurso na abertura do evento que a internacionalização do consumo de álcool combustível está em curso, mais de 15 países já têm programas de mistura à gasolina e outro tanto discute a sua adoção, mas “ainda é preciso derrubar as barreiras contra o etanol brasileiro”, até agora o mais eficiente do ponto de vista produtivo e ambiental.

“Não é possível que derivados de petróleo sejam comercializados livres de impostos enquanto o etanol sofre pesada taxação em diversos países do mundo”, disse Edison Lobão, ministro de Minas e Energia. “Devemos lutar para derrubar as restrições ao biocombustível”, garantiu.

Aumento da produção

Mas todos os especialistas presentes ao evento acreditam que o aumento da produção de etanol no Brasil e a expansão das exportações deverá ser uma questão de pouco tempo. Não por acaso, o setor de produção de açúcar e álcool atrai cada vez mais capital estrangeiro ao País, hoje na proporção de 22% das empresas sucroalcooleiras, contra apenas 7% há poucos anos, lembrou Haroldo Lima, presidente da ANP, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

Lima destacou que há apenas alguns meses o etanol passou a fazer parte do âmbito da regulação da ANP. “Agora é necessário criar um marco regulatório para o etanol, para aprimorar sua qualidade e o seu mercado”, disse o presidente da agência.

Para dar conta da demanda futura, mercado interno e prováveis exportações, até 2020 o País terá de, no mínimo, dobrar sua capacidade atual de produção de etanol, para cerca de 60 bilhões de litros por ano. Em 2010 o consumo de álcool combustível no Brasil foi de 22,2 bilhões de litros, com participação de 45% no consumo total da frota ciclo Otto. Caso seja mantida essa proporção, o consumo nacional deverá atingir 47,8 bilhões de litros em 2020. Se essa proporção subir para 50%, serão necessários 54,5 bilhões de litros, ou 68 bilhões de litros se o porcentual aumentar para 60%.

O aumento da produção de etanol no País acontecerá, conforme destacou o presidente da Unica, sem derrubada de florestas ou comprometimento da produção de alimentos. “A cana de açúcar ocupa menos de 3% da área agriculturável do Brasil e a produtividade está crescendo, portanto não será necessário expandir muito as plantações”, explicou.

Jank lembrou que hoje a produtividade da cultura de cana já é o dobro do que acontecia nos anos 70: saltou de 3 mil litros de etanol por hectare para 7,5 mil litros, com possibilidade de atingir 13 mil l/h nos próximos anos.

O ministro Lobão destacou os benefícios que o etanol já trouxe ao País. Com o uso do agrocombustível, o Brasil economizou o equivalente a 1,5 bilhão de barris de petróleo e 950 milhões de toneladas de CO2 deixaram de ser emitidos na atmosfera. Ao que Jank acrescentou: "Se o flex e o etanol não existissem, nos últimos seis anos os consumidores teriam gasto R$ 20 bilhões a mais para abastecer os seus carros só com gasolina, pois o etanol manteve-se competitivo sobre gasolina na maior parte do mercado."

Investimentos

Mas nem tudo são campos verdes no mundo do álcool. A recente escassez do produto e a escalada nos preços no País demonstrou a fragilidade do aumento do consumo sem a equivalente ampliação da produção com criação de estoques reguladores, o que Lobão prometeu para breve. “O setor precisa de um marco regulatório estruturante”, defendeu.

Também presente à abertura do Ethanol Summit, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, lembrou que o setor está apenas saindo da crise de 2008/2009, que freou os investimentos necessários de expansão da produção que estavam em curso e só puderam ser retomados no ano passado. De fato, o quadro de crescimento na produção de etanol, que era de 10% ao ano em média desde 2003, quando foi lançado o automóvel flex, caiu para apenas um terço disso nos últimos dois anos, o que impactou o fornecimento, principalmente no período da entressafra.

“O setor passou por teste importante na crise de 2008 e 2009, que retardou o processo de investimento na expansão da capacidade. Precisamos expandir as plantações de cana e ampliar sua produtividade para dobrar a capacidade atual até 2020”, disse Coutinho. “Temos todas as condições de liderar o processo de produção do etanol de segunda geração (a partir de celulose, incluindo o próprio bagaço da cana) e empregar a cana em novas fronteiras, na produção de biomateriais e bioenergia”, acrescentou.

Coutinho ressaltou que os investimentos nesse sentido já estão acontecendo, lembrando que o BNDES liberou no ano passado o recorde de R$ 7,6 bilhões para o setor de etanol e açúcar. A maior parcela dos recursos foi empregada em mecanização, via Programa de Sustentação do Investimento (PSI), para aumentar a produtividade.

Pelo que se viu na abertura da terceira edição do Ethanol Summit, o etanol já está consolidado como principal biocombustível do mundo – mas falta aumentar sua produção. Interesse parece não faltar, a julgar pelos milhares de participantes que o evento atraiu e também pelo número de patrocinadores, dez no total, incluindo três montadoras (Scania, Peugeot e Honda), um banco de investimento (Itaú BBA) e três petroleiras (Petrobras, Total e BP). Todos estão interessados no etanol.



Tags: Etanol, álcool, Ethanol Summit, Unica, cana de açúcar, biocombustível.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência