Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 01/06/2011 | 23h40

Aço: falta de competitividade nacional preocupa

Setor alerta para a desindustrialização no Brasil.

Giovanna Riato, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

O Instituto Aço Brasil mostrou nesta quarta-feira, 1º, que a perda de competitividade da indústria nacional é uma preocupação comum com o setor automotivo. A entidade divulgou a expectativa de desempenho para este ano na abertura do Congresso Brasileiro do Aço, que acontece em São Paulo até 3 de junho.

Segundo a entidade, o Brasil caminha para a desindustrialização. Exemplo disso é que a participação da indústria no Produto Interno Bruto foi de 15,8% em 2009 e 2010, índice mais baixo desde 2000, data mais distante considerada no levantamento do IABr.

Outro indicador preocupante é o comércio indireto de aço, que considera o insumo já empregado em mercadorias. Desde a crise financeira de 2008 os volumes de importações indiretas superam o de exportações. Em 2010 as compras externas passaram de 4,2 milhões de toneladas, com alta de 58,7% sobre 2009. Já as exportações indiretas de aço ficaram em torno de 2,6 milhões de toneladas, expansão de 27,5% na comparação com o ano anterior.

“A cadeia toda está sendo prejudicada, veja o setor automotivo. Precisamos corrigir anomalias competitivas”, considera Marco Polo de Mello Lopes, presidente executivo do instituto. Um caminho para isso, segundo o dirigente, é ter acesso ao mercado externo mas, ao mesmo tempo, proteger o nacional. Assim, o governo conseguiria garantir que as exportações brasileiras fossem além das matérias-primas e tivessem volumes maiores de produtos manufaturados.

Projeção 2011

O Instituto Aço Brasil espera para este ano um recorde de produção de aço bruto, com 39,4 milhões de toneladas e crescimento de 19,8% sobre o registrado no ano passado. A expectativa é exportar 12,8 milhões de toneladas, alta de 42,6% sobre 2010. Já a previsão para as importações é de 3,4 milhões de toneladas e retração de 42,4%. A entidade espera ainda que as vendas internas cresçam 18,6%, para 24,6 milhões de unidades.



Tags: aço, Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência