Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 25/05/2011 | 20h58

Simplificada devolução de crédito a exportador

Medida do governo dobra número de empresas beneficiadas.

Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Wellton Máximo, Agência Brasil

A diminuição das restrições e o aumento do prazo para a devolução acelerada de tributos pagos nas exportações, medidas anunciadas nesta quarta-feira, 25, pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, mais do que dobrarão o número de empresas beneficiadas, informou o subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal, Carlos Roberto Occaso.

Apesar disso, a proporção de empresas contempladas continuará abaixo de 10%. Pelos critérios atuais, das 4,6 mil empresas que pedem a devolução acelerada do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a cada trimestre, apenas cerca de 100 conseguem o benefício. Com a medida, o número deve aumentar para 250, segundo cálculos preliminares da Receita. Na prática, o percentual de empresas contempladas subirá de 4% para 8%.

Em relação aos créditos do PIS/Cofins, de 448 empresas que pediram o benefício apenas 47 obtiveram o ressarcimento acelerado no primeiro trimestre, pouco mais de 10%. De acordo com Occaso, o número, nesse caso, deve passar para 120. Esses exportadores, no entanto, estão incluídos no universo das empresas que pedem a devolução do IPI. Dessa forma, a proporção total continua inferior a 10%.

Para o subsecretário da Receita, o baixo percentual ocorre porque a maioria das empresas que pedem a devolução acelerada não se enquadra nas condições para conseguir o benefício. As empresas que não conseguem a devolução acelerada levam até cinco anos para ter os tributos devolvidos pelo Fisco, seja por meio de compensações ou de pagamentos em dinheiro.

Como um país não pode exportar tributos, todas as empresas que vendem ao exterior têm direito à devolução dos impostos e contribuições cobrados sobre as matérias-primas. O ressarcimento de todos os créditos tributários levava até cinco anos. Em abril do ano passado, no entanto, o governo decidiu pagar metade desses créditos em até 30 dias, desde que as empresas cumprissem determinadas condições.

O benefício só vale para empresas com a situação fiscal em dia, não investigada pela Receita, com escrituração fiscal digital, enquadradas na definição de exportador e com menos de 15% dos pedidos de devolução de créditos tributários rejeitados. Inicialmente, era considerada exportadora a empresa cujas vendas ao exterior correspondessem a 30% da receita. O percentual caiu para 15% em dezembro do ano passado e, agora, foi novamente reduzido, para 10%.

A Receita também ampliou o prazo de vigência do benefício. Até agora, somente exportações feitas a partir de abril de 2010 podiam contar com a devolução acelerada. Segundo a portaria publicada hoje (25), no Diário Oficial da União, as vendas externas entre 1º de janeiro de 2009 a 31 de março de 2010 também terão direito ao benefício. Para esses créditos atrasados, no entanto, a Receita fará o reembolso em até 60 dias, não em 30 dias como os pedidos processados a partir de abril do ano passado.

Occaso confirmou a estimativa apresentada mais cedo pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a devolução dos créditos de 2009 e do primeiro trimestre de 2010 custará R$ 2 bilhões ao governo. “Há potencial para chegar até R$ 3 bilhões, mas nem todas as empresas que pedem o benefício cumprem as condições. Então, uma estimativa de R$ 2 bilhões é razoável”, declarou.



Tags: Ministério da Fazenda, Guido Mantega, Receita Federal, IPI, PIS/Cofins.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência