Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 18/05/2011 | 18h10

Euro 5: Yara revela estratégia para Arla 32

Empresa é o maior fabricante global do produto para SCR.

Paulo Ricardo Braga, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Paulo Ricardo Braga, AB

A Yara Brasil fará palestra sobre a produção e comercialização de Arla 32 no Brasil, durante o evento Diesel e Emissões em Debate, promovido dia 30 de maio pela Anfavea, no Centro de Convenções Milenium, em São Paulo. A palestra caberá ao diretor Achille Liambos, que assumiu o comando dos negócios de Arla 32 na empresa, depois de 22 anos de atividade na Shell.

Maior fabricante mundial da solução de ureia, utilizada em sistemas SCR de pós-tratamento de gases de emissões de motores diesel, a empresa explicará seus planos para atuação no País e as necessidades da indústria de motores e veículos para atender, a partir de janeiro, os padrões Euro 5 estabelecidos pelo Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente.

Daniel Hubner, gerente dedesenvolvimento de negócios, esclarece que o Agente Redutor Líquido Automotivo (Arla 32), também conhecido como AdBlue ou DEF, é um fluido necessário para a tecnologia SCR (Redução Catalítica Seletiva), que estará presente nos veículos a diesel classificados como comerciais pesados e semipesados e ônibus fabricados a partir de 2012.

“O Arla 32 não é um combustível ou um aditivo para combustível. Injetado no sistema de escapamento, reduz quimicamente as emissões de óxidos de nitrogênio de veículos movidos a diesel. É uma solução de ureia de alta pureza que atende os padrões ISO 22241. O produto não é explosivo, tóxico ou nocivo ao meio ambiente”, afirma.

A Yara utiliza a marca Air1 para o produto, que produz em grande escala e distribui globalmente. No Brasil a empresa pretende utilizar ureia fornecida pela Petrobras e Vale Fertilizantes para fabricar o Air1. Outra alternativa de suprimento é a ureia produzida no exterior. Concorrente da Basf, a Yara informa que detém 40% do mercado europeu e lidera as vendas nos Estados Unidos.

“Não temos a intenção de fabricar no Brasil a matéria-prima utilizada. Uma unidade do gênero exigiria investimentos da ordem de US$ 1 bilhão”, avalia Hubner. A empresa pretende chegar diretamente ao usuário do produto, especialmente o grande frotista. Neste caso o Air1 será entregue em recipientes monitorados por telemetria. “Vamos saber quando é hora de fazer a reposição”, diz o executivo.



Tags: Yara Brasil, Arla 32, Air1, redução catalítica, SCR, Euro 5.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência