Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importados | 17/05/2011 | 17h35

Brasil-Argentina: US$ 1 bi em carros parados

Espera por licença pode travar giro de 58 mil veículos

Pedro Kutney, AB

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

A espera pelo licenciamento obrigatório para importação de veículos, se demorar o prazo limite de 60 dias, pode emperrar o comércio de cerca de 58 mil veículos entre Brasil e Argentina, ou algo em torno de US$ 1 bilhão em estoque parado nos pátios das montadoras. A estimativa é de Rogelio Golfarb, diretor de assuntos governamentais e corporativos da Ford América do Sul e ex-presidente da Anfavea na gestão 2004-2007.

“Esse valor parado tem custo elevado, dos juros que renderia caso estivesse no banco”, alertou o executivo, ao comentar as restrições adotadas pelo Brasil na semana passada, que passou a exigir para importações de veículos a autorização prévia do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Golfarb destacou que a medida é uma restrição burocrática a mais, pois todos os veículos importados pelo Brasil já precisavam de licenciamento não-automático do Ibama, que confere a conformidade com a legislação local de emissões de poluentes. Mas essas licenças estavam sendo obtidas rapidamente. Já a nova burocracia do MDIC tem grande potencial de emperrar o comércio bilateral de veículos entre os dois países. “Não se sabe quanto tempo cada autorização vai demorar para sair, pode ser um dia ou dois meses. Isso causa grande insegurança e afeta todos os planos de importação e exportação”, explicou.

Ford em compasso de espera

O diretor disse que a Ford ainda não experimentou na prática a nova burocracia de importação no MDIC, pois pegou no meio do caminho, ainda no mar, o embarque mais recente de carros da marca feitos na Argentina e enviados para o Brasil. “Já entramos com o pedido, mas não sabemos em quanto tempo teremos a liberação”, acrescentou.

Em 2010 a Ford movimentou 60 mil veículos entre suas unidades no Mercosul, somando os Focus e Ranger trazidos da Argentina para o mercado brasileiro e os Ka, Fiesta e EcoSport enviados do Brasil para lá. “Isso demonstra como o comércio bilateral é importante para nossa competitividade na região”, ressaltou Marcos de Oliveira, presidente da Ford Mercosul. “No curto prazo não vemos problemas, mas precisamos de clareza e transparência para direcionar nossas ações.”

Golfarb admite que as medidas atrapalham substancialmente as operações de diversos fabricantes de veículos em ambos os lados da fronteira. Por isso a estratégia do setor, desde a semana passada, é a de fazer os dois lados negociarem o mais urgentemente possível. Isso deve começar na próxima semana. Após duas horas de conversa na manhã desta terça-feira, 17, entre o embaixador do Brasil em Buenos Aires, Enio Cordeiro, e a ministra argentina da Indústria, Débora Giorgi, foi pré-agendada uma reunião de dois dias entre os secretários de Indústria da Argentina, Eduardo Bianchi, e o secretário-executivo do MDIC, Alessandro Teixeira.

Alkmin apoia medida “neste momento”

Presente ao mesmo evento promovido pela Ford na quinta-feira, em comemoração aos dez anos da linha de produção de caminhões em São Bernardo do Campo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ao ser questionado por jornalistas também comentou a decisão do governo federal de adotar licenças não-automáticas para a importação de veículos. Alkmin avalia que a “indústria brasileira não precisa de proteção”, mas ponderou que “neste momento a medida é importante”. Para o governador, não houve imposição de barreiras. “Eu não diria que são barreiras, são regras, e acho que é importante ter regras no comércio internacional e nas relações comerciais.”



Tags: Importações, Exportações, Comércio Exterior, Licenciamento, Argentina, MDIC, Rogelio Golfarb, Ford.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência