Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Energia | 06/05/2011 | 07h03

Custo da energia elétrica no país preocupa governo

Ministro diz que ICMS pesa mais que encargos federais.

Sabrina Craide, Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Sabrina Craide, Agência Brasil

O Ministério de Minas e Energia elabora estudo técnico sobre a possibilidade de redução dos custos da energia elétrica no país. Segundo o ministro Edison Lobão, esse assunto preocupa o governo, especialmente a presidenta Dilma Rousseff, mas qualquer mudança deverá ser debatida também com a área econômica.

“A energia elétrica que sai da usina hidrelétrica é barata, mas ao longo do caminho vai passando por custos que vão sendo agregados. A transmissão custa 'X', a distribuição custa infinitamente mais, aí vêm os encargos, os impostos, sobretudo o ICMS, isso tudo onera a energia elétrica e nos preocupa”, disse o ministro, que participou na quinta-feira, 5, de almoço no Itamaraty em homenagem ao presidente da Alemanha, Christian Wulff. Lobão fez questão de ressaltar que o que mais pesa nos custos da energia é o ICMS e não os encargos federais.

Lobão explicou que o encargo chamado Reserva Global de Reversão (RGR), que é cobrado na conta de luz, não pode ser extinto agora, porque servirá para indenizar empresas de transmissão e distribuição de energia que podem ter suas concessões encerradas nos próximos anos. Segundo ele, a RGR é um custo mínimo sobre os custos totais da energia no país.

“Enquanto existir a possibilidade de encerramento das concessões, a RGR precisa existir porque será com ela que vamos indenizar investimentos feitos nos últimos anos.” Segundo ele, o governo ainda não decidiu sobre a possibilidade de renovação das concessões que vencem a partir de 2015. A RGR foi criada em 1957 para constituir um fundo que permite à União indenizar eventuais reversões de concessão de serviços de energia elétrica. No fim do ano passado, a cobrança foi prorrogada até 2035 por meio de uma medida provisória, que ainda deve ser analisada pelo Congresso Nacional.



Tags: Ministério das Minas e Energia, energia elétrica, Edison Lobão, ICMS.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência