Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 03/05/2011 | 17h37

Concessionário sacrifica lucro para impulsionar vendas

Fenabrave critica pressão das montadoras sobre o setor de distribuição.

Giovanna Riato, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Giovanna Riato, AB

Em coletiva de imprensa nesta terça-feira, 3, a Fenabrave, federação dos distribuidores de veículos, criticou a pressão das montadoras sobre as concessionárias, que vêm perdendo a lucratividade. “Muitas já estão com prejuízo”, alerta Sergio Reze, presidente da entidade.

O executivo avalia que, para garantir uma operação saudável, a rede de distribuição deveria operar com lucro semelhante ao das montadoras. As fabricantes de veículos leves têm, em média, margem de 8% sobre modelos com motorização 1.0 litro e de 12% para carros com mais cilindradas. Longe disso, as concessionárias têm operado com lucro em torno de 1%.

Práticas agressivas para ganhar mercado ou garantir a liderança das vendas desestabilizam o setor, segundo Reze. Um exemplo é a realização de vendas especiais de eliminação de estoque semanalmente. “Não dá para fazer bota-fora com essa frequência. O consumidor também é prejudicado, pois fica confuso”, avalia. A briga por abaixar os preços em ações promocionais pressiona a operação das revendas, que investem para se adequar às normas das montadoras mas não conseguem garantir o lucro necessário em ações como esta.

Outro ponto crítico indicado por Reze é a prática de rapel, antecipação dos emplacamentos nas concessionárias para garantir uma participação de mercado maior. Feito pelas grandes montadoras, o esforço acaba não refletindo em mudanças significativas no market share e confere ainda mais um custo para a revenda: licenciar o veículo.

Reze criticou ainda o lançamento cada vez mais prematuro de modelos do ano seguinte. “Não dá para entender a chegada de carros 2012 no início de 2011. É um absurdo”, reclama. Em ações deste tipo, o concessionário é obrigado a fazer um esforço para comercializar o estoque do modelo antigo e ainda participar da campanha para vender o novo.

A Fenabrave já anunciou que pretende eliminar parte destas ações com a criação de um ranking de vendas que desconsidere os veículos emplacados em rapel. O presidente da entidade alerta que é necessário manter o equilíbrio. “Se todas as empresas querem crescer 10% para ganhar market share, será impossível fechar a conta dentro da projeção de um mercado de 3,46 milhões de veículos para este ano”, avisa.



Tags: Fenabrave, concessionária, montadora, venda, rapel, carro, veículo, emplacamento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência