Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Inovação

Ver mais notícias
Profissionais serão artigo escasso para montadoras
Para Letícia, indústria terá 4 grandes caminhos: eletrificação, conectividade, mobilidade e autonomia

Indústria | 10/09/2018 | 19h43

Profissionais serão artigo escasso para montadoras

Faltarão engenheiros e pessoas especializadas numa nova indústria que surge

MÁRIO CURCIO, AB

Encontrar profissionais será um grande desafio para as montadoras nesta nova era que se aproxima. A conclusão é da consultora e sócia-diretora da Prada Assessoria, Letícia Costa, que encerrou as apresentações do 6º Fórum IQA da Qualidade Automotiva, realizado em 10 de setembro em São Paulo.

“Estudos indicam que o setor tem atualmente cerca de 70 mil engenheiros e deverá empregar 110 mil em 2020. Há uma demanda crescente por profissionais com conhecimento em inteligência artificial, robótica, soluções cognitivas e machine learning”, recorda Letícia.

“O emprego na indústria no mundo deverá atingir 14,3 milhões em 2022, com novas habilidades em 60% a 65% das posições”, afirma a sócia-diretora da Prada Assessoria. Letícia prevê que a indústria automobilística passará por uma grande ruptura decorrente de quatro tendências: eletrificação, conectividade, mobilidade e disseminação dos autônomos.

A perspectiva de novas formas e usos do automóvel num futuro breve já gerou grande número de aquisições e anúncios de cooperação entre montadoras tradicionais e startups ou empresas de inovação.

“Há muitos movimentos porque o futuro não está claro ainda e não se sabe quem será o ‘dono do cliente’, ou seja, quem irá captar o maior valor. Essa discussão tem um impacto muito significativo sobre como o mercado irá evoluir”, afirma Letícia Costa.



Por causa dessa ruptura nos modelos de negócio tradicionais, já se prevê que empresas de tecnologia como Google, Apple e seus produtos dividirão espaço com fornecedores tradicionais de autopeças tais como Bosch e Valeo, por exemplo.

Durante o fórum do IQA, Letícia voltou a criticar a abrangência do Rota 2030. “É um programa de subsídios, que não alinha a indústria numa direção”, diz. Para a consultora, o programa tem escopo restrito porque o incentivo para veículos elétricos é bastante limitado e também porque os valores exigidos em pesquisa e desenvolvimento estão bem abaixo da média global, por volta de 4% para montadoras e grandes fornecedores.

“Ele (o Rota 2030) também não impacta estruturalmente a competitividade da indústria e não reflete sua necessidade de inserção global”, diz, citando a grande dependência da Argentina, principal mercado de exportação de veículos e autopeças produzidos no Brasil.



Tags: Fórum, IQA, Letícia Costa, machine learning, robótica.

Veja também

ABTV

AB Inteligência