ANÁLISE

RH E VIDA CORPORATIVA

Próximos destinos


Não interessa onde vivemos. É dentro de nós que está o objetivo a ser alcançado.


Os desafios que enfrentamos no Brasil são inúmeros. Carga tributária elevada, inflação em alta e economia estagnada. Não era diferente no passado. Era bem pior.

O que muda, e muito, é a velocidade com a qual temos acesso a informação e as comparações quase imediatas que podemos estabelecer com outros lugares no planeta. Quem não conhece uma família que não pense em migrar para outro país e ter um padrão de vida melhor a menor custo? Minhas filhas têm esse projeto de vida. Querem morar nos Estados Unidos. Por ter trabalhado fora do Brasil por 10 anos (México, Estados Unidos, Espanha, Inglaterra e Alemanha) entendo bem o dilema de viver fora do país de origem. Bônus e ônus, como qualquer lugar.

Não tenho saudades dos dias quentes e secos de Chihuahua, mas das deliciosas comidas e festas, da cordialidade do povo, dos amigos queridos. Não tenho saudades dos dias de inverno em que a neve cinza e suja acumulava-se nas ruas de Filadélfia mas do outono dourado onde plátanos em tons que variavam do amarelo ao vermelho ornamentavam a paisagem. Da Espanha tenho saudade de quase tudo, um lugar especial onde voltei e voltarei varias vezes. Não tenho saudades dos dias cinzas e chuvosos de Londres, mas da segurança de andar pelas ruas despreocupadamente. De Colônia, lembro-me dos deliciosos dias de verão, em que podia andar a beira do Reno e encontrar deliciosos lugares para comer e tomar uma cervejinha com os amigos, mas lembro dos dias frios em que, sob garoa fina e gelada, tinha de andar encapotado. Em todos esses países fui muito bem recebido, aprendi muito, fiz amigos, deixei minha contribuição e expandi meus horizontes.

A experiência de vida para a família foi fantástica nesses dez anos. Por isso não me oponho ao sonho de minhas filhas de morar fora do país. Claro que pela idade delas, 26 e 21, penso nos desdobramentos, relacionamentos, casamentos, netos em lugares distantes. Mas daí me lembro que também fui para o México com dois anos de casado, com 25 anos, e só coisas boas aconteceram. Naquela época, passagens de avião custavam bem mais caro e a sensação de distância era muito maior. O mundo está mais pasteurizado. Encontra-se uma grande semelhança nos padrões de consumo da sociedade. No padrão cultural, mistura-se o global ao local e, não importa onde estejamos, sentimos que levamos conosco a capacidade de transpor barreiras, sejam elas físicas ou intelectuais, de uma maneira mais segura. A internet é a maior responsável por isso.

Semana passada vi no Youtube, um vídeo sobre São Paulo, feito por um norte-americano. Interessante o olhar externo sobre nossa megalópole. Se tiver curiosidade confira aqui.

Dessa heterogeneidade sairá a solução para o amanhã. Da troca de experiências entre os jovens, que acham que é tudo novo, e dos mais vividos, que podem achar que é tudo de novo, surgirá um estilo de vida em que o lugar onde vivermos estará sintonizado ao momento espiritual que atravessamos. Aqui ou no exterior, o que importará no fim do dia é que tenhamos nossas necessidades básicas satisfeitas e possamos, com liberdade, expressar nossas convicções e crenças.

Nosso Brasil está longe de ser o melhor país para viver, mas evolui ano após ano. Por estarmos inseridos no contexto temos dificuldade de perceber essa evolução. Quem sabe agora com esse exemplo da Petrobras, possamos mudar a maneira com qual fazemos negócios desde o império. Temos o direito de sonhar com um país melhor, mais justo, e que valorize e acolha seu povo. Não interessa onde você vive. É dentro de você que está o destino a ser alcançado.

Comentários: 1
 

Fernando Schiesser
03/12/2014 | 12h32
"É dentro de nós que está o objetivo a ser alcançado". Grande verdade. Tudo parece muito mais fácil, a vida desliza com mais facilidade, e a nossa escala de valores muito se altera para melhor quando percebemos que na verdade tudo acontece em nosso próprio interior. É lá neste nosso interior que valorizamos, para o bem ou para o mal, a realidade que vivenciamos no dia a dia. Se o ser humano se dedicasse um pouco mais a se conhecer melhor, o mundo seria um lugar muito mais agradável para se viver.

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: