ANÁLISE

RH E VIDA CORPORATIVA

O desafio de lidar com os ciclos da economia


Criatividade é essencial em períodos de retração


Os resultados da economia brasileira não são animadores. Escândalos de corrupção seguem ocupando as principais manchetes dos jornais. Os candidatos à presidência da república não nos passam segurança de que sabem o que fazer para mudar o rumo. As reformas que tanto precisamos são difíceis de implantar e o custo político a ser pago é alto. A previsão é de que 2014 seja um ano difícil e 2015 idem. Na indústria automobilística, é quase certeza que as vendas cairão, fazendo com que planos de ajuste e redução de custos sejam implantados para enfrentar este período difícil.

Nada é para sempre nem os períodos expansionistas. Lembro-me das aulas de macroeconomia, ciclos de crescimento:
1-Depressão
2-Recuperação
3-Pico
4-Recessão

Aparentemente estamos na quarta etapa. A depressão nos espera alí na frente e depois, a recuperação. O tempo de duração de cada uma delas vai depender da habilidade de todos, do cenário internacional e daquelas coisas insignificantes que podem mudar a história da humanidade. A sensação não é das melhores e, se bobearmos, o pessimismo toma conta das nossas vidas. O que fazer para evitar esse sentimento, de que se ficar o bicho come e se correr o bicho pega? Corra meu amigo, corra! Quando você se mexe as coisas acontecem.

Sim, as vendas vão cair. Mas veja isso, em 1993 a produção de autoveículos montados no Brasil era de 1.173.300. Em 2003 de 1.684.715. Em 2013 foi de 3.712.380. Eu e muitos amigos vivenciamos na pele as alegrias e dores desse crescimento. O ano de 1999 foi duro, com a produção de 1.289.977, 9% menor do que o ano anterior. Já 2000 apresentou recuperação de 24,4%, 2001 mais 4,2%, 2003 retração de 2,4%, e a partir daí crescemos até 2011. O ano de 2012 teve queda de 0,04% e em 2013 atingimos 3.712.380 unidades produzidas (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus).

Resumindo, mesmo com perspectivas de queda, nossa indústria segue sendo um colosso e tem muito mais escala que no passado. As margens continuam apertadas, mas é na adversidade que nossa criatividade se evidencia. A implantação do Inovar-auto traz oportunidades e desafios, e controlar o conteúdo nacional e importado das autopeças será uma tarefa complexa. Mas e daí? Isso é só trabalho, a gente tira de letra. O que não podemos é incorporar atitude negativa diante do desafio e ficarmos paralisados de medo. Mais do que nunca, nós que já temos vivência extensa nessa área, temos de assumir a posição de líderes e motivar nossos colaboradores para - como dizia o locutor na abertura daquela séria de TV dos anos 60, Jornada das Estrelas - audaciosamente ir onde nenhum homem jamais foi. É hora de superação. Por favor note bem a palavra, super+ação, ir além, mover-se como nunca.

Sim, o vencedor das eleições para presidente vai influenciar o processo, mas o Brasil e os brasileiros são bem maiores de que isso e, se focarmos nas metas, colocarmos nosso talento e criatividade a serviço dos nossos objetivos, chegaremos lá. Os 7x1 da Copa abriram nossos olhos. Para sermos campeões teremos de mudar nossos métodos e estratégias, precisamos treinar duro, aprender coisas novas e, acima de tudo, alimentar nosso espírito de esperança e otimismo. Os ciclos sempre existirão. Melhor estar preparado para eles.

Comentários: 1
 

Carlos Andrade
10/09/2014 | 07h41
Muito bem comentado e muito bem observado. É que a imprensa brasileira cria espetáculos negativos na economia e acaba arrastando até bons economistas nesta viagem de pessimismo. os ciclos sempre irão existir, mas o Brasil não é uma empresa " não vai fechar as as portas" os jornalistas econômicos não querem ver, mas não tem jeito o Brasil vai continuar.

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: