ANÁLISE

QUALIDADE

Qualidade: responsabilidade de todos


Fórum debaterá tema no dia 25 de setembro


Pela primeira vez, todos os elos da cadeia automotiva se reúnem para debater, discutir e refletir sobre a qualidade dos veículos, sistemas, componentes, peças e serviços que são oferecidos ao consumidor final, sendo muitos deles, ainda, pessoas que com sacrifício conquistam o sonho de comprar o carro zero quilômetro.

Refiro-me ao Fórum da Qualidade Automotiva que acontece no dia 23 de setembro (veja aqui) e tem como tema central o debate da qualidade como diferencial competitivo. Esta é uma provocação que fazemos, pois qualidade já não é mais um diferencial competitivo. Tal como um profissional que na década de 60 falava inglês e era contratado imediatamente no setor automotivo. O que antes era destaque nesse profissional, hoje é pré-requisito.

Foi com este propósito que montamos a sequência das apresentações, que começa com os diretores de qualidade das montadoras, que vão explanar sobre os conceitos de qualidade e de que forma mensuram e qualificam os fornecedores. Em seguida, dois consultores avaliarão o mercado e a concorrência global.

Convidamos os gerentes de qualidade de grandes sistemistas para contar quais estratégias utilizam para entregar exatamente o que o cliente pede, ao custo que deseja, e ainda obter lucro. A escolha pelos gerentes ao invés dos diretores foi proposital, pois são eles quem têm a difícil tarefa de executar os planos no chão de fábrica, onde tudo deve ocorrer de forma precisa.

Após a pausa para almoço, iniciamos uma nova fase do fórum, com o debate sobre a qualidade no setor de aftermarket. Neste momento, reunimos a cadeia do pós-vendas independente, que é responsável pela manutenção da maior parte da frota circulante no País. Fabricantes de autopeças, distribuidores, varejistas e reparadores comentarão sobre os avanços dos programas de certificação compulsória de autopeças.

Este é um programa que o Brasil implementa aos poucos, infelizmente, pois é extremamente importante para o consumidor, uma vez que separa o joio do trigo, a autopeça de qualidade daquela feita sem nenhum critério. Este é um ponto a ser muito debatido, pois nos dias atuais, em que a importação é livre, vemos nas prateleiras de tudo um pouco.

Com a certificação compulsória, o consumidor ganha a segurança de que o produto que está comprando tem ao menos requisitos padronizados de qualidade, feitos a partir de uma norma técnica e auditado por um organismo de certificação de terceira parte, independente, o que garante imparcialidade na avaliação.

Assim, a programação se encerra com palestras do presidente do Inmetro, João Jornada, que reforçará a importância da implementação da certificação compulsória para autopeças de reposição, e de representante do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), que comentará sobre os programas de política industrial do governo.

União

De forma resumida, o programa deste primeiro fórum sobre Qualidade Automotiva incentiva a união de todos os elos da cadeia produtiva para que trabalhem em conjunto na produção e desenvolvimento de veículos no Brasil.

Qualidade não é mais um diferencial competitivo. Ou você tem ou não participa mais do mercado. Simples assim. A montadora, com todos seus critérios e rigidez, dita os parâmetros do mercado, e por isso tem grande responsabilidade: de que todos os elos consigam atender suas exigências de forma rentável e eficaz. Afinal, o problema de um subfornecedor reflete diretamente no produto final, que leva o nome da fabricante do veículo.

É por isso que o assunto qualidade deve ser discutido de forma ampla. Do fornecedor de parafusos até o pós-venda do produto e, se possível, até o fim de vida útil do veículo, que hoje em dia não pode mais ser descartado de forma desorientada.


Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: