ANÁLISE

QUALIDADE

Grande em mercado e produção, pequeno em tecnologia


O Brasil precisa aproveitar melhor os seus profissionais, que são criativos e têm grande potencial para inovar


O ano de 2012 mostrou o potencial do Brasil como produtor e consumidor de veículos. De acordo com as estatísticas, somos o quarto maior mercado mundial, com vendas internas de 3.802.071 unidades e o sexto produtor mundial com fabricação de 3.342.617 unidades (dados da Anfavea de janeiro 2013).

Em valor absoluto vendemos mais do que produzimos e nesse total vendido existe uma parcela de veículos importados. A participação dos importados é de quase 21% do total, mas o mais importante é: o que compramos? Trazemos os modelos com mais tecnologia, maior valor agregado enquanto fabricamos aqui os modelos mais despojados?

Isso é uma realidade, mas sabemos que temos um país com pessoas criativas que buscam soluções inovadoras para atender as necessidades peculiares da nossa região. Assim, penso que está na hora de motivar e apoiar a indústria nacional de forma consistente para que ela seja atrativa aos profissionais mais especializados do mercado, que se formam mestres e doutores, e acabam encontrando espaço apenas no meio acadêmico, onde conseguem desenvolver pesquisas e tecnologias.

Por outro lado, a indústria pode também tomar iniciativa de utilizar estes profissionais, mestres e doutores, e destinar recursos financeiros para o desenvolvimento de pesquisas e tecnologias que podem ser aplicadas em produtos e processos do setor automotivo.

O que comento aqui é algo que se faz regularmente em outros países, na Europa, Estados Unidos, Japão, inclusive na Coreia do Sul, que apareceu recentemente no mercado automotivo, hoje invade o mundo com modelos que são sonho de consumo de muitas pessoas, inclusive brasileiros. E olha que eles não chegam nem perto de ter um mercado como o nosso. Na lista da Jato Dynamics, estão na 12ª posição em vendas, com quase 1,5 milhão de unidades comercializadas em 2012.

O governo deu o primeiro passo e lançou o Inovar-Auto, uma oportunidade de se investir em tecnologia no País. Os primeiros efeitos já podem ser sentidos, com o anúncio de instalações fabris no Brasil como fizeram por exemplo a JAC Motors (em Camaçari, na Bahia) e a BMW (em Araquari, em Santa Catarina).

Mas, muito mais do que apenas atrair linhas de montagem, é uma grande oportunidade para incentivar o desenvolvimento de tecnologia nacional, que traga benefícios para o consumidor e também nossa indústria.

Um dos requisitos do Inovar-Auto é a produção de veículos mais eficientes, com consumo menor. Os modelos topo de linha das principais montadoras que estão no Brasil dispõem de tecnologias que permitem atingir os números de eficiência desejados pelo programa Inovar-Auto, mas esses modelos não são produzidos no País.

É justamente para isso que temos que criar condições para mudar. Para incentivar ainda mais as empresas do setor automotivo, estamos trabalhando num novo projeto para criar um laboratório específico para o segmento, com objetivo de desenvolver tecnologia, em união com a universidade, a indústria e o governo.

Estamos trabalhando a base do que acreditamos ser o mínimo necessário para tornar a indústria nacional competitiva em um universo de alta tecnologia. Nosso universo é grande, temos mercado interno e produtividade. Precisamos, agora, equilibrar um pouco mais esta balança, com o desenvolvimento e aplicação de alta tecnologia nos carros aqui fabricados.


Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: