ANÁLISE

INOVAÇÃO

Qual é a sua reação diante do Inovar-Auto?


Novo regime automotivo pode trazer perdas ou oportunidades para as empresas


O novo regime automotivo é uma mudança significativa e, como todas as mudanças, o Inovar-Auto, como é conhecido, tem gerado reações carregadas de emoções positivas e negativas.

Mesmo as mudanças mais benéficas e desejadas provocam sensações de perda, por isso, é natural pensar: “a coisa vai piorar”, “isto vai passar” ou “não sabem o que estão fazendo.”

Geram também ambiguidade uma vez que nem todas as perguntas terão necessariamente respostas. Como fica nossa empresa agora? O que tenho que fazer para não ser prejudicado? Coisas do tipo.

A combinação destas reações pode ser muito perigosa. Quanto mais complexa a mudança, mais sensação de perda ela causa e, não há dúvidas, o Inovar-Auto é uma importante e complexa mudança. Com ele o Governo inaugura uma nova era na qual sua empresa vai pagar mais impostos se não inovar.

Há outro aspecto. A sensação de perda adicionada à ambiguidade gera paralisia e instinto de autopreservação. E isto acontece desde os primórdios da humanidade.

Muito bem, voltando ao novo regime automotivo e observando a reação que as empresas vêm apresentando, ficou bastante claro para nós que foram formados dois grandes grupos de executivos e atitudes.

Um primeiro e mais numeroso grupo teve a mais institutiva das reações: “enquanto tudo não estiver claramente definido não nos mexeremos.” Esta é a resposta mais natural, mais previsível e humana. Atenção: não estou dizendo que é a certa. É apenas a mais humana.

Como, obviamente, em um programa desta complexidade sobraram muitas perguntas sem respostas (por enquanto) e lacunas não preenchidas, era previsível que a maioria dos executivos e empresas estaria deste lado.

Há neste grupo alguns integrantes mais severos e exigentes. Estes vão além e, por causa de pequenas imperfeições que o decreto contém, condenaram o Inovar-Auto por inteiro. “Jogaram a água e o bebê fora”, como dizem os americanos. Estes profissionais não consideraram que toda a mudança importante traz “pepininhos”, mas nem por isso é ruim.

Um segundo e diferenciado grupo não teve a mesma reação. Não deu ouvidos ao seu instinto de resistir e não teve uma postura natural. Teve sim, a postura certa e está fazendo, não o que sente vontade de fazer, mas o que precisa ser feito.

Estes dirigentes estão espalhados na cadeia automotiva, mas não só nas montadoras. Eles pararam para pensar no programa e olhar para as oportunidades. Consideraram a parte que já está bem clara e que certamente não será modificada.

O Inovar-Auto estabeleceu metas, exigiu compromissos com inovação, alterou notavelmente a vida e realidade de montadoras e importadoras. Essas mudanças podem se transformar em pesadas perdas ou em oportunidades de ganho de competitividade dependendo, justamente, do tipo de reação que você e sua empresa terão.

Considere ao menos os dois tipos que citamos. Por muitos anos nos queixamos de falta de políticas industriais. Dizíamos em coro que sabíamos o que tinha que ser feito, mas faltavam-nos diretrizes e incentivos governamentais para que o fizéssemos.

O Inovar-Auto enfim está aí e, ao invés de rapidamente se mobilizarem e saírem na frente para vencer, muitas empresas estão paradas esperando que os detalhes superficiais sejam definidos. Querem um novo programa mais claro ou mais parecido com os desejos dos fabricantes.

O regime automotivo é a nova realidade. Veio para ficar. Traz as oportunidades de novas receitas para as empresas de autopeças. Revoluciona as contas de “make or buy”, valoriza a engenharia e a P&D no Brasil e impõe desenvolvimento. É um programa vencedor para o País e para quem compreender sua essência e se encaixar nas janelas de oportunidades que ele abre.

A escolha é de cada um, de cada empresa. Fazer o instintivo e natural ou o certo e que tem que ser feito. Perder ou Inovar e Vencer.

Sucesso!


Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: