Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Mario Guitti |

Ver todas as opiniões
Mario Guitti

09/01/2012

Caminho para consolidação

É tempo de juntar esforços: governo, academia e setor produtivo

O Brasil é a bola da vez para a indústria automotiva mundial uma vez que a crise financeira internacional estagnou o crescimento dos principais mercados. As soluções virão e, como tudo, uma hora as coisas voltam ao normal.

Cabe a nós, brasileiros, aproveitarmos este momento para nos fortalecer definitivamente no cenário internacional como fabricantes de automóveis e, principalmente, desenvolvedores de tecnologia.

Já estamos dando um passo interessante com o Parque Tecnológico de Sorocaba, que terá nas imediações uma empresa âncora e a terceira planta da Toyota no país, a primeira, em São Bernardo do Campo (SP), fabrica hoje apenas peças e componentes. Além da montadora de origem japonesa, outras 12 empresas, todas fornecedoras, estarão presentes no local.

Esta é uma prova de que o Brasil é um bom lugar para investir. Vale lembrar que a General Motors elegeu o País para abrigar um dos cinco centros de desenvolvimentos de produtos que possui no mundo.

Apesar disso, ainda temos um gargalo para solucionar. Faltam profissionais para que o Brasil dê um salto em tecnologia. Precisamos de doutores, pesquisadores e muito mais pessoas atuando na indústria, desenvolvendo tecnologias que podem se transformar rapidamente em bens de consumo.

Nós, do IQA – Instituto de Qualidade Automotiva, somos defensores do desenvolvimento tecnológico da indústria. Nossos engenheiros são criativos, mas precisamos de mais jovens interessados no setor, assim como mais profissionais dedicados a transformar conhecimento em produtos inovadores.

Além de recursos humanos, precisamos de equipamentos e laboratórios independentes, em que não somente uma empresa seja beneficiada, mas toda comunidade de engenharia. A GM deu provas, recentemente, de que vender serviços de engenharia é um bom negócio. Em 2011, planejava vender cerca de US$ 500 milhões, de acordo com notícia veiculada no portal Automotive Business (leia aqui).

O IQA é uma organização que nasceu da união de vários segmentos da indústria automotiva brasileira, inclusive do setor acadêmico e do governo. Estamos sempre dispostos a auxiliar a cadeia do setor e a impulsionar a nossa engenharia e os nossos produtos para que eles conquistem cada vez mais espaço no cenário mundial.

O Parque Tecnológico de Sorocaba pode ser um forte candidato a abrigar toda essa estrutura que o Brasil precisa para ser uma potência mundial no setor automotivo. Nossa capacidade está mais que demonstrada e um projeto assim com certeza incentivará muitos jovens a ingressar na carreira.

Temos uma oportunidade única pela frente, e precisamos trabalhar conscientes de que podemos e devemos aproveitá-la para que nosso futuro seja ainda mais promissor. É tempo de juntar esforços: governo, academia e setor produtivo, para consolidar o que já conquistamos nos últimos anos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Panorama | 28/03/2012

ALTA RODA

GRANDE NO BOM SENTIDO

Não é à toa que a Fiat consegue, em ambiente de alta concorrência entre marcas de todas as origens, sustentar liderança de vendas entre automóveis e comerciais leves. O novo Grand Siena chegou, entre outros objetivos, para fortalecer posição no segmento específico de automóveis, em que a marca tem posição algo frágil em relação à GM e à Volkswagen.

Esta coluna é apoiada por:
     

Panorama | 20/03/2012

ALTA RODA

A BRIGA PELO BOLSO

Depois de 45 dias de discussão, Brasil e México chegaram a um consenso sobre a revisão pontual do acordo de comércio de veículos. Como em geral acontece, cada parte cede em suas posições dentro de uma negociação civilizada. O México aceitou a limitação em valores de suas exportações de automóveis e comerciais leves até 2015 e o Brasil deixou de lado, por ora, a inclusão antecipada de caminhões e ônibus só prevista para 2020.

Esta coluna é apoiada por:
     

Panorama | 13/03/2012

ALTA RODA

OPORTUNIDADES PARA TODOS

Salão do Automóvel de Genebra, que segue até o dia 18, sobe em prestígio a cada ano. Em área equivalente à do Anhembi, onde se realiza o Salão de São Paulo (este ano de 24 de outubro a 4 de novembro), tem sempre espaços totalmente ocupados, arranjos dos estandes benfeitos e com identificação padronizada.

Esta coluna é apoiada por:
     

ABTV

AB Inteligência