ANÁLISE

Panorama

Mudanças nas importações


Latinos sobem e asiáticos descem


De janeiro a novembro deste ano, 23,2% dos quase 3,3 milhões de veículos comercializados no mercado interno foram importados. Nos últimos dois meses foi possível detectar mudança na origem dos veículos produzidos em outros países e vendidos no Brasil. Enquanto a participação de automóveis e comerciais leves originários da Argentina e do México está em expansão, o emplacamento de veículos trazidos da Ásia está em queda.



O adicional de 30 pontos no IPI de modelos importados, que entrou em vigor em setembro e depois foi adiado para dezembro, é a principal explicação para a desaceleração das vendas de carros asiáticos. A queda, no entanto, não foi generalizada.

A Hyundai, por exemplo, registrou em novembro o maior volume de licenciamentos do ano, com 10,5 mil unidades. A marca impulsionou as vendas com o lançamento do Elantra e do Veloster. Por outro lado, a também coreana Kia viu as vendas minguarem de 9 mil veículos em setembro para 4,8 mil em novembro.

Já entre os carros trazidos da Argentina, são destaque os bons volumes de venda do Renault Fluence, da Volkswagen Amarok e o lançamento da Toyota Hilux e SW4. Os modelos fabricados no México alcançaram recorde histórico, com 12,9 mil unidades comercializadas no Brasil durante o mês. O volume ameaçou desbancar a Coreia do Sul da segunda posição do ranking de vendas de importados.

Os responsáveis pelo bom desempenho dos carros mexicanos no Brasil foram o Volkswagen Jetta, o recém-lançado Nissan March e o Honda CRV. Nissan Versa e Fiat Freemont também aceleraram as vendas.

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: