Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Mario Guitti |

Ver todas as opiniões
Mario Guitti

Ciclo de vida de produto: o que é isso?

Brasil regulamenta programa que beneficiará empresas, consumidores e meio ambiente

A sociedade brasileira acaba de dar um salto em direção à melhoria da qualidade de vida. Já está regulamentado o Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida (PBAVC) que oferecerá ganhos aos consumidores, empresas e meio ambiente. É uma ação do tipo ganha-ganha-ganha mas, para isso ocorrer, investimentos são necessários para promover uma mudança significativa de cultura.

O PBAVC pretende avaliar os impactos ambientais na produção e consumo de bens e serviços, a partir de inventários de ciclo de vida. Os estudos que levarão em conta o processo desde a extração da matéria-prima ate a destinação final do produto, passando por manufatura, transporte, distribuição, uso, reuso, manutenção e reciclagem.

O programa é imenso e vai exigir muito esforço, mas será muito compensador. O objetivo é identificar oportunidades para que as empresas produzam de forma mais ecológica e com menor custo. Para isso, um levantamento será realizado para coletar dados do que é feito hoje e de como é feito, para posteriormente buscar alternativas menos custosas e mais amigáveis ao meio ambiente.

O segredo está na elaboração dos inventários, que serão desenvolvidos a partir de uma metodologia padrão. É importante destacar que uma nova capacitação deverá ser necessária na área de engenharia pois, apesar do assunto já existir em algumas empresas multinacionais, ainda é novidade para os brasileiros.

Do momento da concepção de um produto até o seu descarte final, muitos eventos acontecem. Já temos alguns exemplos no setor automotivo, mas ainda engatinhamos. Anos atrás, a Volkswagen Caminhões e Ônibus apresentou na exposição do Congresso de Tecnologia da Mobilidade da SAE BRASIL um estudo de caso de Ciclo de Vida do caminhão Constelation. Nós, do IQA, demos suporte a esta iniciativa.

É um programa que deve ser apoiado por toda a sociedade, pela indústria, governo, instituições de ensino e associações de classe, pois vai trazer muitos benefícios. No futuro, o programa poderá ser adotado de forma compulsória para qualquer produto. No entanto, é possível que o mercado comece a exigir pela força do benefício social.

Não seria bárbaro saber que o veículo tem uma parcela de material reciclado, uma de componentes recicláveis e que o restante não vai agredir ao meio ambiente porque será devidamente descartado? O programa é tão grande que envolve nada menos do que seis ministérios do Governo Federal, além de órgãos como Inmetro, Ibama, Aneel, ANP, IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), ANA (Agência Nacional de Águas), CNI (Confederação Nacional da Indústria), CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), Sebrae, ABNT, ABCV (Associação Brasileira de Ciclo de Vida), e o CBAC (Comitê Brasileiro de Avaliação da Conformidade), que também representa o setor industrial, além da ABINEE e da Anfavea.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Indústria | 11/04/2012

ALTA RODA

MORRER NA PRAIA

Finalmente, o aguardado novo regime automobilístico brasileiro foi anunciado na semana passada, às vésperas dos feriados da Páscoa. Apesar de fama (merecida) do País de quebra de regras, protecionismo e excesso de intervenção na economia, é apenas o terceiro programa, em mais de meio século, desde o pioneiro em 1956, quando se criou o Grupo Executivo da Indústria Automobilística (Geia). O segundo, em 1995, também se implantou sem grandes sobressaltos.


Esta coluna é apoiada por:
     

AB Inteligência