Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Mario Guitti |

Ver todas as opiniões
Mario Guitti

18/11/2011

União e qualificação são chave para um Brasil mais competitivo

Indústrias, universidades e governo precisam criar juntos um plano de ação para impulsionar o setor automotivo

Anualmente, a Comissão para Assuntos da Qualidade da Anfavea realiza o Encontro das Montadoras para a Qualidade. O evento discute os problemas da qualidade dos veículos no Brasil e debate soluções para resolver eventuais problemas comuns.

Este ano, durante a oitava edição do encontro, alguns assuntos mereceram destaque e muita reflexão. O tema central foi competitividade, tópico que está em pauta em todas as engenharias, gerências e diretorias dos fabricantes de veículos e das indústrias de autopeças. Esta é uma questão que temos tratado com bastante assiduidade neste espaço.

Falaram também do aumento do IPI e da valorização do real frente ao dólar, que refletem na cadeia produtiva. Apesar de não caber a indústria a decisão de como operar esse cenário, devemos exercitar alguns cenários do nosso Custo Brasil: os chineses, quando instalarem suas linhas de montagem aqui, conseguirão ser tão ou mais competitivos quanto agora? A desvalorização do dólar significa necessariamente menor competitividade?

A indústria tem feito a parte dela, com investimentos em processos melhores, mais robustos e eficientes. Não basta comprar matéria-prima pelo menor preço, ter a mão de obra mais barata e a manufatura mais competente, se tudo isso esbarrar em políticas governamentais.

A lição que tiramos disso é de que sozinhos não conseguimos fazer o mercado acontecer tal como gostaríamos. É preciso união. Setor produtivo, governo, instituições de ensino e entidades de classe devem trabalhar em conjunto para desenvolver o setor de forma completa. Estamos todos do mesmo lado, mas cada um age de acordo com os interesses próprios, que nem sempre são os melhores para o setor como um todo.

É como aquela história do cobertor pequeno que hora cobre o rosto e descobre os pés e vice-versa. A boa notícia é que há solução para isso. Vejam o caso da Coréia. Nos anos 1970 e 1980 o país fez a lição de casa e investiu na principal área para impulsionar o crescimento: educação.

Com isso, conseguem desenvolver tecnologias e já se destacam mundialmente com produtos competitivos, inclusive aqui no Brasil. Quanto mais bem preparada estiver a nossa mão de obra, melhores serão os resultados.

Além disso, precisamos de infraestrutura. Não dispomos de sequer um laboratório independente para ensaios e desenvolvimento de produtos para as indústrias. As grandes empresas têm estrutura, mas para que possamos desenvolver o país, é necessário que todos tenham acesso aos processos, ferramentas e equipamentos mais modernos, que possibilitem o desenvolvimento tecnológico. A Finep - Financiadora de Estudos e Projetos, por exemplo, tem recursos, mas poucos procuram, pois não sabem como acessá-los.

Não podemos perder a grande oportunidade de conquistar novos mercados, assim como a China está fazendo. É preciso garantir investimentos conjuntos em pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Tenho percebido muita movimentação, mas pouca ação dos players do setor.

Nós, do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva, entendemos que é preciso apoio às indústrias, universidades e governo para que estes elos conversem e encontrem juntos um plano de ação. Temos conhecimento, somos especializados no setor automotivo, sabemos os caminhos a percorrer para tornar a indústria automotiva brasileira um sucesso mas precisamos estar juntos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Panorama | 28/03/2012

ALTA RODA

GRANDE NO BOM SENTIDO

Não é à toa que a Fiat consegue, em ambiente de alta concorrência entre marcas de todas as origens, sustentar liderança de vendas entre automóveis e comerciais leves. O novo Grand Siena chegou, entre outros objetivos, para fortalecer posição no segmento específico de automóveis, em que a marca tem posição algo frágil em relação à GM e à Volkswagen.

Esta coluna é apoiada por:
     

Panorama | 20/03/2012

ALTA RODA

A BRIGA PELO BOLSO

Depois de 45 dias de discussão, Brasil e México chegaram a um consenso sobre a revisão pontual do acordo de comércio de veículos. Como em geral acontece, cada parte cede em suas posições dentro de uma negociação civilizada. O México aceitou a limitação em valores de suas exportações de automóveis e comerciais leves até 2015 e o Brasil deixou de lado, por ora, a inclusão antecipada de caminhões e ônibus só prevista para 2020.

Esta coluna é apoiada por:
     

Panorama | 13/03/2012

ALTA RODA

OPORTUNIDADES PARA TODOS

Salão do Automóvel de Genebra, que segue até o dia 18, sobe em prestígio a cada ano. Em área equivalente à do Anhembi, onde se realiza o Salão de São Paulo (este ano de 24 de outubro a 4 de novembro), tem sempre espaços totalmente ocupados, arranjos dos estandes benfeitos e com identificação padronizada.

Esta coluna é apoiada por:
     

ABTV

AB Inteligência