Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Mario Guitti |

Ver todas as opiniões
Mario Guitti

18/07/2011

Juntos podemos fortalecer nossa competitividade

Fazemos pesquisas mas poucas se transformam em tecnologia. Podemos mudar este quadro?

Nos diversos seminários, simpósios e congressos da indústria automotiva que tenho participado, um tema recorrente é a falta da mão de obra qualificada. Outro é a concorrência com os setores acadêmicos ou financeiro, que absorve boa parte dos recém-formados dos cursos de engenharia, principalmente pela competência destes jovens em lidar com números e cálculos.

Já escrevi sobre isso e volto ao assunto, pois percebo que muito se fala, mas pouco se faz, e isso tem de mudar. É como ficar se lamentando pelo leite derramado; esta situação não vai se resolver por conta própria, é preciso traçar um plano de ação para que essas mentes brilhantes do País sejam também mais aproveitadas no setor produtivo, e não apenas pelos bancos ou nos campo acadêmico, como ocorre atualmente.

Assim, são dois problemas: primeiro formamos poucos engenheiros e boa parte migra para outros setores que pagam melhor. Outro caso são aqueles que investem em cursos de especialização e pós-graduação e optam pela carreira acadêmica, pois raramente recebem o devido reconhecimento nas indústrias do setor.

Vale lembrar que a China forma 650 mil engenheiros por ano, a Índia, 220 mil e a Coreia, 80 mil, enquanto nós, apenas 38 mil. Além disso, apresentamos baixo índice de inovação. Segundo relatório da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), em 2010, a China apresentou crescimento de 56,2% no número de pedidos de patentes, em relação a 2009, com 12 mil pedidos, o que a faz ocupar hoje o quarto lugar no ranking dos países que mais inovam, atrás apenas dos Estados Unidos, com 45 mil pedidos de patentes em 2010, Japão (32 mil) e Alemanha (17 mil). Já o Brasil apresentou apenas 442 pedidos de patentes em 2010. Em outras palavras, fazemos pesquisas mas poucas se transformam em tecnologia. Podemos mudar este quadro? Devemos, e já não dá mais para esperar ações governamentais, a sociedade civil organizada tem poder para intervir de forma construtiva.

Primeiro é preciso que a indústria e entidades acadêmicas (universidades, faculdades, escolas técnicas) se aproximem, troquem informações já que, apesar de não parecer, estas são atividades complementares. A escola forma a mão de obra para a indústria, e tem de fazer isso para atender às necessidades atuais. São frequentes as reclamações de falta de conhecimentos específicos dos recém-formados e que são necessárias horas de treinamento para que atendam a função contratada.

Feito isso, em paralelo, é preciso estimular o desejo do recém-formado de seguir carreira na profissão que ele escolheu estudar. Em outras palavras, evitar perder mão de obra qualificada para outros setores.

Nós do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva estamos atentos a isso, que mexe com a competitividade do setor automotivo brasileiro frente à concorrência dos produtos vindos de fora, principalmente a China. Por enquanto o país produz mais quantidade do que qualidade mas, no andar da carruagem, logo produzirá com quantidade e qualidade. Mais tarde, além de competitiva, a China será fonte de inovação tecnológica.

Ainda há tempo para minimizar os efeitos da forte concorrência. Podemos nos fortalecer e nos tornar competitivos se indústria e academia andarem juntos, em sinergia, perseguindo objetivos comuns.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Indústria | 11/04/2012

ALTA RODA

MORRER NA PRAIA

Finalmente, o aguardado novo regime automobilístico brasileiro foi anunciado na semana passada, às vésperas dos feriados da Páscoa. Apesar de fama (merecida) do País de quebra de regras, protecionismo e excesso de intervenção na economia, é apenas o terceiro programa, em mais de meio século, desde o pioneiro em 1956, quando se criou o Grupo Executivo da Indústria Automobilística (Geia). O segundo, em 1995, também se implantou sem grandes sobressaltos.


Esta coluna é apoiada por:
     

ABTV

AB Inteligência