Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Paulo Braga |

Ver todas as opiniões
Paulo Braga

05/08/2010

Pagar mais para importar autopeças é bom ou não?

As montadoras vão repetir algumas vezes que o custo dos veículos subirá porque o governo...

As montadoras vão repetir algumas vezes que o custo dos veículos subirá porque o governo decidiu retirar os 40% de redução na importação de componentes automotivos destinados às linhas de montagem. No caso de peças para aftermarket já não havia incentivos.

A decisão de dificultar as compras de peças estrangeiras já foi amplamente discutida nos bastidores, com a arbitragem do MDIC, do ministro Miguel Jorge. O ministro foi alertado para o rombo na balança comercial do setor de autopeças, que pode superar US$ 4 bilhões este ano. O déficit vem crescendo nos últimos anos.

O Diário Oficial de 28 de julho publicou as regras para retirada da redução de 40% que vale desde 2001. O ritmo dessa derrubada foi discutido em algumas ocasiões e acabou prevalecendo o pedido das montadoras para estender o prazo. Seria a maneira de ganhar tempo para ajustar a logística de produção.

O redutor de 40% continuará vigorando até dia 31 de julho. Até 20 de outubro de 2010, será de 30%. Cairá para 20% e permanecerá nesse percentual até 30 de abril de 2011 e acabará em 1º de maio de 2011. A renúncia tributária com a medida será de R$ 132,35 milhões, segundo o governo.

Há vários interesses em jogo nessa questão. As montadoras querem importar à vontade. O mesmo vale para as grandes empresas de autopeças que fabricam sistemas. Nada melhor para elas do que definir a melhor base de suprimentos com a menor tarifa: fazer em casa, comprar no mercado interno ou simplesmente trazer de fora.

Como todo bom acordo, haverá uma saída para montadoras e sistemistas comprarem no exterior sem pagar tarifa cheia. De comum acordo, Sindipeças e Anfavea estão negociando uma lista de exceções, relacionando peças que não têm similar nacional e podem ser trazidas com incentivos.

Em alguns casos, a presença ou não de um determinado produto nessa lista definirá o interesse pela fabricação local. A BorgWarner, por exemplo, avalia se vai ou não nacionalizar caixas de transmissão 4x4 para off road.

Paulo Butori, presidente do Sindipeças, entende que a eliminação dos 40% representa uma proteção às pequenas empresas de autopeças, que são as mais fragilizadas diante do avanço estrangeiro com importações CKD para montagem local.

Na década de noventa a indústria de autopeças pagou o pato quando o governo decidiu, com apoio em câmara setorial automotiva, que o caminho para a modernização das carroças locais (segundo entendimento do presidente Fernando Collor de Mello) seria baixar alíquotas de importação para componentes e elevar as tarifas para compra de carros estrangeiros.

Butori lembra que havia 1.600 empresas de autopeças até então. Com o baque, sobraram apenas 600 – as outras quebraram e houve um processo intenso de internacionalização do capital.

Para o dirigente, que bancou a disputa com os fabricantes de veículos, foi uma decisão corajosa defender os pequenos fabricantes de autopeças, vulneráveis a todo tipo de dificuldade e desafio. Eles compram insumos mais caro (como o aço, que vão buscar nos distribuidores) e não têm cumprido sequer as obrigações com os Refis – programas de refinanciamento das dívidas tributárias.

Apesar do poder das sistemistas, o Sindipeças levou adiante o programa de tornar 2010 um ano de estímulo à empresa de menor porte. Afinal, ela garante a base de suprimento na cadeia e – como os peões no jogo de xadrez – pode ser decisiva nas estratégias de assegurar competitividade à indústria brasileira (leia mais na revista Automotive Business de julho, com versão eletrônica já disponível).

Nesse cenário é preciso lembrar que as empresas do setor automotivo – montadoras e autopeças – são na maioria de capital internacional. Elas respondem pelo investimento de cerca de R$ 40 bilhões que estão programados para chegar à indústria automobilística nos próximos anos, tendo em vista um atrativo mercado interno.

A quem cabe organizar esse mercado de players quase sempre de capital estrangeiro? Às empresas? Às entidades? Ao governo? Você pode enviar seu comentário para ab@automotivebusiness.com.br ou participar das discussões dobre o tema em Automotive Business Network.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

| 16/07/2010

O método

Na década de 1950 Joseph Wolpe, psiquiatra sul-africano, desenvolveu um método bem sucedido para tratamento de fobias ao combinar técnicas de relaxamento com situações imaginárias de medo experimentadas pelos pacientes. Por exemplo: se o paciente tinha medo de avião, Wolpe iniciava um trabalho de relaxamento profundo. Relaxado, o paciente era convidado a imaginar-se num aeroporto, olhando aviões.

Suportando a idéia, o paciente ia para a fase seguinte, imaginando-se andando em direção ao avião. Depois vendo uma escada em sua frente. Em seguida, imaginava-se subindo a escada. Depois olhando dentro do avião. Em seguida entrando e assim sucessivamente, até chegar à situação imaginária de pânico em que o avião enfrentava turbulências. Segundo o doutor Wolpe, o relaxamento e a tensão se anulavam, acabando com a fobia. O método recebeu o nome de "inibição recíproca" e também "dessensibilização sistemática."

| 06/07/2010

Logística Lean para ‘driblar' restrições da infraestrutura - Por José Roberto Ferro*

O crescimento econômico acelerado dos últimos meses vem expondo cada vez mais as carências crônicas da infraestrutura nacional. Por exemplo, os problemas de logística, gerados pelas debilidades das rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, malhas viárias urbanas etc. e que causam congestionamentos em cidades, estradas, portos e aeroportos. Há também uma burocracia excessiva com a exigência de documentações desnecessárias. E nossos fretes para exportação e importação são muito mais caros que os padrões internacionais.

Essas ineficiências causam altos custos, além de baixa produtividade e perdas de competitividade para a sociedade e para as empresas. E podem dificultar a continuidade das altas taxas de crescimento.

| 18/06/2010

Fábrica de líderes

Em minhas andanças pelos EUA conheci um conceito interessante: a "fábrica de líderes". Meu interlocutor contou que algumas organizações investigavam junto às escolas, clubes e outras entidades, os jovens com potencial para serem líderes. Identificados, eles eram convidados a participar de um processo educacional diferenciado, uma espécie de "fábrica de líderes", de onde sairiam os homens e mulheres que dirigiriam as grandes organizações dos EUA. Achei o máximo.

Talvez haja alguma iniciativa parecida no Brasil, mas não consegui lembrar.

| 14/06/2010

A Escolha de Sofia - por Tom Coelho*

“Você faz suas escolhas
e suas escolhas fazem você.”
(Steve Beckman)



No mundo corporativo de hoje os profissionais são constantemente colocados à prova mediante dilemas que lhes são apresentados. Por exemplo, o que fazer quando a empresa exige tanto do executivo que ele tem que escolher entre a vida pessoal e a profissional?

ABTV

AB Inteligência