Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Pedro Kutney |

Ver todas as opiniões
Pedro Kutney

10/09/2020

Recuperação dá sinais de desaceleração; cenário melhora, mas ainda é ruim

Fim de medidas de proteção ao emprego e auxílio emergencial poderão realimentar crise econômica

É inegável que quatro meses seguidos de crescimento nas vendas de veículos sobre o mês anterior representam um alívio considerável diante do que se viu em março e abril, quando a pandemia de coronavírus abriu um precipício econômico sem precedentes para a indústria automotiva – e o mundo todo. Assimilado o terror inicial diante da crise, viu-se que foi muito rápida a chegada ao fundo do poço, mas também é inquestionável a enorme profundidade da queda, o que torna penosa e lenta a escalada de volta ao topo.

Sim, o paciente melhorou, mas segue gravemente doente. Agosto marcou o quarto mês seguido de evolução das vendas, mas a velocidade da recuperação foi desacelerada de 31,4% entre junho e julho para 5,1% entre julho e agosto, o que ainda é explicado pelo represamento de emplacamentos causados pelo fechamento de Detrans no País.

Já está certo que a retração do mercado será menor do que a inicialmente prevista, mas também está igualmente certo que o resultado deste ano será muito ruim, pois o tamanho da queda em relação a 2019 é enorme, seja qual for a projeção, que hoje varia de otimistas 25% (com 2,1 milhões de veículos vendidos este ano), passa pelo que parece mais realistas 30% (1,96 milhão) e baixa ao superado pessimismo que previa o tombo de 40% (1,67 milhão).

O fato é que a indústria deve perder algo como um terço do mercado interno de 2019 e não há sinais de recuperação breve em apenas um ano. Para piorar, os mercados de exportação do Brasil estão em situação ainda mais crítica e as perspectivas seguem sendo de retração continuada. Com isso, a ociosidade das fábricas está na casa de 65% – é como se seis das 60 plantas de veículos e motores no País estivessem paradas.

Associação dos fabricantes, a Anfavea admite que a situação é insustentável, as demissões já começaram e devem aumentar nos próximos meses porque não há perspectivas de melhora no curto ou médio prazos, as empresas vão fazer cortes assim que forem esgotados, até o fim do ano, os mecanismos de afastamento temporário ou redução de jornadas e salários – a Volkswagen confirmou que negocia com sindicatos a redução de 35% no quadro de funcionários de suas quatro fábricas brasileiras, o que equivale a cerca de 5 mil pessoas. Portanto, ainda que melhor, o cenário permanece severamente crítico.

PROJEÇÕES MELHORADAS, MAS EM MERCADO RUIM



A Anfavea, ao divulgar o balanço deste mês, admitiu que ainda no início de junho fez uma projeção muito pessimista quando estimou em 40% a queda anual do mercado em 2020. O presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, justificou dizendo que na época, com os elementos que tinha à mão, não era possível ver nada melhor do que isso – falava-se em queda do PIB de até 10%, contra 5% hoje.

Diante de perspectivas mais positivas (ou menos negativas), a Anfavea já prometeu divulgar novas previsões no começo de outubro, que em tese serão melhores, mas alerta que a situação é instável, ainda existem incertezas no horizonte e o cenário segue sendo crítico, seja com queda das vendas de 35%, 30% ou 25%. Também permanece como ameaça no horizonte próximo o fim das condições que permitiram melhorar as previsões.

O esperado “apocalipse” foi atenuado, principalmente, por medidas de proteção ao emprego que já preservaram cerca de 25 milhões de trabalhadores, com redução de jornada e salários ou afastamento temporário com parte dos vencimentos paga por fundos públicos ao custo de aproximadamente R$ 50 bilhões; além do auxílio emergencial de R$ 600/mês pagos a 65 milhões de pessoas que ficaram sem renda – claro que ninguém comprou um carro com isso, mas o mecanismo reduz os abjetos níveis de pobreza do País, injeta algo como R$ 250 bilhões na economia, alimentando comércio, transporte e serviços.

Tudo isso, no entanto, retardou mas não resolveu o problema, que pode ganhar força quando esses mecanismos forem esgotados até o fim do ano. Já existem estimativas que o desemprego poderá dobrar para mais de 20 milhões de pessoas e a perda da assistência (que já cortada à metade) vai causar perda de renda e consumo em níveis ainda desconhecidos.

RECUPERAÇÃO INSTÁVEL



A instabilidade do crescimento mensal das vendas de veículos no País pode ser melhor verificada quando se olha para o desempenho das vendas nos 27 estados brasileiros. Em agosto sobre julho houve considerável queda de 17% nos emplacamentos registrados em São Paulo, o maior mercado nacional, contra crescimento meteórico de 18.000% no pequeno mercado do Piauí, porque lá o Detran ficou fechado até um mês antes. Essa desigualdade comprova que ainda há represamento de emplacamentos de carros vendidos meses antes, levantando dúvidas sobre qual é o ritmo real da recuperação, o que poderá ser melhor aferido em outubro, quando em tese esses resíduos devem se esgotar.

O mercado de caminhões, por exemplo, que parecia ter se descolado da crise graças à força do agronegócio brasileiro que precisa transportar centenas de milhões de toneladas de produtos, registrou queda nas vendas de 15% entre julho e agosto. O crescimento vigoroso que vinha sendo verificado se transformou em retração por falta de produtos a entregar e porque boa parte das encomendas represadas já foi entregue – foram pedidos feitos antes de abril, que só puderam ser atendidos de dois a três meses depois, por causa da paralisação das linhas de produção.

Outro fator que segura o crescimento é a estagnação do crédito. A concessão de novos financiamentos para compra de veículos cresce menos ou até cai um pouco em relação ao total de vendas, ou seja, não acompanha na mesma proporção o avanço do mercado. Em agosto, enquanto os emplacamentos totais de veículos novos cresceu 5,1%, as vendas financiadas ficaram estacionadas, caíram imperceptíveis 0,1%, e foram responsáveis por apenas metade dos negócios – em condições normais esse porcentual fica acima de 60%. De um lado, o consumidor se retrai por falta de renda ou medo de assumir compromissos diante da ameaça de ficar desempregado; de outro, os bancos se retraem sob o risco da inadimplência e cobram juros muito elevados.

Levando os vários fatores em consideração, é fato que o cenário é menos ruim do que foi inicialmente imaginado, como também é fato que a tempestade perfeita que se abateu sobre o mundo inteiro ainda não passou e seu legado de devastação é enorme, ainda que de tamanhos diferentes entre países que lidam melhor com a crise e os que lidam pior – o Brasil até agora parece estar no segundo grupo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência