Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Luiz Sergio Alvarenga |

Ver todas as opiniões
Luiz Sergio Alvarenga

23/07/2020

Reciclagem pode voltar à cena no pós-Covid

É preciso fazer o programa completo, com inspeção veicular e descarte

Como em praticamente todos os momentos de crise econômica no Brasil onde a comercialização de veículos novos é atingida, o tema da reciclagem para efeito de renovação de frota volta à cena. Inúmeros estudos sobre isso já foram desenvolvidos no País, principalmente no segmento de veículos pesados, mas sempre esbarraram em entraves governamentais ou por questões de estímulos junto aos proprietários de veículos.

O aftermarket em todo o mundo se submete a uma equação que diz: quando a venda de veículos novos vai bem, o mercado de reposição e reparação vai bem, e quando a venda de veículos novos vai mal, o aftermarket vai muito bem! Acontece que esta equação pode ter problemas se o equilíbrio na venda de novos não se estabilizar em um determinado tempo, correndo o risco de ver o seu ticket médio despencar em função de sucateamento da frota, o que nos descola do perfil da frota mundial e não é nada bom para o mercado brasileiro.

Neste novo cenário pós-Covid parece interessante resgatar estudos de um programa de renovação de frota partindo da reciclagem de veículos, que efetivamente não mais atendem os preceitos legais de segurança, saúde e meio ambiente para continuar rodando, ou mesmo que seus custos de manutenção inviabilizem o uso. Porém, é preciso evitar os erros do passado para permitir o equilíbrio do mercado.

Mas os militantes do aftermarket não precisam ficar preocupados, pois qualquer deliberação nesta direção no Brasil costuma ser lenta e com imbróglios de toda a ordem. Portanto, nos próximos três anos, no mínimo, os veículos em uso necessitarão de muita manutenção e peças, mas é preciso pensar hoje para não ser surpreendido com o sucateamento de amanhã.

Nestes tempos e principalmente com este tipo de assunto é preciso pensar e agir de forma conjunta e não por interesses de canais comerciais, precisamos pensar grande e sair da inércia, deixarmos de ser surpreendidos a cada crise econômica.

Um dos erros cometidos no passado, quando tratamos de renovação de frota baseado na reciclagem de veículos, foi não estabelecer uma linha de corte para definir que condição o veículo deveria ter para ser considerado passível de reciclagem e assim se submeter a um programa de renovação de frota.

Portanto, o tripé “veículo antigo ou mal cuidado”, somado aos “desmontes de veículos regulados pela Lei Federal nº 12.977 de 20/05/2014” e um programa de “inspeção técnica veicular”, é vital para disponibilizar à sociedade um sistema justo e transparente, onde os consumidores ganham, os desmontes de veículos ganham, os comerciantes de veículos seminovos e novos ganham, a indústria ganha, e o aftermarket ganha, pois encontraremos o equilíbrio e um fluxo contínuo em curso.

Finalizando, reforço que o tema da reciclagem de veículos deve ser acompanhado de um programa de inspeção técnica veicular e sua somatória de forças pode impulsionar um caminho mais seguro para renovação de frota de veículos consciente.

_________________________________________________________
Luiz Sergio Alvarenga é diretor da Alvarenga Projetos Automotivos e conselheiro do Instituto da Qualidade Automotiva (IQA)

Comentários

  • PedroPaulo Moraes

    AmigoSérginho , muito feliz e pertinentes seus comentários.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência