Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Murilo Briganti |

Ver todas as opiniões
Murilo Briganti

21/07/2020

Adiar a legislação automotiva traz atraso tecnológico e custos à sociedade

Manter datas e metas é o melhor caminho para o País, mesmo que parte dos custos sejam repassados ao mercado

Com as montadoras começando a contabilizar os custos da crise do coronavírus, uma das principais questões do momento, que estão sendo discutidas pelo setor e o governo e que interessa muito ao consumidor, são as condições necessárias para a manutenção das regulamentações e metas estabelecidas pelo Proconve e Rota 2030, relacionadas a emissões, eficiência energética e, principalmente, segurança veicular.

Dentre as solicitações das montadoras ao governo, a extensão dos prazos pré-estabelecidos para atender as legislações acima descritas se justificaria pela necessidade de postergar investimentos e evitaria o aumento dos preços dos veículos neste momento de retração do mercado.

Qualquer decisão por parte do governo terá de ser ponderada pelos impactos que trará à sociedade, ao meio ambiente e ao erário público, que continuará cobrindo custos adicionais à já alarmante conta advinda dos problemas da mobilidade no País. Ou seja, é preciso levar em conta as consequências relacionadas a emissões de gases de efeito estufa, emissões de gases poluentes e aos custos de acidentes e mortes no trânsito.

É importante considerar que, no atual ciclo de desenvolvimento dos veículos, grande parte dos investimentos advindos da cadeia para atender as regulamentações já foram realizados e são necessários não só para cumprir a lei, mas principalmente para satisfazer ao novo consumidor, cuja visão sobre sustentabilidade terá muito mais peso em decisões futuras de compra após a pandemia.

EVOLUÇÃO SIGNIFICATIVA



A Bright Consulting monitora a evolução da eficiência energética e da segurança dos veículos vendidos no Brasil por meio de uma plataforma inteligente com algoritmos que replicam o decreto do Programa Rota 2030 e são ancorados por ferramentas de big data e inteligência artificial. Quando analisamos a situação das montadoras nos últimos 12 meses (julho de 2019 a junho de 2020), podemos identificar uma evolução significativa na eficiência energética dos veículos por causa do aumento da adoção das tecnologias que promovem essa melhoria.

Investimentos em downsizing, por exemplo, vêm sendo uma importante estratégia no portfólio das montadoras. Hoje, no Brasil, mais de 36% do mercado já conta com motorização turbo, o que há dois anos representava menos de 18%.

Além disso, tecnologias desenvolvidas pioneiramente em nosso mercado mostram a importância do biocombustível na melhoria da eficiência energética dos motores – vide o primeiro híbrido flex do mundo, o Toyota Corolla lançado em 2019.

Outra tecnologia com expressivo aumento de penetração nos últimos dois anos foi o comando de válvulas variável, presente hoje em mais de 82% dos veículos, contribuindo para a melhoria do desempenho energético dos motores.

O gráfico abaixo demonstra a posição/distância de cada fabricante em relação às metas de eficiência energética nos últimos dois anos e até 2022.



Analisando os últimos dois anos, a distância para a qualificação aos objetivos de eficiência energética caiu aproximadamente 2,2% e mais de 42% do dos veículos no mercado brasileiro já atingem o target (meta) ou ganham bonificações de 1 ou 2 pontos porcentuais de desconto no IPI por superar as metas. Com tamanha evolução, grupos incluindo Ford, GM, Mitsubishi, Toyota, Porsche e Volvo já se qualificam em eficiência energética há alguns meses e estão em vantagem para buscar a qualificação antecipada a créditos já em outubro de 2021.

Considerando todos os lançamentos de veículos previstos até o fim de 2020, acreditamos que ao redor de 60 % das versões a serem comercializadas no País em janeiro de 2021 se enquadrarão na situação de compliance (atendimento à meta) ou incentivo de IPI (superação da meta).

CUSTO DA EFICIÊNCIA PODE SER COMPENSADO POR DESCONTO DE IPI



Para que em 2022 todas montadoras atinjam as metas de eficiência estabelecidas por lei e possam pleitear benefícios, a plataforma da Bright Consulting nos permite identificar que o custo variável incremental médio, ponderado por vendas, por veículo para compliance, será de US$ 234. É importante ressaltar que o grupo habilitado poderá amortizar os custos adicionais com o crédito de IPI obtido por superar os objetivos.

Veja na ilustração abaixo a evolução da eficiência energética das principais montadoras, bem como o custo por carro vendido para compliance em 2022:



MAIS SEGURANÇA TAMBÉM TRAZ BENEFÍCIOS



Itens de segurança também têm um peso importante na legislação do Rota 2030. São mais de 7 requisitos obrigatórios e 11 inovadores (que permitem pleitear o benefício de 1 ponto de IPI, para quem já tem 1 ponto por superar a meta de eficiência).

Dentre as sete tecnologias, por exemplo, por meio da plataforma exclusiva da Bright Consulting, é possível aferir que o controle eletrônico de estabilidade (ESC) estava presente em apenas 43% dos veículos no mercado brasileiro como item de série em junho de 2019 e hoje (julho de 2020) já está em mais de 63%.

Outro item de segurança que evita acidentes em maiores proporções e teve um avanço considerável foi o sistema de frenagem de emergência, que cresceu de 50% para mais de 60% no mesmo período citado anteriormente. Todas essas são tecnologias que proporcionam um trânsito mais seguro, salvam vidas e, consequentemente, reduzem os custos do Estado com acidentes.

PROCONVE TEM DESAFIOS MAIORES



Os desafios serão grandes quando consideramos que haverá, em paralelo, novos limites de emissões do Proconve para veículos leves – L7 (2022) e L8 (2025). Para o limite L7, alterações em catalisadores, sistemas de emissões evaporativas, no SHED e no ORVR, OBD e novas calibrações do motor, ou uma composição deles, deverão afetar os preços e o mix de vendas, mas com efeito restrito a alguns modelos de veículos.

A partir do L8, quando o controle de emissões também será feito pela média da produção de cada fabricante, além dos aspectos técnicos, a utilização de ferramentas inteligentes para se medir impactos e escolher o melhor pacote tecnológico será fundamental, pois será quase impossível cruzar todas essas interferências sem contar com o suporte de metodologias e dados consistentes, com algoritmos de simulação de análises, posicionamento de portfólio e estudos específicos para condições econômicas que tendem a ser extremamente voláteis e dinâmicas no médio prazo.

ADIAR LEGISLAÇÃO TRAZ CUSTOS À SOCIEDADE



Postergar a legislação neste momento significa manter o status quo de uma frota de péssima qualidade, com veículos inseguros, menos eficientes e mais poluentes que amplificarão a contaminação de pessoas e do meio ambiente e manterão as estatísticas alarmantes de mortes no trânsito no País. Decidir reverter este cenário, mantendo as legislações como previsto e acordado, é, sem dúvida, o melhor caminho para a sociedade, mesmo que parte dos custos (compensados pelos incentivos) sejam repassados ao mercado.

A competitividade das montadoras locais, da cadeia de suprimentos e da capacidade de evolução, de desenvolvimento tecnológico e de engenharia depende da legislação e é responsabilidade dos legisladores focar nos benefícios à sociedade, principalmente quando parte considerável dos custos já foi feita e incorporada em veículos já lançados e em outros que estão no pipeline dos próximos meses e não podem ser desconsiderados para o sucesso das empresas no novo mercado.



Murilo Briganti é consultor da Bright Consulting

Comentários

  • RAFAELOLIVEIRA PAPAIS

    Nãoseria mais rápido e eficiente promover uma renovação da frota atual? Estava lendo uma reportagem onde falava que a idade média da frota é de quase 10 anos, ou seja, são veículos que ainda não tem nem a eficiência e segurança dos carros à venda hoje.

  • Olimpio

    Aleluiaque consultores da área automotiva estejam com a cabeça aberta a outras forças de mercado além da simples avaliação contábil dos diretores financeiros de algumas montadoras, lembrando que nem todas elas defendem o adiamento das metas do Proconve e do Rota 2030 propisto pela Anfavea. O prazo da fase P8 dos pesados do Proconve é 2022 para novos lançamentos e 2023 para toda produção.

  • AlfredSzwarc

    Enquantoo mundo se move para a frente e ecelera para sair da atual crise, com soluções criativas e cada vez mais "verdes", as propostas apresentadas por algumas lideranças do setor automobilistico visam frear o desenvolvimento tecnológico no país. A poluição do ar é também uma pandemia que, segundo a Organização Mundial da Saúde, contribui para ceifar cerca de 3,5 milhões de vidas todo ano, considerando-se apenas a exposição ao ar livre. Centenas de estudos comprovam o nexo entre a poluição do ar e doenças cardiorespiratórias, oncológicas e demencia. Não bastassem esses efeitos cruéis, o consumo excessivo de combustível, também é fonte importante de gases de efeito estufa, especialmente o CO2, principal agente no aquecimento global. A questão da segurança veicular não é menos relevante, sendo imprescindível melhorar a segurança ativa e passiva dos veículos, para ajudar a reduzir a pandemia de mortes no trânsito, que resulta em cerca de 40.000 óbitos por ano no país. Este excelente artigo traz, de modo lúcido e coerente, elementos para reflexão. O Proconve e o Rota 2030 deveriam ser vistos como programas estratégicos para o país que não devem sofrer atrasos, Dificuldades momentâneas trazidas pela pandemia do Covid19 podem ser contornadas e resolvidas sem que o país sofra os efeitos nocivos de uma atraso evitável, com consequencias danosas para a sociedade.

  • LuizRoberto Imparato

    Muriloparabéns pelo seu trabalho! Pela primeira vez vejo em números o que as montadoras precisam implementar para atingir as metas desse Programa que elas mesmo criaram através da ANFAVEA. Sugiro você aplicar sua metodologia para avaliar os investimentos necessários para a eletrificação dos seus veículos. O que vemos com o Rota 2030 é a vinda de tecnologias para os motores a combustão utilizadas há tempo em outros países e muito pouco para incentivar a produção de veículos elétricos em nosso país. Esse Programa nos tornará produtores e exportadores da tecnologia que está sendo descontinuada em outros países. Parabéns mais uma vez pela clareza do seu estudo.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência