Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Marcel Oliveira |

Ver todas as opiniões
Marcel Oliveira

12/06/2020

Reflexão do teletrabalho e suas peculiaridades

As vantagens da nova modalidade para empregados e empregadores

O termo teletrabalho* como conhecido na esfera trabalhista cuja modalidade mais conhecida é o home office é uma forma de trabalho flexível, resultante da evolução e emprego das tecnologias de comunicação e informação proporcionando assim trabalhar em casa ou remotamente realizando as tarefas em um local diferente daquele utilizado pelas pessoas dentro das organizações.

Observa-se que cada vez mais as empresas têm aderido a esta ferramenta oferecendo a seus profissionais a oportunidade de gerir seu tempo obtendo melhor qualidade de vida e realização profissional e pessoal.

Durante a crise da Covid-19, houve a necessidade de algumas empresas na experimentação/adoção de maneiras para proporcionar a manutenção de seus negócios flexibilizando o trabalho de seus colaboradores por meio remoto. Outras, no entanto ampliaram a possibilidade de aumentar o contingente que hoje já trabalha nesta modalidade, conhecida como teletrabalho ou home office.

Neste contexto, recentemente vi comentários de grandes empresas, que doravante manterão e expandirão este tipo de jornada e relação de trabalho para todo o contingente não produtivo/manufatura existente na organização.

Mas será que esta modalidade se aplica a todos os tipos de organização, de atividade funcional não produtiva e até mesmo para os diferentes perfis de pessoas?

Se por um lado as empresas acreditam que a implantação massiva irá gerar considerável economia de custos e eficiência, por outro, empregados acreditam que terão maior flexibilidade de trabalho e qualidade de vida. Neste sentido, o momento requer uma calibração de expectativas.

Vamos aos fatos: para quem não tem experiência na aplicação do home office, esta modalidade de trabalho pode gerar ansiedade, dúvidas e uma grande dor de cabeça gerando passivos trabalhistas, financeiros e de imagem corporativa enquanto empregador. Para as organizações é extremante importante se preparar para garantir a segurança jurídica trabalhista e produtividade mantendo-se o sentimento de pertencimento na visão do funcionário.

Lembramos que por meio da reforma trabalhista foram regulamentados, entre outros aspectos, que a alteração do trabalho presencial para remoto deva ser feita em acordo escrito entre as partes, devendo ainda serem definidas as condições para aquisição, uso, manutenção ou fornecimento dos equipamentos e infraestrutura para a prestação do trabalho remoto, bem como para o reembolso das despesas arcadas pelo empregado se existentes.

Reforça-se também que a legislação brasileira é bastante rígida com relação à carga horária dos trabalhadores (seja trabalho ou repouso). Esta regulamentação oferece baixa flexibilidade para negociação da empresa com o trabalhador.

É recomendável que o teletrabalhador tenha interação e não se isole por completo dos demais colegas de trabalho que atuam presencialmente evitando assim que posteriormente, como consequência do isolamento, venha a sofrer problemas de saúde, como depressão, insegurança e transtornos de relacionamento social e familiar, entre outros.

O QUE AS EMPRESAS PODEM FAZER?


- Desenvolva claro procedimento – incluindo aspectos de ergonomia e monitoramento da saúde emocional dos colaboradores e requisitos técnicos e comportamentais para ser elegível ao programa para que não exista dúvidas sobre como funciona e quem pode e quem não pode fazer parte desta modalidade de jornada;

- Estabeleça relações de confiança com seus empregados e treine seus gestores para o novo estilo de jornada. Existem modelos culturais que não serão favoráveis a este estilo de trabalho;

- Não imponha adesão em massa. Há premissas básicas para ser elegível;

- Mantenha obrigatoriedade de trabalho presencial ocasionalmente para garantir a socialização entre o teletrabalhador e o trabalhador presencial;

- Funcionários elegíveis ou voluntários precisam ser treinados e devem passar por uma triagem. Este treinamento inclui como preparar a família e grupo social, incluindo parentes e vizinhos e ainda estabelecer um local e rotina de trabalho;

- Não confundir a jornada de trabalho externo com teletrabalho, por exemplo, agentes regionais de vendas e técnicos de campo têm diferentes aspectos em relação as demais funções da empresa que desenvolverão suas atividades remotamente por meio do home office**; - Igualmente, como há restrições para determinadas áreas de acordo com o perfil da operação, há também para pessoas. Não são todos que reúnem as competências necessárias e estão preparados para esta modalidade de trabalho remoto;

- Crie ferramentas para deixar claro os objetivos esperados bem como para monitorar o desempenho do trabalho almejado;

- Desenvolva controles para o respeito as jornadas de trabalho e descanso para que o empregado não exceda o permitido por lei;

- Evite utilizar plenamente pacotes corporativos desenvolvidos nas matrizes – cada país tem sua específica cultura e legislação;

- Evite paradigmas trabalhistas oferecendo igualitariamente o mesmo tratamento incluindo remuneração e benefícios para pessoas que desenvolvem o trabalho de forma remota ou presencial, evitando assim a percepção de discriminação e precarização do trabalho.

Como mencionado, há determinadas características essenciais para o teletrabalho, todavia para aqueles que exerçam suas funções remotamente, a disciplina, organização, rotina e concentração precisam estar combinados para o desempenho de suas funções garantindo assim o sucesso da operação.

Adicionalmente para os empregados elegíveis que irão trabalhar sem a presença de seu respectivo gestor será mandatório cumprir prazos, ser focado em resultados, ter determinação e autoconfiança, e saber administrar a tecnologia necessária.

O QUE OS FUNCIONÁRIOS PODEM FAZER?


Para as pessoas que fazem ou farão parte desta modalidade de trabalho seguem algumas recomendações:

- Prepare devidamente sua família para esta nova realidade;

- Tenha extrema disciplina e crie uma rotina;

- Programe horários como se estivesse trabalhando dentro da empresa;

- Foco na produtividade - defina o que tem para fazer, como vai fazer, o prazo para entrega e o horário - administre o seu tempo;

- Respeite as pausas necessárias – incluindo refeições e descanso e não exceda desnecessariamente sua jornada de trabalho;

- Mantenha o uso de vestimentas adequadas ao trabalho. Isto impacta diretamente sua disposição e comportamento;

- Evite a qualquer custo a distração proporcionada pela rotina de sua casa, como visitas, chegada de correio e tarefas domésticas;

- Utilize recursos exclusivos para suas necessidades de trabalho, como rede de internet e equipamentos periféricos;

- Mantenha integração com a equipe de trabalho por meio de reuniões presenciais e virtuais, alinhamento de ideias via chat, WhatsApp etc.;

- Se precisar se ausentar sempre comunique seu gestor formalmente.

Em resumo após análise mais profundada, incluindo disposições legais mencionadas e reforma trabalhista ocorrida no fim de 2017, é perceptível que ainda há incertezas com relação a legislação vigente. Todavia estas omissões ou impropriedades não devem ser obstáculos para que a modalidade de teletrabalho seja implantada, respeitando os cuidados já mencionados acima. Apesar disso os maiores desafios e barreiras residem no modelo cultural da organização e no mindset de seus gestores.

AS VANTAGENS DO HOME OFFICE PARA O EMPREGADOR E O EMPREGADO


Como pontos de vantagem para as empresas podemos elencar:

- Aumento de produtividade, competitividade e níveis de criatividade;

- Lucratividade da empresa - funcionários agregando mais valor ao serviço e produto;

- Redução de custos por meio de menor utilização de ativos da empresa e alguns benefícios inerentes ao deslocamento; - Facilidade de recrutamento em virtude da localização do trabalhador e a decorrente flexibilização do trabalho;

- Maior flexibilidade organizacional;

- Redução do absenteísmo e da rotatividade;

- Contribuição na redução de emissão agentes poluentes;

- Considerável redução da entropia cultural e ineficiência.

Mas também há riscos inerentes para as empresas. Podemos destacar:

- Aumento dos custos operacionais devido a necessidade de disponibilização de equipamentos e infraestrutura em TI;

- Restrições de controle e supervisão do empregado à distância;

- Dificuldade de monitoramento do ambiente ocupacional;

- Ausência de convivência no ambiente de trabalho para troca de experiências;

- Maior dificuldade de integração e trabalho em equipe;

- Capilaridade da cultura organizacional para novos empregados;

- Choque cultural e resistência de gestores – sabotagem ao programa;

- Baixa instabilidade jurídica trabalhista.

Para os empregados, também há vantagens:

- Redução ou eliminação do tempo gasto com deslocamento;

- Flexibilização do horário e do local de trabalho;

- Ampliação da convivência familiar e maior conforto;

- Eliminação de atividades supérfluas não relacionadas a sua operação;

- Aumento de foco, c capacidade criativa e concentração em seus trabalhos / projetos;

- Maior equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

Da mesma forma, também há riscos inerentes aos empregados adeptos do home office:

- Maior isolamento social;

- Possibilidade de degradação da vida familiar em virtude da dificuldade de separar a vida pessoal da profissional;

- Falta de infraestrutura adequada no domicílio do teletrabalhador

- Necessidade de um perfil adequado para o exercício do teletrabalho.

Importante ressaltar a que as vantagens e as desvantagens do teletrabalho devem ser entendidas como potenciais, dependendo das reais condições oferecidas pela empresa, como: aderência da liderança, características dos locais de trabalho, programas de suporte ao funcionário, benefícios, treinamento, remuneração e qualidade de equipamentos disponibilizados que podem ampliar a satisfação dos colaboradores ao programa e do sentido de pertencimento para com a organização.

Necessário também mencionar que o teletrabalho está em perfeita conformidade com a agenda dos objetivos do desenvolvimento sustentável e inclusão social das empresas.

Então se sua empresa ainda não está inserida na possibilidade de utilizar ou ampliar o teletrabalho, acredito que este é o melhor momento para fazê-lo.

* A Organização Internacional do Trabalho OIT (1996), define que o teletrabalho é uma forma de trabalho, onde ocorre a separação física do profissional do seu local de trabalho, permitindo que o mesmo, realize suas atividades em um lugar distante do escritório por meio do uso de tecnologias da informação e comunicação. Convergindo com a OIT, a European Telework Online (ETO, 1999) também definiu o teletrabalho como um modelo de trabalho que ocorre quando as ferramentas de tecnologia possibilitam a execução das atividades fora das dependências da empresa.

** Diferença entre o Teletrabalho à domicílio e o trabalho externo: o trabalho externo pode ser considerado aquele realizado pelo profissional fora do domínio e controle do empregador e é denominada comumente de jornada não controlada porque preceitua assim o art. 62, I, da CLT “os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho, devendo tal condição ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no registro de empregados”. Como profissionais que realizam o trabalho externo podemos considerar, por exemplo, o vendedor viajante, os motoristas carreteiros etc.

Marcel E.R. Oliveira é mestre em administração de empresas – com ênfase no comportamento humano. Sua carreira profissional em empresas líderes em seus segmentos de mercado, lhe permitiu atuar em várias áreas como finanças, planejamento de produção e manufatura, automação industrial, marketing, inteligência de mercado, comunicações e relações corporativas. Nos últimos 20 anos de sua trajetória atuou como VP de RH e Governança Corporativa. Atuou também como professor de planejamento estratégico e administração de marcas em importantes instituições de ensino.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência