Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Francisco Sarkis |

Ver todas as opiniões
Francisco Sarkis

16/04/2020

Diálogo será a próxima grande evolução tecnológica do atendimento

Call centers devem ser áreas estratégicas, capazes de trabalhar com aspectos emocionais do cliente

A maior evolução que veremos no atendimento será a capacidade de comunicação com possibilidade de diálogo entre consumidores e as corporações. Assim como um atendente humano bem preparado, a inteligência artificial não pode deixar o consumidor desassistido.

No fim de 2019, após a Black Friday, um robô mal-educado repetia que sabia que eu havia reclamado em outros canais da empresa por causa de uma mercadoria que ainda não havia sido entregue. Neste caso, a inteligência artificial não ofereceu nenhuma alternativa de solução para o problema e, como no passado, a situação só se resolveu no Procon.

A comunicação sem diálogo é logo desmascarada pelo cliente 2.0, com muito mais poder de informação que anteriormente. Haja vista a quantidade de reclamações que, segundo pesquisas, vem se acumulando a cada ano, por exemplo no Reclame Aqui.

Este site, aliás, divulgou no início do ano a relação das empresas mais reclamadas na Black Friday. É uma triste evidência de como a visão das empresas “focadas no cliente” ainda está distante do upgrade de mentalidade. Ainda não houve adaptação à força do novo consumidor.

Os projetos ditos inovadores acabam focando mais em tecnologias, em uma passagem para o mundo digital, mantendo a mentalidade de atendimento ao consumidor do mesmo jeito. Além disso, poucas organizações valorizam o aumento gradual da importância estratégica do atendimento para os objetivos da organização, inclusive como diferencial competitivo relevante para um mundo de consumidores muito mais experientes.

O caminho para o atendimento migrar de um canal de informação de “mão única” para um “bidirecional”, com atendentes mais capacitados e com uma interação mais humana, é a escolha correta para a criação de um call center como centro estratégico para as corporações. O setor precisa ser capaz de trabalhar com aspectos mais emocionais, criar liberdade para o diálogo, na linha de empoderamento dos atendentes para ganhar velocidade nas decisões.

Enfim, é preciso que surja uma nova mentalidade capaz de enxergar o atendimento como uma área produtiva, como um espaço permanente de diálogo, ouvindo sugestões, alterando processos, criando sinergia com os diferentes stakeholders. A transformação é muito mais psicológica do que tecnológica.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência