Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | José Luis Gordon |

Ver todas as opiniões
José Luis Gordon

20/01/2020

Embrapii e o setor automotivo na rota da inovação

Entidade vai direcionar recursos do Rota 2030 para pesquisa e desenvolvimento

O setor automotivo no Brasil representa cerca de 22% do PIB industrial e gera mais de 1,3 milhão de empregos diretos e indiretos, além de sua influência sobre outros segmentos que integram a cadeia. Diante de tamanha representatividade, é clara a necessidade de novas estratégias e investimentos para que não se perca de vista as transformações tecnológicas cada vez mais intensas em todo o mundo. Neste contexto, em 2019, a Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) deu um importante passo, tornando-se um dos coordenadores de Programas e Projetos Prioritários (PPPs) de pesquisa e desenvolvimento (P&D) para mobilidade e logística, previstos no Rota 2030 – conjunto de medidas que entrou em vigor no início do ano passado para orientar e incentivar o desenvolvimento da indústria automotiva no País.

Os PPPs serão financiados com recursos que antes eram direcionados ao pagamento de 2% (ex-tarifário) de imposto de importação de componentes sem produção similar no Brasil. Com isso, deverão atender as demandas tecnológicas das empresas do segmento. A iniciativa do Ministério da Economia (ME), em conjunto com o setor privado, tem como um dos objetivos elevar a cadeia de fornecedores da indústria automotiva nacional a níveis de igualdade com os principais mercados do mundo.

Como ente coordenador de PPP, a Embrapii está apta para receber os aportes (antes direcionados ao pagamento do ex-tarifário de peças importadas) das empresas do setor que necessitam cumprir suas obrigações legais com o Rota 2030. Os recursos obtidos pela entidade no programa são destinados exclusivamente à contratação de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) em variadas áreas tecnológicas desde ferramentaria, conectividade, internet das coisas (IoT), novos materiais, biocombustíveis, carros elétricos, entre outros, que sejam demandados por empresas do setor de mobilidade e logística.

Para as empresas que desejam utilizar o recurso aportado no programa e buscam parceria, a Embrapii tem dois modelos de financiamento: o tipo 1, que oferece até um terço de recursos não reembolsáveis; e o tipo 2, que garante até 50% do valor do projeto, desde que seja com pelo menos duas empresas e, ao menos uma delas, seja de pequeno porte. O objetivo é alimentar a cadeia produtiva trabalhando conjuntamente, inclusive, com startups.

A Embrapii conta com uma rede de 42 Unidades Embrapii, centros de pesquisa de alta competência tecnológica distribuídos em todas as regiões do País, com estrutura de gestão e processos, controle de riscos e profissionais altamente qualificados preparados para atuar em diferentes segmentos. Além do desenvolvimento de projetos, estas Unidades poderão complementar e adicionar novos conhecimentos às empresas com linguagem empresarial e seguindo o “timing industrial”. Dentro desse processo estão previstos: cronograma de execução, metas estabelecidas, entregas periódicas, macroentregas estipuladas e cronograma de desembolso financeiro.

A expectativa é que as empresas sejam atraídas pela forte base de conhecimento existente nas Unidades Embrapii e se beneficiem com a agilidade e baixa burocracia do modelo, uma vez que não existe a necessidade de se esperar por edital para a contratação de projetos. A qualquer momento a empresa pode contatar e negociar diretamente com a Unidade. Em média, em apenas três meses, os projetos são contratados, aprovados e iniciam a execução. Já são mais de 830 projetos de mais de 580 empresas nacionais, somando R$ 1,4 bilhão investidos no desenvolvimento de novas soluções e processos no mercado brasileiro.

Especificamente para a área automotiva, a lista de propostas desenvolvidas é extensa, antes mesmo do Rota 2030. Um exemplo é o dispositivo “VAI”, apresentado por uma empresa pernambucana que precisava de tecnologia capaz de traçar um diagnóstico veicular e alertar o proprietário sobre as peças que estivessem na iminência de apresentar problemas. Hoje, o produto está pronto e em comercialização no mercado. Outro exemplo é robô Snake, equipamento demandado pela GM (General Motors) para soldagem de componentes em locais de difícil acesso na linha de montagem do veículo, além de dezenas de outros cases.

O Rota 2030 é paradigmático como política pública, uma vez que os recursos aportados retornam para fortalecer a cadeia de fornecedores da indústria automobilística ajudando a potencializar o setor produtivo, ampliando sua competitividade, principalmente para a cadeia de fornecedores. É necessário seguir somando esforços, compreendendo os desafios de uma economia mundial cada vez mais dinâmica e centrada em conhecimento, e aplicando inovação como motor do desenvolvimento econômico e social do País. A rota está traçada e ela passa, obrigatoriamente, pela inovação.

______________________________________________________________
José Luis Gordon é diretor de planejamento e gestão da Embrapii

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência