Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Paula Braga |

Ver todas as opiniões
Paula Braga

17/12/2019

Colaboração, inovação e diversidade ditam o futuro. E o setor automotivo?

Quando iniciei minha carreira, nos idos de 1995, pouco se falava em colaboração entre empresas e pessoas. Tempos difíceis? Sem dúvidas. Evoluímos? Nem tanto.

Quando iniciei minha carreira, nos idos de 1995, pouco se falava em colaboração entre empresas e pessoas. Os projetos eram sigilosos, os funcionários fiéis à marca que escolheram para desenvolver sua carreira - quase sempre o único lugar onde trabalhariam, e o mercado se adaptava à abertura internacional. Colaborar com uma empresa concorrente? Jamais.

A hierarquia verticalizada era realidade na maioria das corporações, onde as lideranças pareciam inacessíveis e o diálogo difícil. Naquele tempo, foco em resultado era uma das grandes características que um profissional poderia oferecer – ainda que isso tivesse como consequência pouca preocupação com as pessoas e com o ambiente corporativo.

Essa era uma época de empresas declaradamente dominadas por uma cultura masculina. Só em 1988 a constituição tornou o racismo crime e passou a defender o fim de qualquer tipo de preconceito. Em 1990, a OMS – Organização Mundial de Saúde, deixava de considerar a homossexualidade como doença mental. As mulheres eram raridade nas organizações.

Pouco se falava em inovação. A tecnologia engatinhava com a internet começando a penetrar nas corporações. A comunicação funcionava por meio de nostálgicos aparelhos de fax, cartas e telefones. Tempos difíceis? Sem dúvidas. Evoluímos? Nem tanto. Lá se foram quase 25 anos e seguimos enfrentando alguns desses desafios.

DESAFIOS QUE PERSISTEM

O mundo mudou muito desde então. Somos a sociedade digital, fazemos negócios e nos conectamos pelo celular, a mobilidade avança em novas formas, o carro ganha outros usos. Mesmo com tantas mudanças, infelizmente ainda encontro muitas características desta cultura ultrapassada nas empresas.

A questão é que, para manter a relevância no novo contexto, precisamos sacudir a poeira, eliminar antigos hábitos e criar um ambiente organizacional favorável à inovação. Quando o tema são novos modelos de negócio, as grandes companhias que dominaram o começo da minha carreira, nos anos 1990, dão espaço às startups e a novos conglomerados - principalmente do setor de tecnologia.

A hierarquia rígida estremece diante do crescimento da demanda por ambientes colaborativos e de construção coletiva de conhecimento nas empresas. O home office ganha espaço como ferramenta de produtividade e de bem-estar. A busca por mais diversidade se contrapõe àquele antigo cenário que repelia quem era diferente. A inovação deixa de ser uma palavra restrita à tecnologia e engenharia para ser vista como uma habilidade humana. Este olhar para a potência de cada indivíduo talvez seja a grande virada.

As pessoas passam a ser o centro dos negócios. Afinal, são elas que fazem o organismo empresarial funcionar bem e, na outra ponta, também compram e usam os produtos. Não existe mercado e não existem negócios. Existem pessoas – se não tivermos isto em foco, perdemos o ponto.

E O SETOR AUTOMOTIVO NO NOVO CONTEXTO?

A segunda edição da inédita pesquisa Liderança do Setor Automotivo, realizada este ano por Automotive Business, em parceria com a Mandalah e com a MHD Consultoria, revela bastante sobre a cultura do setor automotivo. Segundo o estudo, a maioria das pessoas que estão no comando, construindo a nossa indústria hoje, ainda carrega o bom e velho “foco em resultado” como valor mais importante no trabalho.

Inovação está no discurso da maioria da liderança como algo essencial para a empresa, porém, quando questionados sobre os desafios de seu atual cargo, o tema desaparece. O foco está no curto prazo. Como diz Walter Longo, há mais medo do fim do dia do que do fim do mundo.

Está na hora de virar este jogo. E a minha proposta é que a liderança assuma o protagonismo não apenas dos próprios negócios, mas do atual momento em que enfrentamos a maior ruptura do setor automotivo e o avanço rápido a nova mobilidade. Vamos fomentar a colaboração, buscar mais diversidade nas empresas, ampliar o pensamento e, enfim, inovar.

Esta é a busca que levamos ao #ABX20 – Automotive Business Experience, que acontece em 27 de maio, em São Paulo. É um evento que materializa, em um dia, todos estes conceitos essenciais que precisam permear as empresas automotivas e de mobilidade. Um encontro de lideranças, futuras lideranças, pensadores, estudiosos e profissionais visionários.

O objetivo é olhar o hoje e o amanhã, entender para onde vamos e inspirar a criação das soluções mais incríveis. Porque ao juntar pessoas, queremos fomentar grandes negócios – lembrem-se: a revolução é, antes de tudo, humana.

Comentários

  • CamilaFranco

    Artigomuito bom, Paula! Parece simples, mas não podemos esquecer da essência humana a no dia a dia, que muitas vezes nos engole diante de tantas demandas. Muito bem pontuado: "Há mais medo do fim do dia do que do fim do mundo"! Vamos mudar isso e logo - esperamos! :)

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência