Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Victor Silva |

Ver todas as opiniões
Victor Silva

05/11/2019

O caminho do downsizing no Brasil

Motores de três cilindros são tendência no País

O termo downsizing é usado na indústria automotiva quando se promove a redução no número de cilindros ou da cilindrada, mantendo ou até aumentando a potência e o torque do motor com a adoção de tecnologias como turbo, injeção direta, redução da massa e outras soluções de engenharia.

O movimento começou com mais força no Brasil a partir de 2012, junto do Inovar-Auto, e do lançamento do Hyundai HB20, primeiro veículo de alto volume na história recente do Brasil com motor de três cilindros. Após seu lançamento, várias montadoras lançaram veículos equipados com motor de três cilindros, elevando sua participação para 23,1% em 2018, ante 0,4% em 2012. O downsizing pode ser considerado uma solução anterior à hibridização e à eletrificação na busca por veículos mais eficientes.

IMPACTO DAS LEGISLAÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA


Em 2012 entrou em vigor no País o Inovar-Auto, programa de eficiência energética sem precedentes com duração entre 2013 e 2017. As montadoras tiveram de melhorar a eficiência média dos veículos em 12% durante o período de cinco anos, com descontos adicionais de IPI para os fabricantes que excedessem as metas. As montadoras que não as atingissem estariam sujeitas a multas e as que melhorassem 15,4% e 18,8% tinham direito a 1 ou 2 pontos porcentuais, respectivamente, de desconto no IPI.

Com poucas exceções, a maioria das empresas atingiu a meta e dez empresas conseguiram pontos extras no desconto de IPI. Durante esse período, o downsizing se tornou comum no mercado brasileiro com o lançamento de diversos motores de menor cilindrada sobrealimentados com turbo.

Apesar do aumento do número de motores com menos cilindros, a cilindrada média dos veículos vendidos não sofreu grande alteração, caindo de 1,53 litro em 2014 para 1,52 litro em 2018. Isso ocorreu porque os motores que mais perderam participação de mercado foram os 1.4 e 1.6 e o maior crescimento foi justamente de motores 1.5. Soma-se a isso a manutenção da estabilidade do 1.0 nos últimos anos, colaborando para a estabilidade da cilindrada média. Durante esse período, praticamente todas as montadoras substituíram seus motores 1.0 de 4 cilindros por 3 cilindros. Houve também o surgimento de motores tricilíndricos de maior cilindrada.

Esse movimento colaborou para as montadoras atingirem as metas de eficiência ao fim do Inovar-Auto e a tendência é de continuidade nos próximos anos, por causa do atual programa Rota 2030, sucessor do Inovar-Auto, pelo qual os fabricantes precisam continuar melhorando a eficiência energética e alcançar metas estipuladas para 2022, 2027 e 2032, com as mesmas regras de multas e incentivos aplicados no Inovar-Auto.



A Volkswagen, por exemplo, substituiu parte de seu programa de motores EA111 pelo novo EA211, que tem versões com três cilindros, turbo e injeção direta, sendo responsável por mais de 60% dos veículos da marca vendidos no Brasil. Atualmente, 38% dos automóveis VW vendidos no País recebem motores de três cilindros e outros 30% utilizam turbo e injeção direta por causa desse novo programa.

A Ford foi outra que investiu em motores de três cilindros e para 2019 a IHS Markit prevê que 83% de suas vendas tenham motores de três cilindros como consequência dos programas de motores FOX e Dragon.

EM 2030, PREDOMÍNIO DE TRÊS CILINDROS, TURBO E GDI


Para o futuro, a IHS Markit projeta um crescimento da utilização do downsizing como forma de atingir as metas de eficiência energética do Rota 2030, com mais lançamentos de motores menores com turbo e injeção direta. Essas duas tecnologias atualmente são mais comuns em veículos de médio e grande portes. Porém, com a chegada de novos hatchbacks, sedãs e SUVs compactos turboalimentados, essas tecnologias se tornarão mais comuns no futuro.

A IHS Markit prevê que mais da metade dos veículos vendidos no Brasil em 2023 sejam equipados com motores de três cilindros e a participação de turbo e injeção direta deve ultrapassar 50% em 2028. Nesse contexto, a cilindrada média, que se manteve estável durante o período do Inovar-Auto, cairá para 1,33 litro em 2030. Apesar da redução da cilindrada média, o aumento do uso de turbo e da injeção direta vai fazer com que a potência específica (cavalos por litro) e o torque específico (Newton metro por litro) cresçam 31% e 42%, respectivamente, em 2030 quando comparados a 2014.



Victor Silva é analista de powertrain da IHS Markit, consultoria que atua na oferta de informações, análises e soluções críticas para os principais setores e mercados que orientam a economia em todo o mundo. Sediada em Londres, a companhia tem como um de seus pilares o compromisso com o crescimento sustentável e rentável.

Comentários

  • DenisRabenschlag

    Perfeitaobservação de que o downsizing é a solução anterior à hibridização e eletrificação. A realidade brasileira ainda está muito distante da realidade de países ricos e com área menor que o nosso "continente". Não vejo a eletrificação dominar o mercado do nosso país tão rapidamente como pregam alguns especialistas. Novas tecnologias devem ser adequadas à cada realidade para construir um futuro consistente com as necessidades de cada economia.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência