Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Francisco Sarkis |

Ver todas as opiniões
Francisco Sarkis

17/10/2019

Clientes estão mais inovadores que as empresas

Isso ocorre porque, a partir da geração Y, as relações familiares, de escola ou trabalho já estão imersas no digital

Antigamente, quando tínhamos poucas opções de veículos e o consumidor estava acostumado com a oferta de baixa qualidade dos automóveis, era possível manter as coisas do jeito que estavam. O serviço ruim era acompanhado do cliente pacato. Sem poder reagir, ele convivia com descasos pela falta de assistência e de resposta das empresas.

Atualmente, a quantidade de opções de veículos, marcas e modelos é enorme. E é preciso que as empresas saibam lidar com todos os tipos de cliente, inclusive os empoderados. Antes do digital, as empresas se limitavam a receber as reclamações. Os likes, estrelas, cliques e comentários ampliaram a capacidade de diálogo entre as empresas e os consumidores.

A chegada da internet possibilitou outro nível de organização dos consumidores – é possível reclamar, expor, fotografar, fazer vídeo. O poder mudou de lado. Está com o cliente, e descentralizado entre meios de comunicação. Quando o assunto é reclamação, estatísticas apontam que os clientes chegam a utilizar, em média, até oito canais para colocar a boca no trombone.

Eles não se limitam à loja física, tampouco à loja virtual. Percorrem diversos meios como redes sociais, telefone, e-mail ou Reclame Aqui. O cliente procura o canal que resolve. Como geralmente o que resolve é o que dá o maior barulho, muitos vão parar nas redes sociais. No entanto, engana-se quem acredita que o cliente só vai para a web porque foi mal-atendido presencialmente ou pelo telefone.

A partir dos millennials, ou geração Y, pessoas nascidas em meados da década de 90, já temos as relações familiares, de escola ou trabalho imersas no digital. É preciso considerar também as pessoas que se adaptaram, ou seja, mais maduras (com 60 anos ou mais), que enxergam a internet com grande potencial para relacionamentos e negócios.

O digital, então, permite a possibilidade de lidar com o exponencial: qualidade na quantidade e quantidade com qualidade – eliminando a assim a crise da oferta de baixa qualidade – modelo mais compatível com a forma de pensar e agir da nova geração de clientes digitais.

Mas não se engane, a vida do consumidor ainda não ficou mais fácil. A abundância de informação proporcionada pelo digital exige mais checagem de fontes e mais pesquisa antes de comprar. Isso, definitivamente, amplia a responsabilidade do cliente pela qualidade e o cuidado de não cair, por exemplo, em fake news.

Comentários

  • Sheila

    Excelentetexto.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência