Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Fernando Calmon |

Ver todas as opiniões
Fernando Calmon

12/02/2019

Dúvidas eletrizantes

Entre outros fatores, a falta de desejo por carros elétricos, até no primeiro mundo, leva a refletir sobre o tema

Otimismo é a palavra de ordem quando se fala em futuro elétrico para os automóveis. Praticamente todas as fabricantes despejam agora bilhões de dólares em desenvolvimento, apresentam planos de uma linha completa de carros elétricos – dos pequenos, de entrada, até SUVs de vários portes –, alguns países estabelecem prazos para “banir” veículos com motores a combustão, redes de abastecimento de recarga rápida e ultrarrápida vêm sendo instaladas.

No entanto, existem muitos pontos, pouco esclarecidos, que precisam ser considerados. Não se trata aqui de torcer contra ou a favor, defender posições pessimistas, mas apenas uma boa dose de realidade. Deixemos de lado aspectos técnicos negativos e conhecidos como autonomia, peso, volume e tempo de recarga das baterias, rede de reciclagem após oito anos e valor de revenda. Custos de manutenção são baixos, um carro elétrico é fácil de projetar e construir, resolve o problema de emissões locais, mas não totalmente do CO2 e do efeito estufa, pois depende da fonte de geração de energia elétrica.

Entre as dúvidas eletrizantes, com perdão do trocadilho, estão o real desejo do consumidor em migrar do veículo convencional para um alternativo. Autonomia mínima “garantida” entre 400 e 500 quilômetros é uma das exigências. Recarga também. SUVs pesados recém-lançados, com baterias poderosas de 100 kWh, se não tiverem pontos de abastecimento ultrarrápidos por todos os lados, exigirão três dias e meio em tomadas comuns de 110 volts ou metade deste tempo com 220 V.

O preço é outro problema e talvez o mais sensível. Em recente pesquisa da McKinsey com consumidores da China, Alemanha e Estados Unidos, 60% responderam que não pagariam um valor extra por um automóvel elétrico. Neste grupo mais exigente, metade afirmou interesse apenas se os elétricos fossem mais baratos que os convencionais.

No site inglês Confused.com, de seguros automobilísticos, 59% dos pesquisados apontaram alto preço como fator mais desencorajador para opção elétrica. Mais de uma resposta era possível: 61% reclamaram da demora para recarregar e 72%, da rede pequena de estações.

A pesquisa mais recente da J.D. Power, com compradores de veículos na Alemanha, mostrou certa apatia em relação ao interesse por elétricos. De modo geral, 74% dizem considerar no futuro a compra de um elétrico a bateria ou por pilha a hidrogênio, híbrido ou híbrido plugável. Vinte e seis por cento dos alemães, 60% dos americanos e apenas 4% dos chineses (incluídos na pesquisa) descartam essa possibilidade à frente.

Entretanto, impressionou à empresa pesquisadora o fato de o número de interessados ter parado de crescer na Alemanha, país com forte viés ambientalista e apesar de enorme publicidade espontânea em torno do assunto, que não sai de evidência na mídia e na cabeça dos políticos.

No fim do relatório, destacou: “Consumidores céticos não compram tanto quanto aqueles que acreditam em um produto ou em sua proposta. Fabricantes têm um desafio ainda maior do que simplesmente construir os melhores veículos elétricos.” A conclusão é que não basta ter oferta abundante se a procura permanece discreta ou hesitante.

ALTA RODA


ANTONIO FILOSA, presidente da FCA para a América Latina, confirmou que a picape média Ram 1500, produzida nos Estados Unidos, chegará ao Brasil no fim do terceiro semestre deste ano. Empresa ainda não decidiu se será fabricada, mais adiante, aqui ou no México (de onde viria sem imposto de importação). Já o SUV italiano 500X depende da cotação do euro para definição de volumes.

GRANDE aposta da marca Fiat é o novo SUV na fábrica de Betim (MG) em 2021, enquanto a Jeep terá versão de sete lugares do Compass, em Goiana (PE). Filosa confia na virada econômica nos próximos anos. “Acredito que o Governo Federal deverá tirar a "bola de ferro" dos pés dos empresários para aumentar a competividade. Nunca sairemos do Brasil”, acrescentou Filosa.

FORTE queda das exportações para a Argentina (que em geral responde por 70% do total) derrubou a produção no Brasil em 10%, quando comparados janeiro de 2019 e de 2018. VW, por exemplo, não enviou nenhum veículo para lá por mais de três meses. Anfavea admite que sua previsão negativa, para o mercado externo este ano, poderá ser revista para números ainda menores.

MERCEDES-AMG A35 4M (306 cv; tração integral) chega em breve: foi apresentado em evento social em São Paulo (SP). Britta Seeger, diretora mundial de vendas e marketing, confirmou que toda a linha da marca, inclusive híbridos plugáveis, estará disponível aqui se houver demanda sustentável. Estão previstos 20 lançamentos no Brasil, este ano, entre carros novos e versões.

LISTA das marcas automobilísticas centenárias cresce este ano com Bentley e Citroën. As demais: Alfa Romeo, Aston Martin, Audi, BMW, Buick, Cadillac, Chevrolet, Daihatsu, Dodge, Fiat, Ford, Lancia, Morgan, Mercedes-Benz, Mitsubishi, Opel, Peugeot, Renault, Rolls-Royce, Skoda e Vauxhall. Maserati tem 100 anos, mas produz autos há 80. Algumas pararam por períodos (Aston Martin, Audi, Bentley e Morgan).

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência