Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Zilveti Advogados |

Ver todas as opiniões
Zilveti Advogados

27/02/2018

É o fim da insegurança para firmar acordos de leniência no Brasil?

MPF, AGU, CGU e TCU firmam acordo de cooperação para negociar juntos as tratativas com as empresas

Por Raphael Matos Valentim e Caue Batista de Oliveira, respectivamente coordenador e associado da equipe de compliance do Zilveti Advogados

Que o compliance é um caminho sem volta e está cada vez mais inserido no dia-a-dia das empresas brasileiras é indiscutível. Contudo, grande parcela do mundo corporativo ainda tem muitas dúvidas e inseguranças em relação à decisão de colaborar com as autoridades brasileiras através de um acordo de leniência.

Em primeiro lugar, o acordo de leniência é um instrumento legal firmado entre a empresa infratora e a autoridade competente, para que a primeira colabore com as investigações de modo a permitir a indicação de outros envolvidos e outras infrações, além de se comprometer a cessar a prática delituosa e reparar o dano causado e, em troca, a empresa sofrerá sanções mais brandas.

No entanto, apesar de parecer simples e benéfico para as companhias, é compreensível o motivo pelo qual empresas do setor automotivo ainda têm muito receio de firmar este acordo.

Isto porque, por falta de clareza na legislação em relação às competências de fiscalizar e punir de cada órgão, o Ministério Público Federal (MPF), a Advocacia-Geral da União (AGU), Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) não definem conjuntamente os termos de um possível acordo de leniência. Tal é o desajuste que foi noticiado, recentemente, que o TCU não quer deixar de fiscalizar os acordos firmados pela CGU e AGU, e o Ministério Público Federal, por sua vez, não admite que o TCU analise seus acordos.

Esse cenário gera situações inusitadas, que despertam a atenção das empresas que tem interesse em negociar. É o caso da SBM Offshore que após meses de negociação com a AGU e a CGU para firmar um acordo conjunto, no qual se comprometeu a pagar cerca de R$ 1,2 bilhão, foi notificada que o MPF ingressou com uma ação de improbidade administrativa contra a empresa pelos mesmos atos que foram discutidos no acordo.

Cientes que fatos como este contribuem para aumentar a insegurança jurídica e diminuir o papel colaborativo das empresas, as autoridades máximas do MPF, AGU, CGU e TCU decidiram firmar um acordo de cooperação para que integrantes de todos estes órgãos se reúnam nas mesas de negociação dos acordos desde o início das tratativas com as empresas.

De acordo com os termos da cooperação, que estão em fase final de discussão, a negociação será realizada em conjunto e, ao final, serão firmados “acordos-espelho”, ou seja, a empresa investigada e o MPF vão assinar um acordo e ao mesmo tempo, outros idênticos serão assinados com a CGU e a AGU.

Este modelo já é adotado em outras jurisdições. Nos Estados Unidos, os acordos de leniência firmados com o Department of Justice (DOJ), por exemplo, chegam a mencionar os valores que serão pagos a título de multa para a Securities and Exchange Comission (SEC), de modo a justificar o valor das multas aplicadas pelo próprio DOJ, demonstrando que os órgãos conduzem as negociações de forma conjunta e coesa na aplicação de sanções.

No Brasil, apesar de, no momento, esta cooperação ser “caso a caso”, isto é, não foi editada nenhuma lei, portaria ou instrução normativa que esclareça as regras, espera-se que as empresas tenham maior segurança na hora de colaborar com as autoridades, garantindo agilidade às negociações, que poderão ressarcir valores ao erário brasileiro com maior rapidez.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência