ANÁLISE

DE CARRO POR AÍ

Nova picape GM e mais


Empresa monta novos planos para mercados emergentes


A GM acabou de delinear novo plano para mercados em desenvolvimento – os com maior expectativa de expansão e lucros: Índia, Sudeste Asiático, América Latina.

É projeto de sobrevivência para a GM, criando uma nova picape e muito mais. Internamente chamam-na GEM 2, indicando utilizar plataforma global para mercados emergentes, como era plano da companhia. Também faz parte da estratégia a entrada da chinesa SAIC nos negócios, através de joint-venture, em associação para atuar no mercado indiano. Incentivos e facilidades são oferecidos pelo governo indiano para tornar seu mercado o terceiro do mundo em quatro anos.

A GM decidira sair da Índia após pífia participação no mercado, e a associação permitirá produzir para exportar, em especial para México e América do Sul. Operação de valor impreciso, nele agregado o US$ 1B anunciado em 2016 para expandir a operação indiana.

Coreia é outra base de produção da nova picape– exportando para EUA, Sudeste Ásia, Austrália e Paquistão. Na América Latina o Brasil a fará para consumo interno e exportação continental.

Nova plataforma supera os projetos E-Car e Ambar, para substituir os carros de base na América Latina, e a sociedade com os chineses, com produção na China e Índia, busca reduzir custos, criar sinergia, economia de escala, fornecedores e processos de marketing e pós-venda.

Na América Latina, mudará o atual leque de produtos – Prisma, Onix, Sonic, Cobalt, Spin, um utilitário esportivo, e a novidade de uma picape. A operação GM/SAIC pelo projeto GEM 2 quer vender 2 milhões de unidades/ano.

O que vem
No Brasil a GM produzirá a nova picape entre a atual Montana e a linha maior, S10. Morfologia focará os participantes do novo segmento, Renault Oroch e a líder Fiat Toro, a mais vendida do país. A nova GM, com chegada prevista ao final de 2019, terá tração dianteira e opção 4x4. Dado importante, pelo projeto Brasil também fará nova família de motores de três cilindros, versões aspirada e turbo.

MERCEDES AJUSTA GLA PARA CRESCER VENDAS


Mercedes GLA

Nas modificações em sua linha de caminhões, empresa resume: “As estradas falam, a Mercedes-Benz ouve”. No caso dos automóveis feitos no Brasil, C e GLA, caminho assemelhado: “Mercado fala, Mercedes ouve”. Daí, para aproveitar previsão de aumento de consumo, Mercedes ajusta o GLA para crescer vendas. Automóvel feito em Iracemápolis, SP, ao lado do Classe C, sofreu pequenos ajustes em seus pontos de relevo, como o design frontal enfatizando o caráter de robustez do modelo.

Nova grade com aberturas retangulares, inspirada no GLS, maior da marca, novos para-choques com tomadas para refrigeração, suspensão antes adotada na versão 250 elevou a altura livre do solo em 30 mm sugerindo visual offroad. No grupo óptico buscou-se eficiência pela substituição dos faróis a xênon por outros com iluminação em LEDs. Na traseira, novo para-choques, e grandes lanternas com tecnologia Stardust, aproveitada dos automóveis Classe E.

Trato interno, nova tela delgada, instrumentação com ponteiros vermelhos, itens cromados, novos botões.

Mecanicamente, mantido o motor 1.600 cm3,156 cv, 250 Nm, Flex nas versões 200. Na 250, cilindrada maior, 2.000 cm3, 211 cv, 350 Nm, e topo da linha, o AMG 45 Matic exuda 381 cv e 475 Nm, pelo motor dois litros mais potente do mundo. Para mantê-lo no solo, tratamento de suspensão, freios e direção pela AMG. Em todos o câmbio de duas embreagens e 7 marchas.

Muita eletrônica pró-segurança: assistente de curvas; detector de sono; luzes de freio piscando em pulsos nas frenagens de emergência; sistemas Hold para facilitar saídas em subida; de pré-carregamento dos freios em caso de chuva; o estacionador automático sem acionar o volante.

Já à venda. Versão com o mínimo a esperar num Mercedes é a Advance.

Quanto custa o GLA
• 200ffStyle – R$ 158.900
• 200ffAdvance – R$ 175.900
• 200ffEnduro– R$ 203.900
• 250Sport – R$ 232.900
• Mercedes-AMG GLA 45 4MATIC – 359.900

ZERO-KM. QUAL O MELHOR FINANCIAMENTO?

Se você quer financiar a compra de seu novo veículo leve zero-km, uma observação da associação de compradores Proteste será do seu interesse. Qual o melhor financiamento para o zero-km? Talvez após fazer contas e comparações você saberá a melhor escolha e, ante possível economia, se pode buscar produto superior. Um estudo de campo em praças e bancos diferentes, indicou diferenças de até R$ 4.500 nos juros de financiamentos sobre veículos ditos populares. A Proteste lista alguns cuidados:

Medida própria – Antes da compra, simule: quanto o custo da prestação influirá no seu orçamento? E o custo operacional, o combustível, as revisões, os impostos, seguro, estacionamentos? Que valor você pode suportar sem sacrifícios?

Entrada maior – Quanto mais elevado o porcentual pago à vista, maiores as facilidades para negociar o saldo com descontos nas parcelas. Se você for financiar diretamente no seu banco, sem a intermediação do concessionário, quando o valor for depositado em sua conta, pesquise e vá ao revendedor para negociar redução de preço e pagá-lo à vista.

Taxa Zero – Desconfie de tal oferta. É inexistente, e os custos com certeza estarão embutidos em algum lugar desconhecido – como o preço sem desconto.

Confira o CET – Sigla significa Custo Efetivo Total. Despreze a informação do porcentual da taxa de juros, calcule o valor da prestação em diferentes bancos. Pode variar muitíssimo e é a sua referência para chegar ao valor das prestações. O CET é fator fundamental para aumentar ou reduzir o custo das prestações.

RODA-A-RODA

De volta – Em terceira tentativa a marca coreana SsangYong voltará ao Brasil. Desta vez representada pela JLJ, empresa da cidade de Salto, SP, responsável pela vinda das chinesas Chery – depois assumida pela controladora – e Rely.

Breve – Atuação deverá ser divulgada em setembro, e desta vez o leque de produtos, anteriormente dedicados a picapes e utilitários esportivo, será reduzido. Iniciará com utilitário esportivo Tivoli.


Tivoli marcará retorno SsangYong ao Brasil

Turma – 4,19m de comprimento, motor 1,6 litro, produz 127 cv e torque de 160 Nm, câmbio manual ou automático, seis velocidades. Dimensões cuidadas, pouco menor ante o recém apresentado JAC T 40, Ford EcoSport... Mais um no pululante segmento de utilitários esportivos.

E? – Vendas em 2018, quando do vigor de nova regra para o setor, a Rota 2030. Por ela o setor poderá importar sem o inexplicável ônus de 30 pontos percentuais calculados sobre o IPI.

Mercado – Sem adicional de imposto não se espere um galope de vendas de carros importados. Porta voz da Kia, maior no setor, é contido no pensar. Avalia, o primeiro ano será de suave crescimento.

Negócio – Com a assinatura de termo comercial entre a Colômbia e o Mercosul, Toyota Brasil iniciará exportar para o vizinho. Por enquanto Corollas brasileiros, substituindo os automóveis exportados pelos EUA. De ora em diante o abastecimento do mercado será feito pela Toyota do Brasil, parte do projeto da expansão regional da marca pelo continente.

Efeito Ônix – Avaliação informal quanto a conectividade ser pilar principal da liderança de vendas pelo Chevrolet Ônix instou Ford em aplicar a central multimídia SYNC3 em tela de 17 cm na linha 2017 do Fiesta Sedan. Curiosamente, modelo 2017.

Mais – Motores Sigma L4 1,6 litro, 128 cv, transmissão mecânica de cinco velocidades ou a problemática Powershift. Versão de entrada SEL a R$ 66.500 inclui ar digital, direção elétrica, rodas 15”em liga leve, alarme volumétrico, sensor de ré, controle eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa e computador de bordo – sem o SYNC 3.

Exceção – Fiat retirou motor 1,6 litro do Grand Siena e padronizou aplicação de 1,4 litro. Criou exceção: motor maior mantém-se nos carros destinados a taxi.

De volta – Mesma marca, depois de fazer razia na lista de produtos, deixando vagos e ociosos os salões dos revendedores – e estes insatisfeitos pela falta de variedade de modelos – fará experiência com o pequeno 500.

Teste – Reinicia importá-lo do México, portando pequenas mudanças nos para-choques apenas para caracterizar nova série. Versão básica: motor 1.4 sem cabeçote Multi Air, e sem transmissão automatizada Dualogic. Revendedores dizem preço em torno de R$ 55 mil. Encomenda inicial é de 400 unidades para sentir mercado.

Revisão – Yamaha reedita sua motoneta NMAX 160: novas cores e itens diferenciativos como o sistema de variação na abertura de válvulas, freios a disco nas duas rodas, instrumentação digital. Preço? R$ 11.700 + frete.

Frustração – Colecionadores de Dodges estão frustrados. A maior representante midiática da marca, a futura PGR Raquel Dodge, com a visita noturna e soturna ao presidente da República, ao repetir Joesley Batista, já começou falhando no ato e engasgando na explicação.

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: