ANÁLISE

AUTOINFORME

Como se comportaram as 25 marcas mais vendidas


Um retrato do mercado brasileiro no primeiro semestre


O mercado de veículos está em baixa. O pequeno crescimento (+4,2%) no primeiro semestre não serviu nem para animar os fabricantes, até porque a sinalização dada na primeira quinzena deste mês (leia aqui) mostra que julho não dará continuidade nem mesmo a esse inexpressivo avanço. Mas isso não quer dizer que a situação é ruim para todo mundo. Se algumas montadoras tiveram aumentos expressivos, outras estão despencando pela tabela. Quer dizer: a crise, por si só, não é a única responsável pelo mau resultado do setor. Fatores de âmbito particular foram determinantes para o desempenho de cada marca neste primeiro semestre.

E as diferenças de desempenho são grandes. Enquanto marcas como Jeep (+53,5%) e Nissan (+38,2%) tiveram crescimentos excepcionais, outras, como Lifan (-32,2%) e Audi (-24,2%), perderam feio em comparação com o primeiro semestre de 2016. As razões dessas diferenças são muitas: atualização (ou desatualizarão) da linha, lançamentos, investimento em publicidade e promoções de venda (ou a falta deles), limitação de cotas no caso dos importados, entre outros motivos.

Apenas oito marcas venderam acima da média do mercado este ano. Além da Jeep e da Nissan, vale destacar as duas principais chinesas, JAC e Chery, que vinham de quedas bruscas nos anos anteriores e que se revigoram este ano, embora ambas com volumes insignificantes em relação aos que obtiveram em períodos anteriores: a JAC foi a terceira marca que mais cresceu este ano, aumento de 17,9%, mas com apenas 1.654 carros vendidos. Com 1.241 unidades a Chery cresceu 9,5%.

Suzuki, Ford e GM tiveram aumentos acima de 10% (veja quadro abaixo), enquanto a Renault aumentou as vendas em 5,1%. O desempeno da GM foi excepcional: além de manter uma folgada liderança, a montadora vendeu 175.824 unidades no período.

Honda, Toyota e Mercedes-Benz cresceram em relação ao ano passado, mas com índices abaixo da média.

Ao contrário das outras duas chinesas, a Lifan foi a marca que mais perdeu: vendeu 32,2% a menos. Com exceção da Mercedes-Benz, as luxuosas (ao contrário do ano passado, quando tiverem bom desempenho), apresentaram quedas bruscas: a Audi perdeu 24,2%; a BMW e a Land Rover 19,2%. A Kia também sofreu: - 21,2%.

Das grandes, Volkswagen (-1,4%) e Fiat (-6,1%) sequer acompanharam o mercado, enquanto as irmãs francesas continuam caindo: a Citroën perdeu 10,2% e a Peugeot 9,9%.

A Agência Autoinforme fez análise individual do comportamento cada uma das 25 marcas mais vendidas no primeiro semestre. Para acessar o texto basta clicar na marca abaixo:

Audi; • BMW; • Chery; • Citroën; • Fiat; • Ford; • GM; • Honda; • Hyundai; • Iveco; • JAC; • Jeep; • Kia; • Land Rover; • Lifan; • Mercedes-Benz; • Mitsubishi; • Nissan; • Peugeot; • Renault; • Suzuki; • Toyota; • Troller; • Volkswagen; • Volvo



_______________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários: 1
 

CARLOS ALBERTO GIUBERTI
28/07/2017 | 14h57
Boa tarde. se carga tributaria e mesma para todas, não teria duvida do mercado. eu acredito na Fiat e Vw

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: