ANÁLISE

Tecnologia

A transformação digital da cadeia automotiva no Brasil


Novo cenário impacta os produtos, a relação com o consumidor e os meios de produção


Frost & Sullivan
Por Thales Jurado, analista de indústria e mobilidade da Frost & Sullivan

O mundo passa por uma era de informação, conectividade e convergência, que acontece de forma rápida e eficiente. O momento de inovação se traduz em novas tecnologias, sistemas de informação, análise de dados e crescente convergência entre diversas indústrias. Dentro do universo automotivo não é diferente. O foco vai cada vez mais além do produto tradicional, se movendo para a oferta de serviços com a inclusão de recursos e tecnologias de última geração. Entre os exemplos estão Auto IoT (Internet das Coisas) com abrangência sobre longas séries de dados, cibersegurança, inteligência artificial, aprendizagem automática, realidade aumentada e condução autônoma. Todos estes avanços têm papel fundamental no posicionamento do conceito “car as a service” (CaaS). Análises de big data, internet das coisas, embeded chips e outras tecnologias conquistam espaço em um setor dominado pelos tradicionais motores a combustão.

Além disso, vemos a nova geração utilizando massivamente essas tecnologias. São pessoas que nasceram em um mundo totalmente digital e conectado em que o acesso à informação está a um clique de distância. Grande parte dos materiais e pontos de interesse são facilmente baixados da internet. O acesso a vastas bases de informações está permitindo conhecimento mais amplo do cliente e dos produtos e serviços automotivos. Além disso, esta geração digital também garante a oferta de soluções digitais e mais conectadas nos veículos do futuro. Frequentemente os jovens são ainda mais bem informados sobre os carros do que os próprios vendedores.

Com este cenário, a Frost & Sullivan define a transformação digital do mercado automotivo em 5 pilares chave:

_________________

CADEIA PRODUTIVA CONECTADA
A linha de produção dentro da metodologia empurrada é um ponto de atenção para todas as montadoras de carros no mundo. A eficiência é de suma importância para a melhoria de margens de operação. Com isso, a comunicação e orquestramento entre as OEM’s e seus fornecedores é chave para melhorias. Diversos componentes precisam ser entregues por fornecedores nas linhas de produção em modelos just in time ou just in sequence, sem excessos ou números inferiores ao necessário.

Com isso, a cadeia produtiva interligada consegue ter um estoque conectado que facilita seu gerenciamento, inteligência embarcada que fortalece o monitoramento das partes, possibilidade de trackear os produtos, sensores mais precisos e um supply chain interligado.

Todas essas novas tecnologias visam aumentar e eficiência das marcas na sua produção de veículos. Para que essa inovação realmente funcione no futuro é necessário transparência, comunicação, colaboração, flexibilidade e responsividade em toda a cadeia automotiva de suprimentos. É isso que vai garantir melhoria na produtividade, com o ritmo da fábrica norteado pela demanda e aumento da qualidade dos produtos.

MANUFATURA AUTOMOTIVA 4.0
A Internet industrial das coisas (IIoT) e a análise de dados estão digitalizando a fabricação, o que vai permitir inovar e promover a personalização. O panorama é de novas posibilidades de peso, o avanço da propulsão elétrica e a chegada definitiva condução autônoma. O desafio é establecer a produção eficiente puxada pela demanda ao combinar a evolução de tecnologias de ponta e recursos de infraestrutura de fabricação tradicional. Para alavancar a flexibilidade e a produção em escala, a digitalização da infraestrutura de fabricação é esencial, combinada com a integração entre os elos.

A manufatura automotiva 4.0 é uma nova forma de integrar a cadeia para garantir maior flexibilidade, customização, segurança e qualidade. Em suma, é uma maneira de produzir veículos a partir de sistemas inteligentes e recursos de big data que minam os sistemas com informações relevantes para a tomada de decisões precisa e com maior eficiêcia de custos. Esses sistemas podem aumentar a capacidade de personalização da produção sem aumento proporcional dos custos.

CARRO CONECTADO
Um dos principais impactos dos carros conectados é a grande quantidade de dados que gerados em tempo real. Aproveitar estas informações pode trazer mudanças revolucionárias para a indústria automotiva. Além disso, a reticulação desses dados dos veículos com dados de outros pilares de digitalização, como o varejo, a fabricação e a mobilidade, oferecerá forte proposta comercial para novas vias de geração de receita, monetização de dados e oferta de serviços de valor agregado.

Sistemas big data conseguem acumular informações, parâmetros, comportamentos e realizar análises de frequência preditivas e de segurança. Um excelente exemplo disso é a oferta de serviços de segurança e rastreamento de veículos pelas companhias de seguros. Essas soluções podem abastecer uma base de dados. Os hábitos e formas de condução dos motoristas vão nortear o preço do seguro. Em situações de emergência a seguradora poderá ainda atuar ativamente como suporte para oferecer segurança. A Frost & Sullivan ainda espera que o mercado de reposição seja tremendamente impactado com o avanço destas tecnologias. Empresas terão a possibilidade de identificar os problemas reais dos veículos, fazer diagnóstico remoto, agendar horário de atendimento na concessionária, entrar em contato com mecânicos e esclarecer dúvida. Os serviços on demand vão se desenvolver a partir de uma tela touch screen.

O carro conectado pode ainda agregar valor para o produto e presentar a vida do motorista com praticidade e facilidade no dia-a-dia. Além de monitorar a vida e a qualidade do automóvel, a tecnologia poderá ainda conectá-lo a serviços de concierge, emmergence call e outros carros na mesma via. Com isso, a condução tende a virar algo mais seguro, prático e intuitivo.

NOVO VAREJO
O processo de compra e o ciclo de vida do veículo serão fortemente impactados. Como resultado de mudanças no processo de varejo, modelos de negócios mais novos estão transformando a estrutura automotiva tradicional com novos produtos, serviços e soluções mais personalizados para as diversas necessidades dos clientes. O varejo do veículo passa a ficar mais ligado ao gerenciamento do relacionamento com o cliente. A cadeia de valor começa a se questionar sobre como criar relacionamentos recorrentes e duradouros com seu consumidor. Isso pode levar ao reposicionamento de concessionárias no futuro.

Nas vendas de veículos, o movimento para novos formatos de varejo ficou evidente no Brasil. Lojas pop-up, conceito e emblemáticas ganham espaço, como o centro Hyundai Experience na Av. Sumaré (São Paulo) e a casa de show estruturada para o lançamento da Captur da Renault em Oscar Freire. A influência e o impacto da internet também estão mostrando quão importante é se conectar com os consumidores do futuro no início do ciclo de vida da compra. Projetos piloto em concessionarios virtuais são exemplos disso.

Entretando, no curto prazo, a Frost & Sullivan acredita que grande parte das compras ainda serão realizados após o contato com o produto em concessionárias, sendo um importante fator influenciador no ciclo de vendas. Porém, a experiência do cliente com a marca e o modelo será intensa e realizada a partir das capacidades do mundo digital.

Tomando essa ideia de novos modelos de varejo para o mercado de reposição, as lojas virtuais online e os mercados automotivos são vistos como tendências-chave no Brasil. Uma série de empresas que oferecem peças e serviços de veículos sob demanda estão atualmente reorganizando a estrutura do mercado automotivo.

MOBILIDADE COMO SERVIÇO
Novos modelos de negócios de mobilidade surgem com o objetivo de otimizar os recursos e oferecer conectividade completa de última geração. Ao longo dos últimos quatro anos, o Brasil experimentou, especialmente nas cidades maiores, mudança para uma melhor mobilidade. Novos modelos em eHailing, compartilhamento de bicicletas, compartilhamento de viagem e mobilidade integrada têm aumentado. O Mobility-as-a-Service (MaaS) é um pilar-chave da cadeia de valor automotiva com a criação de novos padrões de mobilidade.

A cadeia automotiva é desafiada a criar novos produtos e serviços mais flexíveis, ágeis, e centrados no cliente. Muitas dessas inovações complementam a mobilidade entre o transporte público e a propriedade de automóveis particulares, criando várias oportunidades. Essas soluções estão se tornando uma alternativa adicional à mobilidade diária. Embora, em alguns casos, complementem a propriedade do veículo. Sinal de substituição da propriedade também são percebidos em algumas regiões.

_________________

Os paradigmas do mundo estão em rápida transformação, distante de estruturas tradicinais. Hoje temos gerações que são mais conectadas e aptas às novas tecnologias e querem soluções mais customizadas, on-demand e em tempo real. Há pressão por mudança dentro dos mercados mais tradicionais que, pouco a pouco, aderem a soluções digitais. A internet como grande tendência das últimas décadas está reformulado a maneira de viver, produzir, relacionar-se e até vender.

A Frost & Sullivan acredita que, cada vez mais, grandes empresas terão suas lideranças focadas no mundo digital. Tudo isso para que algoritmos, “next generation production”, modelos preditivos sejam melhor instalados por toda a cadeia automotiva. Além disso, análises de big data, industria 4.0, IoT e cibersegurança serão assuntos cada vez mais comuns em diversos modelos de negócio. Por fim, parcerias com fornecedores e outros stakeholders dentro da produção serão chave para melhor eficiência na produção e incremento dos resultados fiscais. A indústria automotiva, influenciada pela digitalização, nunca na história esteve tão perto do consumidor como hoje. Este espaço entre o cliente e empresa será cada vez menor no futuro.

Para mais informações sobre esta análise, entre em contato com o time da Frost & Sullivan na América Latina pelo e-mail francesca.valente@frost.com.

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: