ANÁLISE

AUTOINFORME

Líder, GM depende da família Onix


Marca cresce quase 10% em ano de mercado estável


A General Motors não apenas mantém a liderança folgada no ranking de vendas, mas é também uma das marcas que mais crescem este ano. Com 142.216 unidades emplacadas, a empresa obteve 17,7% de participação e teve um crescimento de 9,9% em relação ao período janeiro-maio do ano passado, num período em que o mercado de carros e comerciais leves cresceu apenas 2,2%. A GM mostrou a força do seu campeão de vendas, o Onix, que mesmo tendo levado nota zero em teste de segurança, deu a volta por cima, aumentou as vendas e fechou o período na mais absoluta liderança.

O comportamento nestes cinco meses indica que a GM deverá repetir este ano a liderança de mercado conquistada em 2016, assim como o Onix deverá repetir a condição de líder por modelo.

A montadora, no entanto, sofre da dependência de apenas dois modelos: o Onix sozinho vendeu 68.321, quase a metade do volume total da montadora (142.216). Já a família Onix/Prisma é responsável por nada menos do que 65,3% das vendas totais da GM no Brasil.

Embora a maioria dos modelos da marca tenha aumentado as vendas este ano, o volume total, fora da família Onix, é de 49,3 mil unidades, num total de nove modelos: Spin (+12,6% e 9.121 unidades), S10 (+29,4% e 10.787), Montana, Cruze, Cruze hatch, Cobalt, Captiva, Tracker, Camaro e Trailbrazer.

O balanço mostra também a recuperação da Ford, que no ano passado perdeu o quarto lugar no ranking. A marca apresentou um extraordinário crescimento este ano, nada menos que 13,4%, superando por apenas 318 unidades a coreana Hyundai, ambas com 9,4% de participação.

As outras duas marcas tradicionais, Fiat e Volkswagen, venderam este ano menos do que nos cinco primeiros meses do ano passado: a alemã perdeu 3,6% e a italiana 9,5%, mas ambas mantiveram suas posições no ranking: a Fiat em segundo e a Volkswagen em terceiro lugar.

Toyota (+ 2,4%) e Renault (+ 4,1%) também aumentaram as vendas este ano, ligeiramente acima do índice do mercado, enquanto a Honda cresceu, mas ficou abaixo da média (+ 1,5%).

Já a Jeep dobrou o volume de vendas em relação aos cinco meses de 2016, e a Nissan também teve crescimento expressivo: + 38,7%.

Esse foi o comportamento das dez marcas mais vendidas no Brasil este ano. Na lista da 11ª à 30ª, apenas mais cinco apresentaram aumento de vendas, sendo quatro delas de superluxo: Jaguar, Porsche e Lexus, além de Suzuki e JAC.

Veja na tabela abaixo a posição de cada uma das 30 marcas mais vendidas no ranking dos cinco primeiros meses do ano e a evolução porcentual em relação ao mesmo período do ano passado:



QUINZENA FRACA

Com 83.187 unidades emplacadas em 11 dias úteis, o mercado de carros fechou a primeira quinzena de maio com queda de vendas, sinal de que o crescimento no mês passado não foi consistente. Foram vendidos 3,6% a menos e a venda diária voltou ao patamar das 7 mil unidades: 7.836 carros/dia.

LUZ DIURNA SERÁ OBRIGATÓRIA

A lei que obriga o motorista acender o farol durante o dia nas rodovias acabou levando o Denatran, Departamento Nacional de Trânsito, a determinar a instalação de “luzes diurnas de rodagem” (DLR) em todos os projetos novos de veículos a partir de 2021: os carros atuais devem ter o equipamento a partir de 2023, mas se uma montadora lançar um modelo novo em 2021, ele já tem que vir com o equipamento. O equipamento é de LED e deve ser ligado automaticamente quando for dada a partida no carro, de modo que não haverá problema de o motorista esquecer de acender o farol.

UM LUBRIFICANTE PARA VUC

O VUC é a alternativa à restrição de circulação de caminhões em zonas centrais nas cidades, por isso o segmento vem crescendo e já começam a surgir produtos específicos para eles. É o caso de um óleo desenvolvido pela Mobil e recomendado a veículos que trabalham em condições severas: velocidade reduzida, rodando o dia todo, desligando e ligando o motor toda hora. O novo óleo faz uma rápida lubrificação em todas as partes do motor, o que contribui para reduzir os danos no veículo.

KOMBI, DE ONDE VEM ESSE NOME?

O nome Kombi é uma abreviação, adotada no Brasil, para o termo em alemão Kombi- nations- fahrzeug, que significa “veículo combinado”, ou “combinação do espaço para carga e passageiros”. A pronúncia é combinacionfairzoiga.

MAIS CICLOVIAS, MAIS BICICLETAS

Existem hoje no Brasil mais de 60 milhões de bicicletas e diversos municípios do País despertaram para essa tendência apenas nos últimos anos. Entre 2014 e 2017, a malha cicloviária praticamente dobrou nas capitais de estados, de 1,4 mil km para 3 mil km. Ciclofaixas e ciclorotas correspondem hoje a quase 3% da malha viária total dos municípios.

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: