ANÁLISE

ALTA RODA

Mudar ou desaparecer


Pesquisa revela 5 grandes desafios que fabricantes terão de superar


Que a indústria automobilística mundial terá de se reinventar nas próximas duas décadas ninguém mais duvida. Alguns especialistas acreditam em prazo ainda mais curto – talvez dez anos – para mudanças profundas em direção à mobilidade diversificada e onipresente. A consolidação, porém, seria gradual e irreversível porque certamente a produção tende a se acomodar não muito acima de 120 milhões de veículos/ano (hoje em torno de 85 milhões).

Uma das pesquisas interessantes sobre esse futuro foi publicada recentemente pela consultoria inglesa Ernst & Young (EY). Traça um quadro sobre barreiras a superar em mercados cada vez mais integrados e compartilhados. EY identificou cinco desafios que os fabricantes devem superar. Em resumo, os seguintes:

1. Inovação - Apesar de a indústria acumular histórico de aperfeiçoamentos e de os veículos de hoje serem muito avançados, poucas companhias demonstram abordagem sólida para desenvolver e avaliar novas ideias. Portanto, há necessidade de maneiras verdadeiramente disruptivas para revolucionar o próprio negócio.

2. Conectividade - Necessário ver os consumidores como indivíduos para quem experiências, produtos e serviços devem ser personalizados. Esse tema é crítico, principalmente para as novas gerações que se acostumaram com serviços móveis e sob demanda. Fundamental aprofundar o relacionamento contínuo com os consumidores. Após a venda, interações com clientes são infrequentes, impessoais e, em muitos casos, gerenciadas apenas pelas concessionárias.

Em contrapartida, potenciais operadores no mercado e os principais fornecedores de transporte compartilhado se beneficiam de uma ligação muito mais estreita com clientes, por meio de avaliações diretas e respostas pessoais nos aplicativos e nas redes sociais. Como a escolha dos consumidores está cada vez mais baseada nas suas experiências, a conectividade entre empresas e consumidores será a chave para o sucesso. Por isso, é prudente a indústria melhorar drasticamente a capacidade de interação e de oferecer novos serviços.

3. Colaboração externa - Por décadas houve relação muito rígida entre mercado e parceiros. A nova indústria de mobilidade, porém, requer trabalho de colaboração mais amplo, envolvendo todo o ecossistema. Apesar de motivações e objetivos diferentes, todas as engrenagens desse universo devem compartilhar experiências e informações, a fim de oferecer serviços focados e personalizados aos clientes.

4. Novos talentos - A indústria automobilística sempre buscou os melhores engenheiros do mercado, porém a aposta agora é em inteligência artificial e cientistas de dados. Organogramas tradicionais e modelos de compensação e incentivos impedem as empresas de atrair e reter o talento necessário para inovar e sustentar um negócio disruptivo. Pesquisa com jovens profissionais de tecnologia e startups apontou que eles não enxergam o mercado de veículos como inovador.

5. Modelos operacionais desatualizados - As grandes companhias preferem alavancar seus antigos processos operacionais e sistemas em vez de investir em novas formas de executar essas ações.

Então, está na hora de mudar.

RODA VIVA

LANÇAMENTO do Citroën Cactus, importado da França, semana passada na Argentina. Estratégia estranha, pois o carro será produzido no Brasil (início de 2018) e sairá mais barato, sem imposto de importação, para os argentinos. Já a VW prepara prévia de imprensa do novo Polo, na Alemanha, em meados de junho. Para o público alemão em agosto e no Brasil, setembro.

SINDIPEÇAS confirma que frota brasileira de veículos leves e comerciais estagnou em 42,8 milhões de veículos, em 2016, apenas 0,7% acima de 2015. Há ainda 14 milhões de motocicletas. Este ano, muito provavelmente, frota total começará a encolher, como ocorreu nos EUA, após a crise financeira de 2008/2009. Outro aspecto ruim: envelhecimento da idade média dos veículos.

CARROS da Mini continuam a ser anabolizados pela BMW. Novo crossover Countryman tem 45% a mais de comprimento (hoje, 4,3 m) em relação ao primeiro modelo inglês de 1959. Três versões chegam ao mercado: Cooper, Cooper S e ALL4 (tração integral). Motores turbo de 1,5 L (3 cilindros), 136 cv e de 2,0 L (4 cilindros), 192 cv. De R$ 144.950 a 189.950.

CITROËN C3 e C3 Aircross finalmente estreiam o câmbio automático de seis marchas, da japonesa Aisin, como a Coluna antecipou. Seu funcionamento é suave e tem três modos, além de seleção sequencial. Motor de 1,5 L saiu de linha. Como a potência do motor de 1,6 L caiu 4 cv, as respostas ao acelerador ficaram algo mais lentas. Preços entre R$ 58.540 e R$ 76.400.

MINICIDADE da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), de São Paulo, foi modernizada em colaboração com o Instituto Renault. Faz parte da ação “O Trânsito e Eu”, incluindo sala digital e realidade virtual. CET estima que 14.000 crianças anualmente visitem as novas instalações. Em 24 anos, mais de 200.000 jovens passaram por essa experiência meritória.

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: