ANÁLISE

ALTA RODA

Alternativas de mobilidade


Nas grandes cidades adere-se rápido a novas tecnologias


A tendência dos motoristas brasileiros de utilizar novas tecnologias que facilitem sua vida no trânsito pesado do dia a dia fica amplamente demonstrada pela rápida aceitação dos sistemas de navegação por GPS. Era um acessório relativamente caro no começo, mas a introdução nos telefones inteligentes impulsionou sua utilização. Hoje, os chamados navegadores portáteis caíram em desuso.

Centrais multimídia nos veículos passaram a incluir o GPS, porém esbarraram no preço elevado e na necessidade de atualizar mapas. Mais uma vez os celulares deram sua contribuição, pois mapas digitais recebiam atualizações frequentes e sem custos. Google Maps, Navtec (hoje, Here) e TeleAtlas (agora, TomTom) abriram novas fronteiras para traçar rotas. Permitiram ao motorista chegar a qualquer lugar onde nunca passou antes e dispensaram a obtenção de informações com terceiros ou em mapas de papel.

Isso, no entanto, era insuficiente. Uma startup (empresa iniciante) israelense, batizada de Waze, deu o terceiro e decisivo passo para revolucionar o modo mais rápido e prático de chegar de um ponto a outro. Tudo graças às redes de dados móveis das operadoras telefônicas e à colaboração dos usuários do serviço. Estes passaram a relatar problemas no trânsito, acidentes, alagamentos e agregando informações de forma automática sobre o percurso ao simples ato de abrir o aplicativo no celular.

A empresa logo foi adquirida pelo Google, mas as duas redes continuam independentes. Pelo que se sabe, compartilham apenas dados de acidentes. Os concorrentes TomTom e Here reagiram por meio de convênios com redes controladoras de tráfego e outras informações. Porém, só em São Paulo, o Waze tem 3,5 milhões de usuários, o que a torna a cidade mais conectada ao aplicativo no mundo. Se o motorista informa o final da placa, recebe caminho alternativo (quando possível) para evitar a zona de rodízio.

O engajamento dos motoristas chega a apontar mais de 2 mil buracos por dia, bom roteiro para a prefeitura, que desejar amenizar esse martírio. De outro lado, há queixas sobre roteiros passando por locais perigosos.

André Loureiro, diretor da empresa no Brasil, informou à Coluna uma providência: “Em agosto de 2016 iniciamos um programa piloto no Rio de Janeiro, onde usuários podem apontar zonas de risco de criminalidade. Nossa equipe checa as informações e alimenta os algoritmos de atualização. Aos poucos teremos roteiros alternativos e esse serviço se estenderá a outras cidades.”

Outra facilidade em falta é a integração do Waze ao Android Auto. Centrais multimídia têm telas maiores e de melhor resolução. Feita a conexão, acaba o problema de fixar o smartphone no para-brisa ou no painel e aumenta a segurança na exibição da rota, além de facilitar acionar um comando. Loureiro não pôde informar quando isso será possível.

Ele confirmou, porém, que até o fim do ano o programa Waze Carpool estará disponível na capital paulista. O aplicativo poderá ser usado por quem está a pé à procura de carona solidária. O custo, calculado automaticamente, cobrirá apenas despesas de combustível. Promete tornar-se alternativa de mobilidade, diferente de serviços do tipo Uber e outros.

RODA VIVA

QUEDA das vendas de veículos novos tende a diminuir a frota brasileira. Segundo estudo do Sindipeças, em 2016 havia 42,9 milhões unidades entre automóveis e comerciais leves e pesados, apenas 0,7% a mais que em 2015. Comerciais leves (-1,1%) e ônibus (-0,9%) recuaram pela primeira vez desde 1990. Motos também diminuíram 1,2%, para 13,5 milhões.

AUDI decidiu abrir o leque de seu portfólio. Aposta firme nas versões esportivas de alta gama: R8 (motor V-10 Plus, 610 cv), R$ 1.170.990; RS6 e RS7 (V-8 turbo, 605 cv), R$ 669.990 e 728.990, respectivamente. Nos próximos meses e adentrando em 2018 terá mais oito novidades, entre elas o novo Q5 importado do México e, portanto, a preço mais competitivo.

ENTRE os sedãs compactos, o Hyundai HB20S, na versão de topo Premium, se destaca pela oferta de bom equipamento multimídia e volante multifuncional. Motor de 1.600 cm³ e câmbio automático convencional de seis marchas formam um conjunto equilibrado. No entanto, com carga total falta um pouco de fôlego e perde em estabilidade direcional ante alguns concorrentes.

ABORDAGEM mais técnica e menos política. Assim a cidade de São Paulo enfrentará os atropelamentos que cresceram este ano. Tempo de semáforos aumentará 20% para travessia de pedestres. Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) detectou que a maioria dos acidentados tinha mais de 50 anos. Com o envelhecimento da população torna-se importante essa providência.

CÂMARA dos Deputados analisa proposta que torna crime adulterar tecnologia ou substância para reduzir poluição ambiental. Hoje é fraude comum, praticada por motoristas, transportadoras e oficinas mecânicas, anular a ação do Arla 32 em motores diesel de caminhões e ônibus. Volume desse reagente é 50% menor que o previsto para a frota circulante.

____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement

Comentários: 1
 

Eduardo Abramovay
25/05/2017 | 06h46
Pergunta dirigida a Fernando Calmon Se os aplicativos conseguem detectar com pequena margem de erro a localização em terra do usuário, eles não poderiam ser usados para prevenir batidas de automóveis? Tipo carro A vai se encontrar com carro B em tal cruzamento. Conseguem fazer um carro se locomover sem motorista e não conseguem prever uma batida? Claro, isso implicaria em que todos carros estivessem conectados, mas não é o que acontece? Dados mais críticos dizem que temos no máximo 4 milhões de carros em circulação permanente. Se 3,5 milhões estão conectados ao Wase, já estamos praticamente lá. Obrigado

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: