ANÁLISE

AUTOINFORME

Carros ficarão mais caros nos EUA se Trump taxar México


Roland Berger mostra que medida pode ter efeito oposto ao desejado


A proposta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de taxar carros importados, especialmente do México, poderia criar problemas para os fabricantes estadunidenses, reduzindo a lucratividade, conforme estudo da consultoria Roland Berger: o chamado imposto de fronteira, que no caso do México seria entre 20 e 35%, causaria o efeito oposto ao desejado, eliminando postos de trabalho nos EUA.

Segundo o relatório, apresentado na semana passada em Berlim, a aplicação do imposto provocaria custos adicionais para o setor automotivo. "Para as montadoras, o resultado provavelmente será intensa pressão de margem e vendas de veículos reduzidas, possivelmente resultando em mais perdas de emprego", disse Wolfgang Bernhart, sócio da Roland Berger, conforme a agência Flash de Motor.

Ele explicou que o imposto provocaria um aumento médio de US$ 1,5 mil por veículo fabricado nos Estados Unidos, isso devido à grande quantidade de conteúdo estrangeiro. No caso de carros asiáticos o aumento poderia chegar a US$ 2,2 mil, enquanto os preços dos carros europeus teriam um aumento de US$ 5,3 mil.

Segundo o relatório, essas perdas não seriam compensadas com a eventual transferência da produção do México para os Estados Unidos por causa do custo de fabricação de carros pequenos e médios no país: “a produção nos segmentos de pequenos e médios não é mais economicamente viável nos EUA”, disse o consultor.

Bernhart lembrou que as perdas de 600 mil empregos na indústria automobilística nos Estados Unidos antes da recessão (entre 2000 e 2009) tem pouco a ver com o México, onde foram criados nesse período apenas cerca de 100 mil vagas no setor automotivo. Na verdade, explicou, empregos estão sendo perdidos na indústria automobilística estadunidense devido ao aumento da automação com ganho simultâneo de produtividade.

FERIADOS E GREVE PREJUDICARAM PRODUÇÃO
Abril foi um mês curto, com apenas 18 dias úteis – número equivalente ao de fevereiro - por causa dos feriados da Sexta-feira Santa e de Tiradentes, o que prejudicou o balanço mensal. A indústria foi prejudicada também pela greve geral: Volkswagen, Ford, Mercedes-Benz, Scania e Toyota tiveram a produção paralisada na sexta-feira, 28 de abril.

PEDALANDO ACELERADO
A produção de bicicletas teve queda de 1,9% no primeiro trimestre deste ano, com 146.097 unidades, mas em março houve crescimento de 15,6%, reflexo dos investimentos para atender ao crescimento da demanda. A projeção é de crescimento de dois dígitos em 2017.

MAIS LUZ, MAIS SEGURANÇA
Você reparou que quando trafega por uma rua escura diminui a velocidade? É uma reação natural, uma vez que a menor visibilidade o expõe ao perigo. Pois a Philips lançou na Automec, na semana passada, uma lâmpada para faróis que aumenta a visibilidade na estrada em 35 metros numa velocidade de 100 km/h, permitindo que o motorista tenha um tempo maior de reação em caso de um acidente.

HOMENS COM PICAPES SÃO MAIS ATRAENTES
Pesquisa feita nos Estados Unidos (só podei ser) revelou que a maior parte das mulheres entrevistadas (32%) consideram que um homem se torna mais atraente ao volante de uma picape. Duas picapes - Ford F-150 o Chevrolet Silverado - são os dois veículos mais vendidos nos Estados Unidos. Juntas, somam cerca de 1,5 milhão de unidades por ano. Os carros esportivos, antigamente os preferidos, ficaram em segundo lugar na preferência feminina.

__________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: