ANÁLISE

AUTOINFORME

Artimanhas para ludibriar o consumidor


É preciso ficar atento ao que está escrito nas letras miúdas dos anúncios publicitários


Dia desses a Caixa Econômica Federal lançou uma linha de crédito para, segundo o banco, facilitar a compra de moto ao consumidor. Legal, né? Juros de baixos e sessenta meses para pagar. A questão é que a oferta não é o que parece: os juros não são de 1,75% ao mês, mas a partir de 1,75%. Isso significa que os juros não podem ser menores do que esse porcentual, porém há possibilidade de que eles sejam maiores até o infinito.

E o pagamento não é exatamente em 60 meses, mas em até sessenta meses. Essa outra falácia significa que este é o prazo máximo, mas ninguém garante que o banco vai oferecer esta condição ao cliente. O programa da instituição financeira citada, por exemplo, prevê financiar até 90% do valor da moto. O “até” dá margem ao banco para financiar quanto quiser, 80%, 60%, 40% ou 1%.

As pegadinhas do varejo vão além: a conjugação do verbo no condicional é uma ferramenta muito utilizada nas campanhas publicitárias e pode levar o consumidor ao engodo: “O prazo de financiamento poderá chegar a 60 meses”. Na comunicação escrita, anúncios de jornais e revistas e mesmo na mídia digital, o vilão é o asterisco. Oficialmente a estrelinha quer dizer que existe uma explicação adicional. Mas nas mãos dos publicitários muitas vezes o asterisco significa “isso é mentira”.

Lá no pé da página, em letrinhas microscópicas, o asterisco revela a verdade: você vai descobrir que o preço do carro não é exatamente os R$ 39.990 grafados com destaque no anúncio, mas R$ 5 mil, R$ 10 mil a mais. Sim, existe o carro de R$ 39.990, mas ele é bem diferente da foto que aparece na propaganda: não tem pintura metálica, rodas de alumínio, câmbio automático, bancos de couro etc.

As tentativas de atrair o consumidor têm infinitas artimanhas e estão em todos os setores da economia. Quantas vezes você não se animou em comprar um apartamento com uma pequena entrada e prestações de R$ 2,5 mil? “Poxa, uma prestação dessas dá pra pagar”. Mas o asterisco mostra que, após a entrega da obra, a prestação sobe para R$ 8 mil. A estrelinha vilã revela também que os 102 m2 anunciados se transformam em 66 m2, descontada a área comum do condomínio.

E a viagem dos sonhos? “Amã, Jordânia, via Dubai, por US$ 1.935,00”. No pé da página, corpo cinco, o aviso: preço válido somente de 12 a 18 de setembro, permanência mínima 15 dias, taxa de embarque não incluída. Tarifa sujeita a alteração sem aviso prévio.

Na venda do carro, do apartamento ou da pizza de domingo, a estratégia é a mesma: depois de recortar, durante 12 semanas, o cupom impresso na caixa que dá uma pizza de presente para o freguês fiel, o asterisco revela que a promoção só é válida de terça a quinta das 15h às 17h. E só de mussarela.

Portanto, muito cuidado com as artimanhas da publicidade. E fuja dos asteriscos.

CHEGOU O FUNDO DO POÇO?
Para um setor que há anos não divulga uma boa notícia, o aumento de 6,1% nas vendas em março pode significar um respiro e, quem sabe, o início da sonhada retomada. Mas é preciso tratar esse resultado com cautela: os 183,8 mil veículos vendidos foram consequência de um mês longo, com 23 dias úteis. Tanto que as vendas diárias continuam no patamar das sete mil unidades: 7.994 carros/dia. Mais significativo foi o resultado do acumulado no trimestre: uma queda de apenas 1,1% sobre 2016

MERCADO PARADO, MAS MUITAS NOVIDADES
Mesmo em baixa, o mercado brasileiro é um dos mais apetitosos do mundo e o que proporciona uma das maiores margens de lucro. Por isso as montadoras não perdem o pique: só nos últimos dias foram apresentados meia dúzia de carros: o Corolla 2018, o Mini Countryman, o Mobi com câmbio automático, o Ka Trail, o Honda HR-V Touring e a picape Frontier, além da S10 flex automática, que vem por aí.

SEMINOVOS NA FRENTE
O mercado de usados fechou o trimestre em crescimento, mas o segmento que mais aumentou as vendas foi o de seminovo, repetindo o bom desempenho do ano passado: os carros com até três anos de uso venderam 25% a mais do que no primeiro trimestre de 2016.

CHINA COMPRA 5% DA TESLA
A empresa chinesa Tencent Holdings investiu US$ 1,7 bilhão na Tesla, empresa estadunidense que produz automóveis elétricos, ficando com 5% das ações.

__________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: