ANÁLISE

DE CARRO POR AÍ

Novo Polo e Virtus, novidades da VW Brasil


Marca encerra especulações e confirma novos compactos


No Salão de Genebra, encerrando especulações, Volkswagen anunciou resgatar no próximo ano nova e atualizada versão do Polo no Brasil. Virá em carrocerias hatch e sedã, como o fez na década de 90, mas separá-los-á por nomes. Hatch será o Novo Polo e Virtus a versão três volumes sedã.

Há duas décadas, quando apresentado, era o mais moderno e o melhor dos Volkswagen no País, imagem buscada pela empresa. Novo Polo não é derivação ou desenvolvimento traçado sobre estrutura do Gol, mas produto inteiramente novo, construído sobre a plataforma MQB, já utilizada no Brasil para fazer Golf e Audis A3 e Q3. Será novo passo a um dos maiores desafios impostos a um fabricante nacional: sair da atual terceira posição de vendas e reassumir a liderança.

Dúvida no tema estava nas possibilidades veiculadas por algumas publicações vendo o Polo europeu, a ser lançado ao fim deste ano, como inspirador do Gol. Pela informação da Volkswagen serão dois produtos. A nova geração do Gol, com apresentação prevista para o próximo mês, devendo diferenciar-se do modelo atual por mudanças frontais em grade, para-choques e grupo óptico, maior preocupação com a interconectividade, mudanças internas.

Táxi autônomo VW e picape Mercedes, novidades maiores
Mostra suíça, o Salão de Genebra usualmente busca temas como ecologia, hibridismo ou segurança. Nesta 87ª edição, deixou rolar. O caminho da redução de emissões está bem pavimentado por legislação e carros híbridos, elétricos ou autônomos, em trilhas próprias, variando marca para marca.

Matthias Müller, o CEO mundial do Grupo Volkswagen, fez declaração pontual ao apresentar o Sedric, novo autônomo como proposta de táxi para quatro pessoas. O grupo investe alguns bilhões de dólares em seu projeto Together – Strategy 2025 (Juntos – Estratégia 2025), pavimentando a via de combustíveis alternativos e autonomia. O Sedric, frente e traseira iguais, sem pedais, volante ou instrumentos, atende pelo toque de um botão à mão do interessado. Não entrará em produção, mas será referência de tecnologia para os próximos anos. Disse o executivo maior da VW, o futuro começa hoje.

Da Volkswagen, novidade mais atrativa foi o Arteon, seguindo o desenho atual de sedãs com perfil acupezado. Substitui o antigo Passat CC, depois CC e, com o fim de produção do Phaeton será o maior da marca.

Exibido também SUV Tiguan de sete lugares, sobre plataforma MQB, mesma de Golf e Audis A3 e Q3. Importante para o Brasil, será produzido no México e importado sem impostos, com previsão de competitividade e vendas num mercado de grande expansão neste segmento. David Powells, presidente da VW no Brasil, projeta que nosso mercado superará a média mundial de preferência por utilitários esportivos, hoje em 25%.


Tiguan Allspace: 7 lugares

Foi salão de carros esportivos de alta performance, alguns ultrapassando 1.000 cv de potência, e com presença de marcas conhecidas Ferrari, Lambo, Maserati, e outras sem referências no mercado nacional: Pagani; David Brown – nada a ver com Aston Martin; Koenniseg; Kahn; Italdesign, agora marca da VW, pelo Rabel, exercício de estilo mesclando base mecânica Lamborghini/Audi R8 e carroceria futurística, a ser feito em apenas cinco unidades; novidadeira chinesa Techrules com projeto de estilo por Giorgetto Giugiaro, insólito por usar turbina a jato como gerador de energia a seis motores elétricos; Eadon Green em cupê Black Cullin inspirado nos anos 30, confortável e performático.

Brasil
De maior interesse ao mercado nacional havia o EF7 – iniciais de Emerson Fittipaldi, associado ao projeto, esportivo construído pela HWA, conduzida por Hans-Werner Aufrecht, o A da antiga AMG, preparadora de Mercedes. Monobloco e carroceria em fibra de carbono, motor V12 Mercedes, 1.000 kg e 600 cv. Iniciativa para 39 veículos – mesmo número das vitórias internacionais do bi-campeão, carroceria Pininfarina. Preço estimado, ½ Mc Laren, ou seja, US$ 1M.


Vision EF7, carro do Emerson

De referência sentimental, relançamento da marca francesa Alpine, controlada pela Renault, muito próxima estilo ao modelo original A110, evolução do mítico A8 construído e vitorioso nas corridas nacionais na década de 60.


Alpine A110 versão 2017

Curiosidade ao mercado europeu, tipo atração periférica, as picapes Mercedes X-Class e Renault Alascan. Ambas com mesma base serão feitas sobre base idêntica pela Nissan na Argentina e exportadas ao Brasil via Mercosul. Outra, picape feita pela Mitsubishi para a Fiat.


Picape Mercedes, X-Class

Novo Mercedes E Coupé, belo em suas linhas fluídas e Range Rover Velar, proposta sobre o Evoque, menos SUV e mais crossover – aparentemente a Land Rover se conduz em caminho em direção ao asfalto para um sedã. Médio prazo e curiosidade para a marca surgida com jipes.

Papos de salão
Conversas, estórias, certezas e dúvidas de jornalistas internacionais no Salão de Genebra

Up! terá versão forte
Markus Kleimann, diretor de desenvolvimento da VW no Brasil disse, em jantar restrito, ter pronto protótipo do Up! TSI com o motor 1 litro, 3-cilindros, turbo, injeção direta e os 125 cv atualmente equipando o Golf em versão TSI. Será versão para ampliar as opções na linha – e adicionalmente o 1.0 mais veloz do mundo. Nome em suspenso. GT ou TSII.

Ex-quase falida PSA compra Opel/Vauxhall
Notícia marcante do salão foi a compra da alemã Opel e sua subsidiária inglesa Vauxhall pelo grupo francês PSA, controladora de Peugeot, Citroën e DS. Opel e Vauxhall pertenciam à GM.

Negócio de € 2,2B – uns US$ 2,3B. Justificativas para a transação variam diametralmente. Pela GM as marcas vinham em prejuízos seguidos – sensíveis € 9B desde 2009 –, e o futuro não sinalizava positivamente por conta e soma com fatores exógenos: saída do Reino Unido da União Europeia, projetando aumento de custos da Vauxhall, no qual boa parte das peças é importada; e o exercício de xenofiobia de Donald Trump, presidente dos EUA, pressionando tradicionais produtores de veículos no país a cortar investimentos no México e investir em fábricas e na produção norte-americana. Soma aponta prejuízo e necessidade de investimentos, conta desbalanceada.

PSA tem outra visão – negócio Opel + Vauxhall é mal administrado. Carlos Tavares, o ex-vice mundial da Renault e executivo maior da PSA disse, em três anos tira-la-á do prejuízo; crescerá a margem de lucro operacional para 2%; e a 6% em dez anos. Transação ampla, supera a atividade de fazer carros e entra no aspecto financeiro e securitário com a venda pela GM da unidade financeira. GM foi dona da Opel por 88 anos. PSA honrará o fornecimento de peças pela Opel para a minguante operação da Holden na Austrália, para a Buick nos EUA, mantido o intercâmbio acionário e técnico para desenvolver produtos e veículos.

Fevereiro Opel lançou o Crossland, SUV sobre plataforma mecânica do Citroën C3 hatch.

Com o negócio, PSA+Opel+Vauxhall será o segundo grupo produtor de automóveis na Europa, ultrapassando a Renault, decrescendo em vendas no continente. Alemães e ingleses esperam tsunami sino-francês para cortar empregos e custos, afinar e compatibilizar métodos. Tais atitudes na PSA mudaram os prejuízos de 2013 nos lucros de 2015 e reservas de € 2,7B.

Tenho visão adicional. Ex-poderoso na Renault, hoje mais poderoso na PSA, Tavares, homem do automóvel, sabe perfeitamente, carros franceses tem má fama mundial. Assumir a Opel – e a Vauxhall é apenas um apêndice – dar-lhe-á algum conhecimento quanto aos métodos alemães para apurar qualidade e, muito mais, agregará a imagem da qualidade alemã aos seus franceses. Compraram a marca para ficar com a fama.

Surpresa, o Peugeot 3008 Carro do Ano
Boa parte dos jornalistas presentes ao Salão de Genebra sorriu amarelo ao anúncio do COTY – nada de perfume, mas Car of The Year, Carro do Ano –, escolhido por júri internacional de jornalistas especializados. Prêmio foi ao novo Peugeot 3008 recém-lançado – ainda não chegou ao Brasil –, com design em pegada de SUV, adequada às simpatias do mercado. Seguindo-o, Alfa Romeo Giulia, novo Citroën C3, Mercedes Classe E, Nissan Micra, Toyota C-HR e Volvos S90/V90.

Critério de escolha considerou inovação, segurança, design e custo-benefício.


Peugeot 3008, Car of the Year na Europa

Porsche e Brasil
Presente à apresentação do Porsche Panamera Sport Turismo agora em versão crossover – ou hatch de quatro portas –, Matthias Brüch, diretor geral da marca no Brasil, tem visão contida do comportamento do mercado neste indefinível ano.

Entende, vendas no mercado brasileiro deverão superar levemente 2 milhões de unidades. Quanto à Porsche imagina pequeno ganho, repetindo a performance de 2016, quando marca se elevou apesar da redução do mercado. Opinião de outros executivos oscila: David Powells, da Volkswagen crê em 2% de crescimento; Antonio Megale, presidente da Anfavea, associação dos fabricantes, 6%; Carlos Zarlenga, condutor da GM, entusiasmados 10%.

O Sport Turismo pouco auxiliará no total da POrsche no Brasil, cujo líder não é o mítico 911, mas o utilitário esportivo Macan. Mas terá referência como o station wagon, break, estate car, perua – leque de denominações para este tipo de veículo com teto mais longo e porta malas se comunicando com o habitáculo. O preço superará o milhão de reais.


Porsche Sport Turismo, R$ 1M

Audi esquenta
Marca de luxo deu ênfase à tecnologia e, em veículos programados para exportação ao Brasil, aposta em performance. A parte do conceito Q8, um SUV expondo soluções, mostrado em janeiro no Salão de Detroit e já apresentando retoques, será produto marcante no setor. Conjuga motor 3.0 TFSI – turbo e injeção direta –, mais sistema híbrido elétrico, mais compressor elétrico, gera 476 cv capazes de levá-lo esportivamente de 0 a 100 km em surpreendentes 4,7s e conseguir velocidade final de 275 km/h reais.

Outra novidade, o RS 5 Coupé, lobo com cara de lobo usa motor 2.9 V6, biturbo, gerando 450 cv de potência e torque de 600 Nm. Na lista de potência, RS3 Sportback e o SQ5 TFSI. O primeiro se torna derradeiro usuário de motores de cinco cilindros em linha, 0,5 litro/cilindro, 400 cv e 480 Nm de torque. Recém-apresentado, o SQ5 TFSI emprega motor V6, 3 litros e 354 cv e 500 Nm de torque.

Comentários: 0
 

Comente este artigo

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*: